Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

CONFLITO

Líder chinês diz que protecionismo dos EUA pode causar uma nova Guerra Fria

Publicado em: 26/01/2021 16:01

 (Foto: Li Xueren/Xinhua)
Foto: Li Xueren/Xinhua
No 51º Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês), que começou ontem (25), o líder chinês Xi Jinping declarou que os Estados Unidos podem desencadear uma nova Guerra Fria se derem continuidade às mesmas políticas protecionistas do ex-presidente Donald Trump. O presidente da China também apelou que seja adotada uma abordagem multilateral para solucionar a crise econômica provocada pela Covid e que a pandemia não deve servir como uma desculpa para reverter à globalização em favor da "dissociação e isolamento". "Construir pequenos círculos ou iniciar uma nova Guerra Fria, rejeitar, ameaçar ou intimidar os outros, impor deliberadamente dissociação, interrupção do fornecimento ou sanções e criar isolamento ou alienação só vai empurrar o mundo para a divisão e até mesmo para o confronto", disse Xi Jinping.

No entanto, de acordo com publicação do jornal The Guardian, Jinping evitou tecer comentários diretos sobre o novo presidente norte-americano, Joe Biden, porém ressaltou que a China não seria ditada por Washington. Além disso, reiterou sua defesa do multilateralismo feita no mesmo WEF há quatro anos, na qual citou que a alternativa seria então a lei da selva. "Nenhum problema global pode ser resolvido por qualquer país sozinho. Deve haver ação global, resposta global e cooperação global. Devemos construir uma economia mundial aberta, apoiar o regime de comércio multilateral, descartar padrões, regras e sistemas discriminatórios e excludentes e derrubar barreiras ao comércio, investimento e intercâmbio tecnológico.", afirmou o presidente chinês.

Segundo Jinping, as relações entre as nações precisam ser coordenadas e reguladas por meio de instituições e regras adequadas. "O forte não deve intimidar o fraco. As decisões não devem ser tomadas simplesmente exibindo músculos fortes ou acenando com um punho grande", acrescentou. O líder da China ainda enfatizou que seu país não será influenciado por críticas aos direitos humanos numa alusão a repressão nos últimos tempos em Hong Kong e aos muçulmanos uigures, que foram classificadas como "genocídio" pelo ex-secretário de Estado da administração Trump, Mike Pompeo. "Não existem duas folhas no mundo idênticas, e nenhuma história, cultura ou sistema social é igual. Cada país é único com sua história, cultura e sistema social, e nenhum é superior ao outro. A diferença em si não é motivo para alarme. O que soa o alarme é arrogância, preconceito e ódio; é a tentativa de impor hierarquia à civilização humana ou de forçar sua própria história, cultura e sistema social sobre os outros", comentou o líder chinês.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Covid longa preocupa OMS e desperta desafios
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 25/02
Bolsonaro diz não ter briga com a Petrobras
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 24/02
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco