Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

CONFLITO

Belarus anuncia detenção de mais um líder da oposição

Por: AFP

Publicado em: 09/09/2020 07:31

 (Foto: Sergei GAPON / AFP)
Foto: Sergei GAPON / AFP
O advogado Maxim Znak, um dos últimos líderes do conselho de coordenação da oposição que permanecia em liberdade em Belarus, foi detido nesta quarta-feira por "homens de máscara", exatamente um mês após o início dos protestos contra o presidente Alexander Lukashenko.

"Maxim Znak veio ao escritório para participar em uma videoconferência, mas acabou não participando. Só conseguiu enviar uma palavra, 'máscaras'", afirmou o serviço de imprensa do grupo de oposição em uma mensagem no aplicativo Telegram.

O conselho de coordenação também divulgou uma foto que mostra Znak conduzido por homens de máscara com trajes civis.

O advogado de 39 anos é um dos sete membros da direção do conselho de coordenação, um organismo formado para obter a saída de Lukashenko e organizar a transição de poder.

Após a detenção de Znak, a Prêmio Nobel de Literatura Svetlana Alexievich é a única dirigente do grupo ainda em liberdade em Belarus. Os outros estão detidos ou no exílio.

A detenção de Znak acontece exatamente um mês após a eleição presidencial que desencadeou uma onda de manifestações sem precedentes contra a reeleição de Lukashenko, que tem 66 anos e está no poder desde 1994, acusado de fraude.

"Lukashenko tem medo"
A principal figura da oposição de Belarus, Svetlana Tikhanovskaya, que enfrentou Lukashenko nas eleições de 9 de agosto, denunciou o que chamou de "sequestro" de Znak e pediu sua "libertação imediata".

"Lukashenko tem medo das negociações e tenta (com detenções e o envio de opositores ao exílio) paralisar o trabalho do conselho de coordenação", disse Tikhanovskaya, que, após ameaças, partiu para o exílio na Lituânia.

"Não há alternativa às negociações e Lukashenko tem que aceitá-las", completou em um comunicado.

Apesar da repressão das manifestações e das pressões contra os opositores de maior destaque, as ruas permanecem mobilizadas. A cada domingo, no último mês, mais de 100.000 pessoas se reuniram em Minsk.

A polícia e o serviço secreto (KGB) não confirmaram a detenção de Znak, mas o roteiro corresponde ao que ocorreu com outros opositores, que foram detidos por homens não identificados e dois dias depois apareceram como exilados ou presos.

O governo de Belarus anunciou na terça-feira a detenção de Maria Kolesnikova, uma das líderes dos protestos, quando ela supostamente tentava fugir para a Ucrânia.

Mas a oposição afirmou que a operação foi uma tentativa frustrada de exílio forçado de Kolesnikova e explicou que ela rasgou o passaporte para impedir a medida. Ela escapou de um carro que a transportava, ao lado de outros dois opositores - que entraram na Ucrânia.

"A próxima será a Rússia"
Svetlana Tikhanovskaya pediu aos russos que apoiem a "luta pela liberdade" dos bielorrussos e que não acreditem na "propaganda" que aponta os opositores como anti-Rússia.

"Em nenhuma etapa foi uma luta contra a Rússia e estou convencida de que não será", completou a opositora em um vídeo publicado no Telegram.

Em uma entrevista à imprensa russa na terça-feira, Lukashenko afirmou que "se Belarus cair, a próxima será a Rússia".

Depois de acusar a Rússia durante a campanha eleitoral de querer afastá-lo do poder por sua recusa a aceitar as ambições de Moscou, Lukashenko deu um giro de 180 graus e passou a pedir o apoio russo ante os protestos. Agora denuncia um complô ocidental contra seu país.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Rhaldney Santos entrevista o candidato à prefeitura do Recife Coronel Feitosa (PSC)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #162 Anelídeos: segmentação corporal e parapódios
De 1 a 5: Dicas para a sua bicicleta ser seu transporte diário
Ministério da Saúde autoriza volta parcial da torcida na Série A
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco