Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

EUA

Trump 'evolui bem' mas não está fora de perigo, afirma médico

Por: AFP

Publicado em: 04/10/2020 09:32

 (Foto: Jim Watson/AFP)
Foto: Jim Watson/AFP

Após informações contraditórias sobre seu estado de saúde, Donald Trump publicou no sábado um vídeo no hospital no qual afirma que está "muito melhor", mas que o "verdadeiro teste" será nos próximos dias, enquanto seu médico anunciou que "evolui bem" da covid-19 mas "ainda não está fora de perigo".

"Cheguei aqui e não estava me sentindo muito bem. Eu me sinto muito melhor agora", disse Trump no hospital militar Walter Reed, que fica na região Washington, em um vídeo divulgado no Twitter. 

"Estamos trabalhando duro para que eu possa voltar (...) Acho que vou voltar logo e desejo terminar a campanha da forma como comecei", acrescentou, com um semblante relaxado, vestindo uma camisa de gola aberta e paletó azul.

Pouco depois, o médico da Casa Branca, Sean Conley, afirmou que o presidente que "o presidente Trump continua evoluindo bem, com um progresso substancial desde o diagnóstico".

"Apesar de ainda não estar fora de perigo, a equipe continua sendo cautelosamente otimista", completou. No vídeo, Trump reconheceu a incerteza sobre a evolução da doença.

"Estou começando a me sentir bem. Não vou saber até os próximos dias, acho que este é o verdadeiro teste, então veremos o que acontece nos próximos dias", disse, antes de afirmar que sua esposa Melania, que também testou positivo para a doença, tem sintomas mais leves que ele. 

"Melania realmente está administrando muito. Como provavelmente vocês leram ela é um pouco mais jovem que eu, só um pouquinho", brincou o presidente, de 74 anos, sobre a primeira-dama de 50 anos.

O quadro relativamente otimista de Trump foi anunciado depois que o chefe de gabinete da Casa Branca, Mark Meadows, divulgou uma avaliação muito mais alarmante. 

"Os sinais vitais do presidente nas últimas 24 horas foram muito preocupantes e as próximas 48 horas serão críticas. Ainda não tomamos um caminho claro rumo à recuperação", disse Meadows na manhã de sábado. 

"Ontem (sexta-feira) de manhã estávamos realmente preocupados" disse Meadows ao canal Fox News. "Estava com febre e o oxigênio no sangue caiu rapidamente".

"Mas nunca se considerou um risco de transição do poder", completou. Na manhã de sábado, em um primeiro boletim, Conley indicou que o presidente não teve febre durante 24 horas e que a tosse, congestão nasal e fadiga estavam diminuindo e melhorando.  Outro médico, Sean Dooley, disse que as funções cardíaca, renal e hepática do presidente eram "normais". 

O que acontece na Casa Branca?
Conley aumentou a confusão ao sugerir que Trump havia sido diagnosticado na quarta-feira, e não na quinta-feira como a conta oficial do presidente no Twitter revelou, mas depois afirmou que cometeu um erro. 

Pouco depois de Trump chegar ao hospital, Conley informou em um comunicado que o presidente estava recebendo o antiviral remdesivir e uma dose de oito gramas de um coquetel de anticorpos experimental. 

Os médicos e a Casa Branca não explicaram o motivo de o presidente tomar medicamentos de eficácia não comprovada se a evolução de seu quadro era satisfatória. O otimismo de Trump sobre suas perspectivas de recuperação foi atenuado com a notícia de que várias pessoas de seu entorno testaram positivo para covid-19. 

Seu assessor de campanha Chris Christie e vários senadores integram uma lista crescente de pessoas próximas ao presidente que foram infectadas ao comparecer a um evento na Casa Branca no fim de semana passado. 

O grupo inclui a primeira-dama Melania, a assessora Hope Hicks, a ex-conselheira Kellyanne Conway, o chefe de campanha Bill Stepien e os senadores republicanos Thom Tillis e Mike Lee. Três jornalistas credenciados na Casa Branca também testaram positivo. 

Um terceiro senador republicano, Ron Johnson, de Wisconsin, anunciou no sábado que também foi diagnosticado com o novo coronavírus.

"Falsa sensação de conforto"
Especialistas em saúde pública expressaram preocupação com um possível surto relacionado com o evento de 26 de setembro que marcou o anúncio da indicação da juíza conservadora Amy Coney Barrett à Suprema Corte.

"Se basearam demais em testes de diagnóstico. Sabemos que esses testes têm uma taxa muito alta de falsos negativos", disse Ali Nouri, presidente da Federação de Cientistas Americanos.

"Confiar simplesmente nestes diagnósticos para determinar quem pode entrar e sair da Casa Branca e não adotar outras proteções, como o distanciamento social e as máscaras, criaram uma falsa sensação de conforto na Casa Branca", acrescentou.

Trump, que está em desvantagem nas pesquisas em relação ao rival democrata de 77 anos Joe Biden, foi obrigado a suspender e repensar o trecho final da campanha para as eleições de 3 de novembro.

Entre as incertezas estão dois debates entre os candidatos e se Trump deve ceder temporariamente o poder ao vice-presidente Mike Pence em caso de agravamento de seu estado.

Biden, que enfrentou Trump em um debate de 90 minutos na terça-feira, anunciou que o teste de covid-19 a que foi submetido na sexta-feira deu resultado negativo e que fará outro exame neste domingo.

Durante o debate, em que Trump ironizou Biden por usar máscara e adotar precauções contra o coronavírus, o democrata recordou que muitas vezes pediu uma abordagem séria da Casa Branca à crise de saúde, que provocou mais de 208.000 mortes nos Estados Unidos.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Rhaldney Santos entrevista Celso Muniz (MDB)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #181 - Tiops de rins dos vertebrados
Rhaldney Santos entrevista Dr. Felipe Dubourcq, urologista
Polícia Federal vai usar drones para fiscalizar irregularidades nas eleições
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco