Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

TENSÃO

EUA voltam a pressionar autoridades de Hong Kong

Por: AFP

Publicado em: 14/10/2020 20:52

 (Foto:  ISAAC LAWRENCE / AFP)
Foto: ISAAC LAWRENCE / AFP

Os Estados Unidos voltaram, nesta quarta-feira, a pressionar a chefe de governo de Hong Kong, Carrie Lam, quem incluíram em sua lista de pessoas sancionadas, alegando que ela prejudica a autonomia daquele território chinês.

O Departamento do Tesouro adicionou 10 nomes à lista de pessoas sujeitas a sanções, incluindo o de Carrie Lam. A medida tem um efeito prático limitado, já que os Estados Unidos já haviam imposto sanções a autoridades de Hong Kong em agosto, restringindo qualquer transação financeira com as mesmas em território americano.

O Departamento de Estado emitiu seu primeiro relatório ao Congresso em virtude da Lei de Autonomia de Hong Kong, com a qual Washington busca punir Pequim pelas fortes restrições na ex-colônia britânica. O texto assinala a "permanente objeção dos Estados Unidos às ações de Pequim desenhadas intencionalmente para provocar a erosão das liberdades do povo de Hong Kong e impor as políticas opressivas do PCCh (Partido Comunista Chinês)".

A Lei de Autonomia de Hong Kong vai além das medidas aplicadas até o momento, ao criar as bases para punir nos Estados Unidos os bancos que forem considerados cúmplices da repressão naquele território chinês.

A divulgação do relatório foi acompanhada com atenção em Hong Kong, uma vez que o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, criticou abertamente o HSBC, banco que acusou de fazer negócios com indivíduos alvos de sanções enquanto "fechava contas daqueles que buscam a liberdade".

Os Estados Unidos aplicaram as medidas depois que a China impôs uma nova lei de segurança em Hong Kong. Carrie Lam denunciou as sanções americanas e comentou, em agosto, que as mesmas lhe haviam causado "um pequeno incoveniente", por terem dificultado o uso de seus cartões de crédito.

Entre os outros funcionários que sofreram sanções estão o diretor do escritório de representação de Pequim em Hong Kong, Luo Huining, e o comissário de polícia do território, Chris Tang.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Luta por representatividade: candidatas negras tentam reescrever a história
Resumo da semana: segunda onda da pandemia, drones na eleição e campanha sem aglomeração
Rhaldney Santos entrevista João Paulo (PCdoB)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco