Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

SERVIDORES X GOVERNO

Após reunião 'frustrante' com Guedes, servidores da Receita mantêm mobilização

Publicado em: 13/01/2022 22:44 | Atualizado em: 13/01/2022 22:50

 (Foto:  Edu Andrade/Ascom/ME)
Foto: Edu Andrade/Ascom/ME
Após semanas de paralisação reivindicando reajuste salarial e regulamentação do bônus de eficiência, servidores da Receita vão intensificar a pressão em cima do Ministério da Economia. Na noite desta quinta-feira (13), o chefe da pasta, ministro Paulo Guedes, recebeu o presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais (Sindifisco), Isac Falcão, para negociar. Mas, segundo ele, a reunião foi “frustrante”.

“A reunião infelizmente não correspondeu às expectativas dos auditores fiscais. Dada a gravidade do problema orçamentário da Receita Federal e dada a necessidade de resolução do problema do bônus de eficiência que já se arrasta há cinco anos sem regulamentação, a despeito da lei, [...] a gente esperava que fosse apresentada hoje uma solução, um decreto em vias de ser editado e uma solução para a questão orçamentária”, disse Falcão.

Não foi o que ocorreu. Na conversa, Guedes disse que entende e acha justa a reivindicação dos servidores, mas não prometeu dar um prazo para a implementação das soluções. O ministro disse, ainda, que entende que este não é o momento para tratar dessas questões.

“Estamos com a expectativa de que o movimento se acirre. Não é de se esperar que os auditores fiscais, depois de demonstrar a urgência do problema, depois de levar um ofício ao ministro especificando o tamanho do problema, a expectativa era de que o governo se posicionasse e encaminhasse uma resolução do problema”, pontuou o presidente do Sindifisco.

A categoria de auditores fiscais foi a primeira a se “rebelar” contra o governo após a aprovação do orçamento de 2022, que separou R$ 1,7 bilhões para reestruturação de carreiras com reajuste salarial para policiais. Entre as demais categorias de servidores, a impressão era de que os servidores da Receita eram o grupo mais próximo de chegar a um acordo com a Economia, já que as demais carreiras nem mesmo tiveram uma resposta por parte de Guedes para os pedidos de reunião.

A operação-padrão e entrega de cargos de chefia na Receita têm gerado prejuízos milionários à arrecadação da União e causado lentidão nas operações de importação e exportação. Mais cedo, o Sindifisco anunciou que, após assembleia nacional, os servidores decidiram não fazer nenhuma nova certificação OEA (Operador Econômico Autorizado).

As empresas OEAs respondem, atualmente, por cerca de 25% do volume de importações e exportações nacionais, segundo o sindicato. As certificações são necessárias para que as empresas usufruam dos benefícios da parceria com a Receita.

“Entretanto, no presente momento, em função do absoluto desprezo com que são tratados pelo Governo tanto os Auditores-Fiscais quanto a própria Receita Federal, não restou alternativa aos auditores a não ser interromper provisoriamente as novas certificações, até que essa situação seja revertida”, disse o Sindifisco, em nota.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevista com Carlos Veras (PT), deputado federal
China executa maiores exercícios militares em décadas
Papa recebeu como tapas os depoimentos de abusos no Canadá
Defesa de Brittney Griner alega falhas em provas apresentadas pela Rússia
Grupo Diario de Pernambuco