Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

TAXAS

Banco Central admite que a inflação continuará 'persistente e elevada'

Publicado em: 04/01/2022 07:11

 (Foto: Raphael Ribeiro/BCB)
Foto: Raphael Ribeiro/BCB
Ao revisar de 2,1% para 1% a taxa de crescimento do PIB em 2022 no último Relatório Trimestral de Inflação (RTI), o Banco Central (BC) admitiu que a inflação continuará "persistente e elevada", reduziu de 2,2% para 1,1% a previsão de crescimento do consumo das famílias e revisou de 0,5% para 3% a estimativa de queda nos investimentos.

Durante a apresentação do relatório, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, adotou um discurso mais duro contra a inflação, admitindo até uma recessão na tarefa de cumprir a meta "prioritária" que é preservar o valor do real. "Os exemplos brasileiros mostram que você tem que colocar o país em recessão para recuperar a credibilidade", disse ele, durante a apresentação do RTI, reconhecendo a necessidade de o BC continuar elevando os juros para conter as expectativas do mercado. "Tudo está muito relacionado em um país como o Brasil com herança inflacionária recente. E entendemos que, para assegurar a inflação no centro da meta, é muito bom avançar nesse processo de normalização e passar a mensagem de que vamos seguir a meta. O processo vai se estender até quando as expectativas fiquem ancoradas", emendou.

Essa sinalização de Campos Neto, de acordo com analistas, pode confirmar a verdadeira independência do BC, que sempre evitou elevar muito os juros em anos eleitorais para não atrapalhar a reeleição dos governos. Em fevereiro deste ano, por meio da sanção da Lei Complementar 179/2021, foi instaurada a autonomia do BC. Com isso, o presidente e os diretores da instituição passaram a ter mandatos fixos, que não coincidem com o do presidente. Bem ou mal, as estimativas recentes para a inflação de 2023 começaram a cair, mas as de 2022 foram mantidas em um sinal de que, mesmo com os juros em 11,50% no fim do ano, a meta não será cumprida pela segunda vez consecutiva pelo atual governo.

"O BC vem mantendo o discurso de que a prioridade é a inflação, mas a aprovação da autonomia pelo Congresso foi condicionada à preocupação com o duplo mandato — ou seja, com a atividade econômica, como fazem os bancos centrais dos países desenvolvidos. É provável que, durante 2022, a autoridade monetária seja pressionada pelos parlamentares e pelo governo a cumprir o combinado", afirma Agostini, da Austin.

Ele reconhece que a aprovação da PEC dos Precatórios e do Orçamento de 2022, prevendo até reajuste de policiais, é prova de que a preocupação com o fiscal, que ajudaria o BC no controle da inflação, passou longe do Congresso e do Palácio do Planalto. "A moeda de troca para a aprovação da autonomia foi esse duplo mandato. E o BC vai ter o desafio de equilibrar os dois pratos. Sabemos que os congressistas e o governo não estão preocupados com a inflação e com o equilíbrio fiscal. Eles estão focados em manter os mandatos e, para isso, precisam ampliar os gastos para aumentar a popularidade", lamenta Agostini.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevista com Carlos Veras (PT), deputado federal
China executa maiores exercícios militares em décadas
Papa recebeu como tapas os depoimentos de abusos no Canadá
Defesa de Brittney Griner alega falhas em provas apresentadas pela Rússia
Grupo Diario de Pernambuco