Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

VETOR

Milhões de africanos estão ameaçados por mosquito transmissor da malária

Por: AFP

Publicado em: 14/09/2020 21:49

 (Foto: Olympia DE MAISMONT/AFP)
Foto: Olympia DE MAISMONT/AFP
Dezenas de milhões de habitantes de cidades africanas estão ameaçados por uma espécie de mosquito transmissor da malária nativa da Ásia e particularmente adaptada ao ambiente urbano, alertou um estudo publicado nesta segunda-feira (14).

A malária é uma doença que hoje se concentra no meio rural e é causada pelo parasita Plasmodium falciparum ou Plasmodium vivax, transmitido por cerca de 40 espécies de mosquitos. Aproximadamente 400 mil pessoas morreram de malária em 2018, a maioria crianças e na África.

No continente, um dos mosquitos mais ativos é o Anopheles gambiae, apelidado de animal mais perigoso da Terra, embora ele não goste das poças de água poluída das cidades e não tenha aprendido a colocar suas larvas em reservatórios urbanos de água potável.

No estudo publicado pela revista científica norte-americana PNAS, a médica e entomologista Marianne Sinka, pesquisadora da Universidade de Oxford, mapeia a expansão de outra espécie, o Anopheles stephensi.

Nativo da Ásia, ele aprendeu a aproveitar os depósitos de água das cidades, em especial os de cimento e tijolo, nas quais ele se esgueira por pequenos buracos para depositar suas larvas. "É a única espécie que conseguiu penetrar nas áreas urbanas centrais", disse a cientista à AFP.

O Anopheles stephensi causou um primeiro surto em 2012 em Djibouti, onde a malária mal existia, e desde então foi observado na Etiópia, Sudão e outros lugares.

Sinka usou um modelo para prever os locais na África onde o ambiente era mais apropriado para a introdução desse mosquito importado: locais com alta densidade populacional, onde faz calor e, claro, com chuva suficiente.

A pesquisa concluiu que 44 cidades são "altamente adaptadas" ao inseto e que 126 milhões de africanos estão em risco, principalmente na região equatorial. "40% das pessoas que vivem em áreas urbanas podem ficar de repente vulneráveis e contrair malária, seria muito grave", avisa a pesquisadora.

Ao contrário dos mosquitos africanos, que preferem picar humanos à noite, quando a temperatura cai, o stephensi prefere picar à tarde, então os mosquiteiros na cama seriam menos eficazes. Para se proteger, o melhor seria instalar mosquiteiros nas janelas, borrifar as paredes com inseticida e cobrir o corpo. 

Mas o fundamental mesmo é combater as larvas, portanto, eliminar a água parada, bem como fechar hermeticamente qualquer reservatório de água. Foi o que funcionou na Índia, lembra Sinka.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Verão inspira cuidados com a saúde e alimentação
Resumo da semana: enfim, a vacina, posse de Biden e cerco contra os fura-filas
Rede de voluntários faz diferença em Manaus
Enem para todos com o professor Fernandinho Beltrão - Algas e fungos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco