Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

PANDEMIA

Covid-19: Pequenos anticorpos produzidos por animais podem frear o vírus

Por: FolhaPress

Publicado em: 04/09/2020 11:33

 (FOTO: JEAN-FRANCOIS MONIER / AFP)
FOTO: JEAN-FRANCOIS MONIER / AFP
Nanocorpos são anticorpos produzidos por camelídeos, família de animais que incluem camelos, lhamas e alpacas. A diferença entre essas proteínas de defesa e aquelas fabricadas por outros seres vivos, como os humanos, é que elas são muito menores e têm uma estrutura simplificada. Por isso, têm atraído a atenção de pesquisadores que buscam uma forma de neutralizar o Sars-CoV-2, causador da Covid-19. A descoberta mais recente nesse sentido foi publicada na revista Nature Communications e, segundo os autores, poderá se transformar em um antiviral potente para combater a doença.

Em fevereiro, logo que a Covid-19 foi declarada uma pandemia, cientistas do Instituto Karolinska, na Suécia, começaram a fabricar nanocorpos específicos para a proteína spike — aquela que permite o vírus se ligar à célula do hospedeiro e entrar em seu núcleo, onde começa a se replicar. Para isso, os pesquisadores inocularam a spike, isolada do vírus, em uma alpaca. Sem adoecer, o animal desenvolveu nanocorpos direcionados à proteína. Segundo o artigo, amostras de sangue comprovaram uma “forte resposta imunológica” depois de 60 dias.

“No fim de abril, planejamos colher amostras de sangue da alpaca para verificar se suas células B (um tipo de glóbulo branco) desenvolveram anticorpos contra a proteína spike”, conta Gerald M. McInerney, virologista e principal autor do estudo. “Nossa expectativa era de que esses anticorpos neutralizantes bloqueassem a proteína spike, impedindo, assim, o coronavírus de entrar em nossas células e se replicar ainda mais.”

Para isso, os cientistas clonaram, enriqueceram e analisaram sequências dessas células B. Então, detectaram que um nanocorpo específico, o Ty1 (o nome homenageia a alpaca, que se chama Tyson), mostrou-se o mais eficiente para evitar que a spike se ligue ao receptor ACE2 da célula humana. Assim, o vírus é incapaz de se reproduzir, o que inviabiliza a infecção.

De acordo com Leo Hank, pesquisador de pós-doutorado e primeiro autor do artigo, os nanocorpos oferecem diversas vantagens sobre os anticorpos de humanos. “Eles têm um décimo do tamanho dos anticorpos convencionais e são, normalmente, mais fáceis de produzir em escala industrial”, afirma. O cientista explica que essas proteínas podem ser adaptadas para os seres humanos.

Imunização passiva
O próximo passo da equipe é iniciar os estudos pré-clínicos, realizados em animais. De acordo com Gerald M. McInerney, a ideia é oferecer uma imunização passiva, antes que se tenha uma vacina eficaz e globalmente acessível. Nesse caso, os nanocorpos seriam aplicados em pessoas doentes, para que pudessem combater o vírus já circulante. O pesquisador se diz otimista com os resultados. “Agora, sabemos muito sobre o coronavírus em geral e vimos que estratégias semelhantes levaram a uma resposta de anticorpos contra outros coronavírus, como Sars e Mers”, diz.

McInerney lembra que há diversas equipes de cientistas investigando nanocorpos bloqueadores. “Somos muitos pesquisadores trabalhando nisso no mundo todo. Então, alguém, certamente, terá sucesso. Se alguém chegar antes de nós, ajustaremos nossa estratégia e nos concentraremos no desenvolvimento de anticorpos ainda melhores ou que funcionem em diferentes cepas do vírus. Como se trata de um vírus que sofre mutação com bastante facilidade, podemos acabar precisando de vários tipos diferentes de anticorpos para que estejamos melhor preparados caso novas variantes do coronavírus apareçam.”

Coquetéis
Uma das equipes que pesquisa nanocorpos publicou, há um mês, um estudo na revista Nature Structural & Molecular Biology em que relata sucesso na fabricação dessas proteínas em lhamas. Em testes de laboratório, o nanocorpo conseguiu neutralizar o Sars-CoV-2. Segundo o estudo, imagens de raios-X e elétrons demonstraram que essas substâncias se associaram à proteína spike de uma maneira diferente de outros anticorpos já descobertos.

“Esses nanocorpos têm o potencial de serem usados de maneira semelhante ao soro convalescente, interrompendo, de maneira eficaz, a progressão do vírus em pacientes que estão doentes”, afirma, em nota, James Naismith, professor da Universidade de Oxford e um dos pesquisadores envolvidos. “Fomos capazes de combinar um dos nanocorpos com um anticorpo humano e de mostrar que a combinação era ainda mais poderosa do que qualquer um dos dois. As combinações são particularmente úteis, pois o vírus precisa mudar várias coisas ao mesmo tempo para escapar; e isso é muito difícil de se fazer.”

Atualmente, a equipe testa anticorpos de Fifi, uma das lhamas da Universidade de Reading, que foi imunizada com proteínas do vírus purificado, de forma que o animal não adoece. Os pesquisadores estudam os resultados preliminares que, por enquanto, mostraram que o sistema imunológico de Fifi produziu outros tipos de nanocorpos, o que possibilitaria a fabricação de coquetéis antiCovid-19.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Ministério da Saúde autoriza volta parcial da torcida na Série A
Resumo da semana: acidente em Boa Viagem, aulas liberadas e reinauguração do Geraldão
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #101 Actina e Miosina
Rhaldney Santos entrevista advogada Rafaella Simonetti do Valle
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco