Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

EMPREGOS

Senadores repercutem saída da Ford e demissões no Banco do Brasil

Por: AFP

Publicado em: 12/01/2021 16:16

 (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Senadores se manifestaram nas redes sociais, após a Ford ter anunciado, nessa segunda-feira (11), que encerra a produção de veículos no Brasil e que fechará três de suas fábricas no país. O fim das atividades em Camaçari (BA), Taubaté (SP) e Horizonte (CE) pode fazer com que mais de 5 mil trabalhadores brasileiros fiquem desempregados.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) criticou a postura do ministro da Economia, Paulo Guedes. “As reformas trabalhista e da Previdência deram os resultados que tinham que dar: desemprego e aumento da desigualdade. Não melhorou nossa economia! Tudo isso aliado à política econômica irresponsável e à falta de credibilidade mundial de Guedes e Bolsonaro, são fatores determinantes para empresas como a Ford deixarem de atuar no país. Uma tragédia em larga escala!”, escreveu. Assim como Randolfe, o senador Paulo Rocha (PT-PA) acredita que a demissão de trabalhadores da Ford é exemplo da “política de Paulo Guedes e Bolsonaro a todo vapor”.

O senador Rogério Carvalho (PT-SE) afirmou, por meio do Twitter, que “não dá mais para tolerar um fracassado na Presidência” e defendeu que é necessária uma proposta econômica efetiva que garanta o emprego e renda para o Brasil. Para o senador Humberto Costa (PT-PE), o Brasil tem hoje “um governo sem diálogo, sem perspectiva, uma desorganização total”.

De acordo com o senador Fabiano Contarato (Rede-ES), a decisão da companhia americana é “mais um ‘legado’ do governo Bolsonaro”. “O encerramento do parque industrial da Ford, após mais de um século de operação, ceifa 5 mil empregos diretos. O Brasil, sem liderança, afugenta investidores e entra na espiral de desemprego e desindustrialização”, escreveu O senador Jean Paul Prates (PT-RN) disse algo parecido ao classificar a saída da multinacional como um retrocesso. “Mais um recibo passado pelo desastroso governo Bolsonaro à economia e ao povo brasileiro!”

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, também se manifestou sobre a notícia. “O fechamento da Ford é uma demonstração da falta de credibilidade do governo brasileiro, de regras claras, de segurança jurídica e de um sistema tributário racional. O sistema que temos se tornou um manicômio nos últimos anos, que tem impacto direto na produtividade das empresas”, escreveu.

Filho do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) respondeu Maia ao compartilhar uma publicação do ex-chefe da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República, Fabio Wajngarten. “A Ford mundial fechou fábricas no mundo porque vai focar sua produção em SUVs e picapes, mais rentáveis. Não tem nada a ver com a situação política, econômica e jurídica do Brasil. Quem falar o contrário mente e quer holofotes”, afirmou Wajngarten.

O senador Otto Alencar (PSD-BA) criticou a decisão da Ford. Ele afirmou que, para operar na Bahia, a empresa “teve doação de terreno, isenções fiscais federais e estaduais, equalização das taxas de juros e empréstimos de longo prazo”. “A Ford pratica capitalismo selvagem. Não merece respeito”, escreveu.

Demissões no Banco do Brasil
Na segunda-feira (11), também, o Banco do Brasil anunciou o programa de demissão voluntária para 5 mil funcionários. “São 361 agências fechadas pelo Banco do Brasil. Muitas cidades do interior vivem de uma agência assim. É claramente o desmonte do banco para que seja vendido. Onde esse governo vai parar?”, questionou o senador Humberto Costa, por meio do Twitter.

O senador Jean Paul Prates (PT-RN) afirmou que a decisão do banco é um desmonte de empresas estatais importantes para a economia do nosso Brasil. “A contribuição do governo Bolsonaro para a crise é forçar ainda mais a redução e a venda das atividades da Petrobras, do Banco do Brasil, da Eletrobras, dos Correios, entre outros grandes conglomerados autossuficientes e lucrativos, jogando ainda mais gente na rua”,apontou.

O senador Paulo Rocha (PT-PA), por sua vez, acredita que é preciso “resistir à privatização”. “O Banco do Brasil é uma das empresas públicas mais lucrativas do país. Não vamos deixar este governo genocida privatizar um banco com 212 anos de contribuição para economia do povo brasileiro”, escreveu.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 21/01
Variante britânica do coronavírus continua a se espalhar pelo mundo
Enem para todos com o professor Fernandinho Beltrão - Genética do sangue
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 20/01
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco