Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

PANDEMIA

Hong Kong inicia campanha de detecção da Covid-19 afetada por desconfiança na China

Por: AFP

Publicado em: 01/09/2020 08:52

 (Foto: Anthony Kwan/AFP)
Foto: Anthony Kwan/AFP
Hong Kong iniciou nesta terça-feira (1) uma campanha de detecção do novo coronavírus gratuita e voluntária, mas o sucesso do projeto pode ser afetado pela desconfiança provocada pela participação de médicos e empresas da China continental.

Desde a abertura das inscrições no sábado, mais de 510.000 pessoas se registraram, o que representa quase 7% dos 7,5 milhões de habitantes de Hong Kong. Mais da metade dos 141 pontos de exame espalhados por toda cidade, sobretudo nas escolas e arenas esportivas, estava com agenda lotada nesta terça-feira, primeiro dia de atividade.

Quase 10.000 pessoas, incluindo ministros do governo, foram submetidas ao teste durante a manhã, anunciou a chefe do Executivo local, Carrie Lam. "Ajudará Hong Kong a sair ilesa da pandemia e é propício para a retomada das atividades diárias", afirmou Lam à imprensa.

As autoridades de saúde esperam detectar os pacientes assintomáticos com o objetivo de terminar com uma terceira onda da epidemia, que obrigou a cidade a impor drásticas restrições há algumas semanas.

Especialistas da área de saúde que aconselham o governo advertiram que cinco milhões de pessoas precisam fazer o teste para que a cidade tenha condições de controlar as transmissões comunitárias ocultas e frear a terceira onda de contágios.

Hong Kong registra 4.800 casos desde que o vírus chegou à ex-colônia britânica no fim de janeiro, mas 75% das infecções foram detectadas desde julho. "Estou fazendo por mim e pelos outros", declarou à AFP Winnie Chan ao entrar em um centro de testes. "Confio e dou apoio à política do governo", completou.

Outras pessoas afirmaram, porém, que não pretendem participar do programa. "Acho que é uma perda de tempo. O governo não pode me convencer da efetividade do programa de testes", disse Emily Li à AFP.

Empresas chinesas envolvidas
O principal problema é a desconfiança do governo local e de Pequim pelo temor de uso dos dados compilados. A participação de três empresas e de médicos da China continental provocaram as dúvidas. O Executivo local afirma que os exames seguem parâmetros internacionais e que as preocupações com coleta de DNA são "absolutamente infundadas".

"As mostras não serão levadas para a China continental para análise", insistiu o governo, que ameaçou processar quem divulgar boatos.

A sociedade de Hong Kong está profundamente dividida entre grupos favoráveis e contra Pequim. A ex-colônia britânica sofreu em 2019 sua crise política mais grave desde a devolução em 1997, com manifestações quase diárias contra a interferência de Pequim.

O magnata dos meios de comunicação Jimmy Lai, que foi detido recentemente com base na polêmica lei de segurança nacional, afirmou no Twitter que não comparecer ao teste é um ato de "resistência passiva". A cidade, densamente habitada, adotou medidas para lutar contra o coronavírus, como o distanciamento social.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Ministério da Saúde autoriza volta parcial da torcida na Série A
Resumo da semana: acidente em Boa Viagem, aulas liberadas e reinauguração do Geraldão
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #101 Actina e Miosina
Rhaldney Santos entrevista advogada Rafaella Simonetti do Valle
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco