Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

FATURAMENTO

Samarco comemora retomada com venda de 10 milhões de toneladas de minério

Publicado em: 29/04/2022 17:00

Empresa faturou R$ 9 bilhões em 2021 e busca uma retomada gradual com foco em segurança (Jeferson Roccio/ Samarco/Divulgação)
Empresa faturou R$ 9 bilhões em 2021 e busca uma retomada gradual com foco em segurança (Jeferson Roccio/ Samarco/Divulgação)
A mineradora Samarco alcançou a produção acumulada de 10 milhões de toneladas de pelotas e finos de minério em abril, quando completou um ano e quatro meses da retomada gradual de suas operações nos complexos de Germano, em Minas Gerais, e Ubu, no Espírito Santo. 

A empresa, que opera com 26% de sua capacidade total, encerrou 2021 com R$ 9 bilhões de faturamento e gerou mais R$ 1,1 bilhão em tributos nos estados onde atua, incluindo o montante gasto por fornecedores em compras para a companhia. 

Para 2022, a empresa prevê investimentos de aproximadamente R$ 1,2 bilhão. Além da sustentação da retomada gradual das operações e da infraestrutura geotécnica, o valor será destinado aos projetos de descaracterização da barragem e cava de Germano, em andamento.

Retomada gradual 
Após o rompimento da barragem de Fundão, em 2015, a Samarco teve as licenças suspensas pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) e as operações embargadas. No final de 2017, conseguiu recuperar a licença para voltar a produzir. Segundo Rodrigo Vilela, presidente da empresa, a retomada está sendo feita de forma gradual, responsável e cautelosa.   

“Estamos retomando com muita responsabilidade, uma retomada desenhada com muita cautela. Conhecemos qual a nossa responsabilidade, seja ela empresarial, social ou do setor. Além da retomada, precisamos garantir que a gente avance na descaracterização da  cava e da barragem de Germano e é fundamental garantir a segurança de todas essas instalações.” 

A empresa opera, desde dezembro de 2020, com 26% da sua capacidade total, utilizando um concentrador no Complexo de Germano, uma usina de pelotização em Ubu e a operação de um dos minerodutos. Além disso, vai investir, em 2022, R$ 80 milhões na manutenção das estruturas que estão paradas.

A expectativa é que cerca de 8 milhões de toneladas de pelotas e finos de minério sejam produzidas até dezembro de 2022. Da retomada operacional até o momento, foram embarcados 100 navios, tendo como principais destinos os mercados das Américas, Europa, Oriente Médio, Norte da África e Ásia. Ela também atende ao mercado interno.

A empresa deve atingir 32% da capacidade produtiva no ano que vem, 60% em 2026 e 100% em 2029, quando poderá produzir 30 milhões de toneladas de pelotas por ano. O ano de 2029 também é o prazo final para descaracterização da barragem e cava de Germano.

Produção e exportação 
A empresa possui duas categorias de produtos destinados à siderurgia: pelotas para alto forno e de redução direta. A extração e o beneficiamento do minério são feitos no Complexo de Germano, em Mariana. O mineroduto leva o produto para o Complexo de Ubu, em Anchieta, no Espírito Santo, onde ele passa pela usina de pelotização e embarca no terminal portuário. Atualmente, a empresa conta com 1.500 empregados diretos, totalizando 9.000 empregos diretos e indiretos.

Monitoramento e segurança
O diretor de Planejamento e Operações da Samarco, Sérgio Mileipe, afirma que a empresa tem uma “obsessão” em fazer mineração segura. Por isso, optaram por mudar a maneira de descartar os rejeitos. Os rejeitos de minério são formados de lama (polpa) que representa 20% e areia que corresponde a 80%.

A lama agora é depositada em uma cava, com capacidade de 10 milhões de metros cúbicos e não mais nas barragens de contenção, como a que rompeu em Mariana, em 2015. 

“A estrutura é a mais estável possível do ponto de vista geotécnico. Não tem nenhum tipo de dique ou barreira de contenção a não ser o terreno natural, que é basicamente formado por rocha. Não tem para onde a lama escapar. Essa é a alternativa que estamos usando hoje: dispor toda lama produzida em uma cava totalmente confinada, em um terreno rochoso”, afirma Mileipe.

Ele explica que a cava ainda tem recurso mineral para ser explorado, mas que a empresa decidiu utilizar o espaço mesmo assim, para garantir a segurança. “Foi a única alternativa viável, do ponto de vista de segurança para poder voltar (a produzir) com uma mineração sem barragem.”

A expectativa, no futuro, é que esse rejeito seja retirado e levado para outras estruturas que ainda dependem de licenciamento. 

Já o rejeito sólido (areia) vai para as pilhas de disposição de resíduos. Mas antes, ele passa por um processo de filtragem. “A pilha tem um limite de crescimento e alguns parâmetros como tempo para que a água seja drenada e compactação da camada de areia. É preciso obedecer um limite técnico máximo e áreas muito grandes para espalhar o material.”

Segundo Mileipe, a expectativa é que, no futuro, a lama também possa passar pelo processo de empilhamento. “Desde que a gente consiga garantir segurança na estabilidade geotécnica da estrutura.” 

O novo sistema de filtragem, na unidade de Germano, faz parte dos projetos de retomada da mineradora, com investimento de US$ 380 milhões. Ele filtra 20 mil toneladas de resíduos por dia. 

A operação de 100% da capacidade total da empresa também esbarra nas soluções e licenciamentos para que os rejeitos sejam depositados em locais seguros. “A nossa limitação hoje, no plano de negócios, é a estrutura para disposição de resíduos. Não é uma questão meramente técnica, tem a questão do licenciamento ambiental.” 

Outro gargalo é a descaracterização da barragem de Germano. “Depois que ela for descaracterizada é que poderemos avançar em uma nova área de exposição de rejeitos. Trabalhamos para achar soluções para esses rejeitos.”

A empresa também tem um Centro de Monitoramento Integrado (CMI) que funciona 24 horas por dia, sete dias por semana. O centro possui mais 1.500 instrumentos como câmeras, peneiras, drones, piezômetros, sirenes, radares, estações meteorológicas e acelerômetros para monitoramento, em tempo real, das estruturas na unidade de Germano. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevista com Raquel Lyra (PSDB)
Casamento de Lula e Janja: celulares barrados na entrada
Soldado russo se declara culpado por crime de guerra na Ucrânia
Manhã na Clube: entrevista com Maria Zilá Passo, advogada especialista em direito da saúde
Grupo Diario de Pernambuco