Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

INVESTIGAÇÕES

Nos EUA, Nova York investiga morte de homem negro encapuzado pela polícia

Por: AFP

Publicado em: 03/09/2020 11:46

 (Foto: Arquivo/AFP)
Foto: Arquivo/AFP
A Procuradoria-Geral do estado de Nova York investiga a morte, em março deste ano, de um homem negro, após a divulgação de um vídeo nesta semana que mostra como a polícia o prendeu: colocando-lhe um capuz e forçando-o ficar de bruços no chão.

A morte de Daniel Prude, de 41 anos, em Rochester, norte do estado de Nova York, uma semana depois de sua prisão, foi divulgada por sua família nesta quarta-feira, e renovou a indignação pelo tratamento de pessoas negras por parte da polícia americana.

"A morte de Daniel Prude foi uma tragédia", disse a promotora Letitia James em um comunicado divulgado na quarta-feira, ao anunciar a investigação.

"Compartilho das preocupações da comunidade para garantir que haja uma investigação justa e independente sobre sua morte e apoio seu direito de protestar", acrescentou Letitia, que também é negra.

Em 23 de março, o irmão da vítima ligou para a polícia para que ajudasse Prude, que tinha problemas psicológicos, quando este saiu de madrugada nu pelas ruas cobertas de neve.

O vídeo recém-obtido pela família, filmado pelas câmeras colocadas nas vestes dos policiais, mostra Daniel Prude nu e desarmado.

A polícia ordenou que se jogasse no chão, ele obedeceu e foi algemado, mas depois mostrou-se agitado. Os policiais, então, colocaram-lhe um capuz feito para que os agentes evitem cuspes, ou mordidas, dos detidos. Ele foi obrigado a manter a cabeça para baixo durante dois minutos.

Prude perdeu a consciência. Os policiais tentaram reanimá-lo, mas não conseguiram e o levaram para um hospital, onde morreu uma semana depois, quando foi retirado das máquinas que o mantinham com vida.

Segundo o jornal local Democrat and Chronicle, a necropsia determinou que sua morte foi um homicídio causado por "complicações de asfixia devido a uma dominação física". Também detectou um baixo nível da droga alucinógena PCP no sangue de Prude, o que foi descrito como uma complicação.

"Chamei (a polícia) para que ajudassem meu irmão, não para que o linchassem", disse Joe Prude em coletiva de imprensa na quarta-feira.

Os policiais envolvidos não foram suspensos. Um protesto pela morte de Prude na quarta-feira em Rochester foi dispersado pela polícia com spray de pimenta e terminou com várias prisões, informou o jornal local. Outro protesto pelo caso está previsto para esta quinta-feira à noite na cidade de Nova York.

A morte em maio de George Floyd, outro homem negro, asfixiado por um policial branco em Minneapolis, desencadeou protestos gigantescos nos EUA e em outros países, convocados pelo movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) contra o racismo e contra a violência policial.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Pantanal: o pior incêndio da história
Resumo da semana: escolas seguem fechadas, incêndio no Pantanal e mais leitos de UTI pediátrica
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #Aulão: tudo sobre botânica
Rhaldney Santos entrevista a oftalmologista Larissa Ventura
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco