Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

MORADIA

Por maior qualidade de vida, população busca moradia fora das capitais

Publicado em: 27/02/2022 16:12

Alto preço dos imóveis nas grandes cidades e busca por melhor qualidade de vida aumentam procura por residências fora dos maiores centros urbanos (Marden Couto/CB/D.A Press)
Alto preço dos imóveis nas grandes cidades e busca por melhor qualidade de vida aumentam procura por residências fora dos maiores centros urbanos (Marden Couto/CB/D.A Press)
A procura por imóveis fora das capitais cresceu 161% em 2021, com destaque para aqueles de até 50m², que tiveram aumento de 204% no volume de novos financiamentos. É o que mostra um levantamento feito pelo Itaú Unibanco. O crescimento ficou acima da média nas regiões Norte (com 437% de alta), Centro-Oeste (300%) e Nordeste (280%).

A maior procura por espaços menores, no entanto, não significa que outras metragens tiveram desempenho ruim. Exemplo disso é o aumento de 162% no número de financiamentos para moradias com áreas entre 50m² e 100m². Os imóveis de alto padrão também tiveram crescimento relevante: o número de financiamentos de unidades com valor acima de R$ 1 milhão foi 140% superior ao de 2020.

Segundo o diretor do Itaú Unibanco, Thales Ferreira Silva, a valorização do metro quadrado é um dos motivos da nova tendência, mas razões ligadas à pandemia também influíram. "Além da questão do preço, identificamos entre os clientes a busca de ambientes multifuncionais, em meio a um modelo de trabalho cada vez mais remoto ou híbrido", avalia.

"Boa parcela da população passou a ficar mais tempo nos ambientes residenciais e, então, deu mais valor a esses espaços. Residências em cidades fora de grandes centros urbanos, que proporcionam mais qualidade de vida, se destacaram também", completa.

O vice-presidente do Sindicato das Empresas de Compra, Venda e Administração de Imóveis do Distrito Federal (Secovi-DF) e CEO da Elo Imóveis, Hiram David, confirma a tendência: "Houve aumento expressivo de procura por casas de campo, em condomínio, chácaras e notória migração para cidades menores próximas aos centros urbanos. Também nas grandes cidades houve demanda por upgrade".

Robinson Silva, sócio do GRI Club, afirma que "o perfil de imóveis mais compactos é uma tendência que a gente vê no Brasil inteiro, e por diversos fatores". "O principal é a renda do brasileiro, que não cresceu nos últimos dois anos; então, as famílias ficam mais confortáveis ao pagar um financiamento de menor valor", ressalta.

Migração
Segundo Fábio Tadeu Araújo, sócio-diretor da Brain Inteligência Estratégica, o movimento de migração das capitais para municípios menores vem acontecendo há alguns anos, e se reforçou em 2020 e 2021, devido ao aumento intenso do preço dos imóveis nas grandes cidades. "Como mais de 70% do mercado imobiliário brasileiro é formado por residências de R$ 350 mil a R$ 400 mil — e o Casa Verde Amarela compõe cerca de 50% do mercado sozinho —, as grandes capitais já quase não têm mais oferta desses imóveis e esse mercado está indo para as cidades vizinhas", detalha.

"O aumento na procura e na venda é reflexo da alta dos custos de construção e de terrenos, que resulta na elevação dos preços de venda dos imóveis", concorda Bruno Sindona, CEO da Sindona, desenvolvedora de empreendimentos populares. "Neste momento de alta de aluguel, as pessoas mudam e buscam moradia onde conseguem pagar. As classes C e D estão sendo expulsas dos grandes centros", ressalta. "A renda não acompanhou os aumentos de preço dos imóveis nem dos custos de construção. Os imóveis têm se valorizado cerca de 6% ao ano, mas os custos de construção têm subido ainda mais, perto de 20%", explica.

Pandemia
Robinson Silva, do GRI Club, acredita que as mudanças foram bastante influenciadas pela pandemia da covid-19. "A maioria das empresas levou o trabalho de home office muito a sério, e muitas pessoas acabaram saindo das zonas centrais das cidades e procurando regiões um pouco mais afastadas, pela qualidade de vida um pouco melhor", detalha.

Para ele, no entanto, o deslocamento de pessoas para locais mais afastados não deve continuar no mesmo ritmo. "Essa ação aconteceu, teve um momento, mas deve se equilibrar à medida que as empresas comecem a voltar ao trabalho presencial. Então, a distância pode impactar algumas pessoas que fizeram a opção de morar um pouco mais afastadas", diz.

A opinião do CEO da Elo Imóveis difere. "Essa mudança é definitiva. Os recursos tecnológicos estão viabilizando essa nova forma de viver. Basta perceber o crescimento das empresas on-line, dos serviços virtuais e a perda de valor das empresas de varejo. A população está mais voltada para melhor qualidade de vida, e a casa é o atual maior objeto de desejo", pontua Hiram David.

"O conforto de maior convívio em família, economia de tempo de deslocamento, uma vida mais tranquila e a possibilidade de residir em local distante da sede da empresa resultou na procura por imóveis mais confortáveis, maiores, possivelmente com um quarto a mais ou escritório, em locais mais aprazíveis que os centros urbanos. A migração foi uma consequência inteligente", finaliza.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Brasil começa preparação para amistosos
Bombeiros encontram corpos de casal soterrado em Olinda
Manhã na Clube: entrevistas com Mendonça Filho e dr. Roberto Galvão Filho, oftalmologista
Ataque a tiros em escola nos EUA deixa 21 mortos
Grupo Diario de Pernambuco