Diario de Pernambuco
Busca

Arranjos produtivos

Programa prevê R$ 15 milhões para interiorizar desenvolvimento

PE Produz foi lançado, nesta sexta (2), pelo governo de Pernambuco

Publicado em: 20/10/2023 18:31 | Atualizado em: 20/10/2023 19:46

 Raquel Lyra lançou programa PE Produz (Foto:Governo do estado )
Raquel Lyra lançou programa PE Produz (Foto:Governo do estado )
O governo de Pernambuco anunciou, nesta sexta (20), o investimento de R$ 15 milhões para o Programa de Fortalecimento de Arranjos Produtivos no Estado, o PE Produz.

Segundo o estado, a idéia é interiorizar o desenvolvimento por meio de ações como o fomento a arranjos produtivos.

Esses recursos serão aplicados em uma primeira convocação pública de entidades e associações de direito privado e sem fins lucrativos.

Esse público-alvo terá direito a valores que variam entre R$ 180 mil e R$ 800 mil.

As entidades e associações poderão submeter seus projetos através de edital. 
 
Na solenidade, no Palácio do Campo das Princesas, no Centro do Recife, a governadora Raquel Lyra (PSDB) informou que ele ficará 30 dias aberto para inscrição.

 “Pernambuco é um estado cheio de força na sua economia em cada região e o edital do PE Produz lançado hoje dialoga com todas as áreas de produção. O programa, em parceria com o Sebrae, garante R$ 15 milhões para que os projetos possam ser fortalecidos, desde a capacitação e qualificação, até a compra de equipamentos e insumos para fazer com que a produção seja mais eficiente e possa alcançar mais mercados. Vamos poder depositar o dinheiro nos arranjos para que eles possam fazer esse trabalho”, ressaltou a governadora Raquel Lyra.

 Como vai ser

Mais de 50 projetos poderão ser selecionados pelo programa, com alcance de mais de 20 setores econômicos.

O PE Produz deve beneficiar 1.500 famílias, podendo aumentar em até três salários na renda delas.

Alguns dos arranjos produtivos locais a serem abrangidos são o polo de confecção, a bacia leiteira, a apicultura, a piscicultura, a fruticultura, entre outros presentes em Pernambuco.

Os produtores poderão utilizar o investimento para aquisição de equipamentos, implementos agrícolas e veículos para transporte de mercadoria; cursos ou palestras de capacitação; consultorias ou oficinas (melhoramento genético de animais e sementes, tratamento hidrotérmico de manga); componentes e/ou peças de reposição de equipamentos existentes; obras ou reformas, além do desenvolvimento de soluções de base tecnológica.
 
O presidente da Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (Adepe), André Teixeira, detalhou como se dará o programa.
 
“Iremos percorrer todas as regiões do Estado apresentando esse projeto para as cooperativas, explicando e fazendo reuniões a fim de contemplar cada associação. Após a inscrição, em um período de 30 dias será feita uma análise e daremos início a um plano de trabalho e financiaremos os projetos gerando mais emprego e renda e aumentando o valor agregado”, comentou André, ao explicar que o aporte recebido pelos produtores através do programa não é devolvido.

 O programa vai operar em cinco etapas a partir do edital publicado nesta sexta-feira no site da Adepe (www.adepe.pe.gov.br).

As etapas serão: submissão de projetos de desenvolvimento por parte de associações e cooperativas; seleção deles através de regras transparentes; repasse do investimento aos projetos aprovados; execução do plano de trabalho das cooperativas; e, por último, a prestação de contas.

Os critérios de pontuação dos projetos submetidos serão a partir de eixos como empoderamento econômico feminino, inovações e tecnologias, vocações econômicas e vulnerabilidades.
 
"Essa é uma importante iniciativa do Governo de Pernambuco que visa atingir os territórios empreendedores, os polos e associações de pequenos negócios. É um projeto amplo que atinge inovação, área agrícola e tem uma abrangência muito grande também nos territórios. E o Sebrae irá ofertar educação empreendedora, capacitação e formação de equipes com um trabalho em conjunto", disse Murilo Guerra, superintendente do Sebrae, parceiro do programa.

A proposta do PE Produz é interiorizar o desenvolvimento por meio do fomento a arranjos produtivos, do impulsionamento dos principais segmentos econômicos das regiões pernambucanas, do fortalecimento do coletivismo, da mitigação de gargalos e da inovação dos processos produtivos.

Segundo definição do Ministério da Economia, Arranjos Produtivos Locais (APL’s) são “associações de empresas ou produtores, localizadas em um mesmo território, que apresentam especialização produtiva e mantêm vínculos de articulação, interação, cooperação e aprendizagem entre si e com outros atores locais, tais como: governo, associações empresariais, instituições de crédito, ensino, qualificação e pesquisa”. Esses são os que podem submeter seus projetos no programa.

COMENTÁRIOS

Os comentários a seguir não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL