Diario de Pernambuco
Busca

LOTERIAS

Deputada quer explicações de Haddad sobre loteria 'impossível de ganhar'

A Mais Milionária está acumulada desde o seu primeiro sorteio, realizado em 28 de maio de 2022, e só dá uma chance em 238.360.500

Publicado em: 19/10/2023 20:26

Aposta da Mais Milionária (de 6 números e 2 trevos) custa R$ 6 (foto: Marcos Vieira/EM/D.A press)
Aposta da Mais Milionária (de 6 números e 2 trevos) custa R$ 6 (foto: Marcos Vieira/EM/D.A press)

O imbróglio envolvendo a loteria Mais Milionária, organizada pela Caixa Econômica Federal, continua. A deputada federal Júlia Zanatta (PL-SC) enviou um requerimento ao Ministério da Fazenda, chefiado por Fernando Haddad (PT), pedindo explicações sobre a modalidade de apostas.

 

Conforme o Estado de Minas publicou neste mês, a Mais Milionária está acumulada desde o seu primeiro sorteio, realizado em 28 de maio de 2022, e só dá uma chance em 238.360.500 (duzentas e trinta e oito milhões, trezentas e sessenta mil e quinhentas) ao apostador que faz um jogo simples, que custa R$ 6. 

 

 

No documento, a deputada federal faz seis perguntas a Fernando Haddad. São elas:

 

1. Por que desde o primeiro sorteio, realizado em 28 de maio de 2022, não houve ganhador nessa modalidade de aposta no prêmio principal?

 

2. Existe a possibilidade de essa modalidade ser ineficaz, por ser uma combinação de números e “trevos”, com possibilidade de ganho na proporção de 1 chance em 238.360.500?

 

3. Diante dos sistemáticos sorteios acumulados e da dificuldade colocada aos apostadores, existe a possibilidade de mudança de regras da Milionária?

 

4. A alteração do valor do bilhete ou aumento do número de concursos semanais poderia ser um meio de elevar a possibilidade de ganhador nessa modalidade?

 

5. A título de comparação, quais foram os valores arrecadados pela Caixa, nas dez últimas apostas da Milionária e da Mega Sena?

 

6. A previsão é que a propriedade intelectual no Brasil aumente, após toda a tramitação do PDL das apostas esportivas já aprovado na Câmara e que tramita no Senado. Logo, o desenvolvimento de tecnologia nacional poderá ampliar e facilitar essas e outros tipos de apostas?

 

No início do mês, a reportagem do EM já havia perguntado reiteradas vezes à Caixa, se, diante dos sistemáticos sorteios acumulados e da dificuldade colocada aos apostadores, exista a possibilidade de mudança de regras da Milionária, alteração do valor do bilhete ou aumento do número de concursos semanais, mas não obteve qualquer resposta.

 

 

 

Como apostar

 

O volante da Milionária tem duas matrizes, a Matriz de Números (que vai de 1 a 50) e a Matriz de Trevos Numerados (de 1 a 6). A aposta simples custa R$ 6, sendo a mais cara entre todas as loterias.

 

Em maio do ano passado, quando foi sorteada pela primeira vez, a modalidade tinha prêmio estimado em R$ 10 milhões. Atualmente, ela está no concurso 87, acumulada em R$ 87 milhões.

 

Durante todo esse período, apenas quatro vezes os prêmios secundários pagos pela Milionária superaram a casa dos R$ 300 mil (o maior valor foi de R$ 392 mil, o segundo foi de R$ 360 mil, o terceiro chegou a R$ 327 mil, e o quarto alcançou os R$ 306 mil). 

 

Para efeito de comparação, de maneira arredondada, a probabilidade de alguém acertar as seis dezenas da Mega-Sena fazendo apenas a aposta mínima é de uma em 50 milhões, enquanto na Quina é de uma em 24 milhões.

 

De acordo com balanço divulgado pela Caixa em janeiro deste ano, o recolhimento proveniente dos jogos chegou a R$ 23,2 bilhões em 2022, um aumento de 25,7% em relação a 2021.

 

A Mega-Sena foi responsável por 47% do valor total (10,9 bilhões), seguida por Lotofácil (R$ 6,6 bilhões) e Quina (3 bilhões). Somente no ano passado, foram pagos R$ 8 bilhões em prêmios.

 

A distribuição de recursos que chegam à Caixa por meio das apostas, os chamados “Repasses Sociais”, atingiu a marca de R$ 10,9 bilhões em 2022. Desse montante, foram encaminhados, por exemplo, R$ 3,9 milhões para a Seguridade Social e R$ 2,1 milhões para o Fundo Nacional de Segurança Pública.

 

De acordo com o professor Gilcione Nonato Costa, do Departamento de Matemática da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), é mais provável uma pessoa ser escolhida aleatoriamente entre toda a população brasileira (que é de 203 milhões de habitantes, de acordo com o último Censo Demográfico) do que ganhar na Milionária.

 

Por fim, a deputada Júlia Zanatta (PL-SC) pede o “fornecimento de informações complementares que o senhor Ministro da Fazenda entenda como relevantes para demais esclarecimento quando a modalidade supracitada”. 

 

O Estado de Minas entrou em contato com o Ministério da Fazenda e aguarda posicionamento sobre o caso. O próximo sorteio da Milionária está marcado para sábado (21/10).

 

 

Confira as informações no Estado de Minas

 

COMENTÁRIOS

Os comentários a seguir não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL