Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

Kamala Harris faz história com papel decisivo na campanha pela Casa Branca

Publicado em: 08/11/2020 11:40

 (Foto: Jeff Kowalsky/AFP)
Foto: Jeff Kowalsky/AFP
Em 1980, a ativista social e filósofa Angela Davis foi a primeira mulher negra a concorrer ao cargo de vice-presidente dos Estados Unidos, pelo Partido Comunista. Mas sua chapa com Gus Hall foi derrotada, o que se repetiu na disputa de 1984. Depois de quatro décadas, os americanos elegeram uma mulher negra para ocupar o segundo cargo político mais importante do país. Kamala Harris, 56 anos, tem uma história de conquistas notáveis durante sua trajetória política, o que fez com que Joe Biden a escolhesse como parceira na difícil disputa contra Donald Trump e Mike Pence nas urnas. A advogada e senadora americana foi essencial para uma maior participação da população negra na votação, um dos fatores decisivos para a vitória dos democratas.

Com pais imigrantes, uma mãe indiana e um pai jamaicano, Kamala nasceu e viveu o início da infância na cidade Oakland, na Califórnia. Após o divórcio do casal, ela se mudou para Montreal, no Canadá, com a irmã mais nova e a matriarca, Shyamala Gopalan, pesquisadora na área oncológica e ativista de direitos civis. Foi por influência da mãe que Kamala optou pela advocacia e pela área de direitos humanos. “Ela (Gopalan) entendia muito bem que estava criando duas filhas negras. Estava determinada a garantir que nos tornaríamos mulheres negras confiantes e orgulhosas”, afirmou a senadora em sua autobiografia intitulada The trusths we hold, publicada em 2019. Em sua página do Twitter, também escreveu sobre a convivência com a matriarca. “Minha mãe me criou para ver o que poderia ser, sem o peso do que já foi.”

Kamala, que se formou na Universidade Howard, em Washington, um ícone da cultura negra nos Estados Unidos, coleciona outros pioneirismos em sua carreira no direito e na política. Ela foi a primeira procuradora negra na história da Califórnia, onde também ocupou o cargo de procuradora-geral, em 2010. Seu discurso de que foi uma “procuradora progressista” é contestado por críticos, que alegam que ela lutou para manter sentenças injustas e se opôs a reformas na Califórnia, como uma lei que instava o procurador-geral a investigar tiroteios envolvendo a polícia.“Cada vez que os progressistas pediam a ela que apoiasse uma reforma do sistema penal como procuradora do condado e, mais tarde, como procuradora do estado, Harris se opôs ou se calou”, escreveu a acadêmica Lara Bazelon no jornal The New York Times.

O mandato como procuradora-geral permitiu que Kamala se aproximasse do filho falecido de Joe Biden, Beau, que ocupava o mesmo cargo que ela em Delaware. “Sei o quanto Beau respeitava Kamala e seu trabalho e, para ser honesto com você, isso pesou na minha decisão (de escolhê-la)”, disse o presidente eleito durante sua primeira aparição com a companheira de chapa.

Racismo

Em 2016, Kamala foi a primeira mulher com ascendência sul-asiática e a segunda negra a se tornar senadora. Foi lá que começou a chamar a atenção do partido democrata. As bandeiras progressistas defendidas durante seu mandato foram diversas, como redução de impostos para a classe média, elevação do salário-mínimo e combate ao aquecimento global. Em 2019, ela participou das disputas primárias para se tornar candidata à presidência do partido, mas não venceu. Apesar disso, protagonizou o momento mais marcante da pré-campanha democrata, ao fazer críticas a Joe Biden em relação a questões raciais.

Durante um debate, Kamala o criticou por não ter se posicionado contra medidas de segregação durante os anos em que governou os Estados Unidos ao lado de Barack Obama, mas ressaltou que não acreditava que o concorrente era racista.

Depois da derrota, Kamala não demorou a se posicionar como uma aliada à campanha do ex vice-presidente. Em março deste ano, declarou a jornais americano que faria “tudo que estivesse ao seu alcance para ajudar a elegê-lo como próximo presidente dos Estados Unidos”.

Foi em agosto que Biden anunciou Kamala como vice, após uma “disputa” com outras 11 candidatas de carreiras políticas também notáveis, como a senadora Tammy Duckworth, do estado de Illinois, uma veterana da guerra do Iraque, e Susan Rice, ex-conselheira de Segurança Nacional. “Tenho muita honra em anunciar que escolhi Kamala Harris, uma destemida lutadora em prol do cidadão comum e uma das melhores funcionárias públicas, como minha companheira de chapa”, escreveu Biden em seu perfil no Twitter. “Estou honrada por me juntar a ele como indicação do nosso partido a vice-presidente, e vou fazer o que for necessário para que ele seja nosso comandante-chefe”, comentou Kamala na mesma rede social.

Resposta às ruas

A escolha de Kamala para compor a chapa democrata era algo esperado por estudiosos da área política, já que os EUA se tornaram palco de acaloradas discussões raciais após a morte de George Floyd. Em maio, o ex-segurança negro de 40 anos morreu asfixiado após ter sido abordado por policiais em um mercado de Minnesota. O caso levou milhares de pessoas às ruas de várias cidades americanas. Uma mulher negra em uma chapa presidencial poderia auxiliar a angariar votos nesse nicho de eleitores.


Os resultados obtidos foram positivos: após o anúncio de Harris como parceira de Biden, o partido democrata recebeu elogios de grupos que lutam contra o racismo, o apoio de celebridades americanas, principalmente mulheres, e milhões em doações. Durante a campanha, a carismática candidata visitou estados com grande população negra, como a Geórgia. Em seus discursos, ressaltou que não estava “dizendo a ninguém em quem votar”, mas trabalhando para “conquistar o voto”.

A senadora também prometeu lutar por mudanças severas na polícia americana. “Maus policiais são ruins para bons policiais. Precisamos de reforma no nosso policiamento e no nosso sistema de justiça criminal”, declarou No debate presidencial com Mike Pence, em outubro. Em outro momento do evento, ergueu a mão enquanto Pence tentava interrompê-la. “Senhor vice-presidente, estou falando, sou eu que estou falando”, retrucou Kamala, conseguindo silenciar Pence. Poucas horas depois, a frase já estampava camisetas vendidas on-line.

No meio político americano, já é cogitado que Kamala possa ser uma forte candidata à Presidência na próxima eleição americana, em 2024, já que Biden, de 78 anos, citou várias vezes que se considera velho para se manter por muito tempo no cargo, o que também o motivou a escolher uma vice mais jovem. “Preciso de alguém que trabalhe ao meu lado que seja inteligente, forte e pronto para liderar. Kamala é essa pessoa”, declarou Biden em um de seus comícios.

Primeiro casal inter-racial

Doug Emhoff, marido de Kamala Harris também entra para a história. Ele será o primeiro judeu a fazer parte da primeira e segunda famílias do país e, com a mulher, formará o primeiro casal inter-racial a ocupar suas funções. Emhoff, 56 anos, é um advogado veterano especializado em direito de mídia, esportes e entretenimento. O escopo do novo papel do primeiro “segundo cavalheiro” dos EUA ainda não foi determinado — até agora, Emhoff foi vago sobre isso.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Vídeo mostra confusão envolvendo agentes da CTTU em Santo Amaro
Brasil: PIB deve crescer 8,8% no terceiro trimestre
Enem para todos com o professor Fernandinho Beltrão #157 Doença em destaque: filariose
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 02/12
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco