Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

PANDEMIA

Europa supera 6 milhões de casos de Covid-19, e extrema pobreza cresce no mundo

Por: AFP

Publicado em: 07/10/2020 18:55

 (Foto:  Martin Bernetti/AFP)
Foto: Martin Bernetti/AFP

A Europa superou nesta quarta-feira (7) os seis milhões de casos da covid-19, pandemia que pode jogar 115 milhões de pessoas na extrema pobreza em todo o mundo, alertou o Banco Mundial. 

A epidemia está inexoravelmente ganhando terreno no continente europeu à medida que chega o outono, mas também ameaça outras regiões - como o Caribe - onde há "transmissão intensa" do vírus, informou a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). Enquanto isso, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que foi diagnosticado com a doença na quinta-feira passada e deixou o hospital três dias depois, não tem mais sintomas e não tem febre, informou seu médico em um comunicado.

Os planos da Espanha No total, 6.000.940 casos foram registrados na Europa, dos quais 237.716 faleceram, de acordo com a contagem da AFP. A Rússia é o principal país afetado em termos de número de casos, com pouco mais de 1,2 milhão, enquanto o que soma mais mortes é o Reino Unido, com 42.445 vítimas.

Nos últimos sete dias, o continente europeu registrou 26% mais casos do que na semana anterior. A Espanha - um dos países mais afetados pena doença no continente - anunciou um plano para criar 800 mil empregos após o auxílio emergencial negociada arduamente na União Europeia.

Com os 140 mil milhões de euros que Bruxelas direcionou ao país na distribuição de fundos de recuperação econômica, o governo socialista de Pedro Sánchez estima que será capaz de criar os empregos com esse investimento ao longo de seis anos, entre 2021 e 2026.

A Espanha tem mais de 5 milhões de cidadãos que respondem às restrições de mobilidade, como forma de tentar conter uma segunda onda da pandemia. Outros países, como a Itália, que até agora oferecem melhores registros no número de casos e internações, se empenham para não passar pela mesma situação.

Roma anunciou que o uso de máscara será obrigatório em áreas externas em todo o país, e estenderá o estado de emergência até o final de janeiro. O presidente francês, Emmanuel Macron, alertou que "mais restrições" terão de ser impostas nas áreas mais afetadas à medida que a doença avança.

Malabarismos dos governos

Seguindo o exemplo de Paris, Bruxelas iniciou o fechamento de restaurantes e bares. A situação "é extremamente complexa e tensa" na capital belga, segundo o presidente da região, Rudi Vervoort.

A complexidade não afeta apenas a situação da saúde, mas parece chegar aos governos, que lutam para impor novas restrições sem paralisar a economia. Na Escócia, pubs e cafés de cinco regiões não poderão receber clientes por pouco mais de duas semanas. No entanto, poderão vender bebidas para viagem.

Governo americano em quarentena

O retorno teatral de Trump à Casa Branca gerou críticas generalizadas em toda a imprensa americana, em meio ao intenso período eleitoral. Por sua vez, Trump alega que, como líder, não poderia oferecer uma imagem de fraqueza, garantindo que retomou o comando na Casa Branca.

O presidente "o presidente não tem febre há quatro dias e não apresenta sintomas há 24 horas", explicou seu médico, Sean Conley. Mas a confusão sobre sua movimentação dentro da residência oficial foi o foco nesta quarta-feira.

Segundo um porta-voz da Casa Branca, Ben Williams, o presidente não entrou no Salão Oval na terça-feira, como um de seus assessores havia informado anteriormente. Enquanto isso, todo o alto escalão do governo dos EUA foi colocado em quarentena depois que vários oficiais compareceram a uma reunião com um oficial da Guarda Costeira que testou positivo para a Covid-19.

Por sua vez, republicanos e democratas não chegaram a um acordo sobre um novo plano de ajuda para os americanos, preocupados com os rumos da economia. Essa preocupação ganha ares de uma gigantesca tragédia para os mais pobres do planeta.

O Banco Mundial (BM) estima que a extrema pobreza - definida como condição daqueles que vivem com menos de US$ 1,9 por dia - pode aumentar em uma faixa de 88 milhões a 115 milhões de pessoas no mundo, se a previsão mais negativa for confirmada.

É a primeira vez em mais de vinte anos que a taxa mundial de extrema pobreza aumenta. Na Índia, o trabalho infantil está aumentando. Mais de 10 milhões de crianças entre cinco e 14 anos trabalham nos campos, fábricas, restaurantes ou nas ruas daquele país, e os casos estão aumentando, segundo a organização Bachpan Bachao Andolan.

Ao mesmo tempo, os mais ricos aumentam suas fortunas por causa do bom desempenho dos mercados financeiros, que têm beneficiado os gigantes da tecnologia e da saúde, de acordo com um estudo publicado nesta quarta-feira.

No final de julho, a fortuna acumulada dos bilionários em todo o mundo era de US$ 10,2 trilhões, segundo estudo do banco suíço UBS e da auditoria PWC. A região mais desigual do planeta é a América Latina e o Caribe.

E é justamente sobre os países caribenhos que a Opas trouxe um destaque nesta quarta-feira, alertando que "nos últimos 60 dias, 11 países e territórios passaram de transmissão moderada a intensa" do vírus. Uma situação preocupante "com os países reabrindo seu espaço aéreo", ressaltou Carissa F. Etienne, Diretora da Opas.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Polícia Federal vai usar drones para fiscalizar irregularidades nas eleições
Rhaldney Santos entrevista Dr. João Gabriel Ribeiro, neurocirurgião
Rhaldney Santos entrevista Armando Sérgio (Avante)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #179 - Coração dos vertebrados
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco