Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

DECISÃO

Promotoria grega pede 13 anos de prisão para líderes de partido neonazista

Por: AFP

Publicado em: 13/10/2020 12:02

Golden Dawn Nikos Michaloliakos, líder do partido neonazista grego, é escoltado por uma polícia mascarada a um tribunal de Atenas. Registro de 2013 (Foto: Louisa Gouliamaki/AFP)
Golden Dawn Nikos Michaloliakos, líder do partido neonazista grego, é escoltado por uma polícia mascarada a um tribunal de Atenas. Registro de 2013 (Foto: Louisa Gouliamaki/AFP)
Uma promotora grega pediu, nesta terça-feira (13), uma pena de 13 anos de prisão para os líderes do partido neonazista Amanhecer Dourado, considerados culpados na semana passada por "direção de organização criminosa".

A promotora Adamantia Economou solicitou esta pena para o líder do Amanhecer Dourado, Nikos Michaloliakos, negacionista e admirador do nacional-socialismo, assim como para outros seis líderes do partido neonazista, entre eles o eurodeputado Ioannis Lagos.

Seu pedido deve ser discutido por um painel de três juízes que anunciarão sua decisão até quinta-feira.

A promotora pediu penas de cinco a sete anos de prisão para outros 11 deputados do partido, entre eles a esposa de Michaloliakos.

Na segunda-feira, o Tribunal Penal de Atenas rejeitou todas as circunstâncias atenuantes que possam aliviar as penas de prisão enfrentadas pelos líderes do partido neonazista.

O recurso de Ioannis Lagos, que pediu a substituição de três juízes desse tribunal cujo veredicto considera "parcial", também foi rejeitado na noite de segunda-feira.

Lagos afirmou que os juízes "exigem o sangue de (...) pessoas inocentes e de suas famílias", e anunciou que considera recorrer à Corte Europeia dos Direitos Humanos.

O processo contra o Amanhecer Dourado é considerado um dos mais importantes da história política da Grécia.

Após cinco anos e meio de audiências, o tribunal qualificou com unanimidade na semana passada o partido paramilitar como "organização criminosa", um veredicto visto como "histórico" pela presidente da República, Katerina Sakellaropoulu, e por toda uma faixa da classe política grega.

O tribunal confirmou a culpabilidade do Amanhecer Dourado em vários crimes, como o assassinato do rapper e militante de esquerda Pavlos Fyssas na noite de 18 de setembro de 2013, o de um paquistanês no mesmo ano, ou as agressões contra sindicalistas comunistas também em 2013 e contra pescadores egípcios em 2012.

A promotora pediu prisão perpétua para o assassino de Fyssas, um ex-caminhoneiro.

Nikos Michaloliakos, fundador do partido paramilitar, rejeitou a condenação no Twitter: "Nos julgaram por nossas ideias", escreveu. Sua conta do Twitter foi suspensa pouco depois.

Este longo processo judicial provocou a queda progressiva do Amanhecer Dourado, terceira força política em 2015, que não obteve nenhum deputado nas últimas eleições legislativas em julho de 2019.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Polícia Federal vai usar drones para fiscalizar irregularidades nas eleições
Rhaldney Santos entrevista Dr. João Gabriel Ribeiro, neurocirurgião
Rhaldney Santos entrevista Armando Sérgio (Avante)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #179 - Coração dos vertebrados
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco