Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

SALÁRIO MINIMO

Pelo segundo ano consecutivo, salário mínimo fica sem aumento real

Publicado em: 31/12/2021 08:55

 (Foto: Agência Brasil/Arquivo)
Foto: Agência Brasil/Arquivo
O salário mínimo será de R$ 1.212 a partir de 1º de janeiro de 2022. O valor, que deverá ser estabelecido por medida provisória a ser publicada hoje no Diário Oficial da União, foi confirmado ontem pelo presidente Jair Bolsonaro durante a live semanal pela internet.

O novo piso salarial será R$ 112 maior do que o que vigorou em 2021, de R$ 1.100, numa alta de 10,18%. O valor será também mais elevado do que o previsto no Orçamento enviado ao Congresso em agosto, de R$ 1.169. Porém, o salário mínimo deve ficar mais uma vez sem aumento real, pois a correção não deve superar a inflação ocorrida desde o último aumento. Neste ano, até novembro, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que baliza os reajustes do salário mínimo, acumula alta de 10,96%.

O relatório do Orçamento de 2022, divulgado no último dia 20 pela Comissão Mista de Orçamento (CMO), previa um salário mínimo de R$ 1.210, considerando correção de 10,04% em relação ao valor atual. Essa taxa correspondia à previsão para a alta do INPC constante da última atualização de parâmetros macroeconômicos feita pelo Ministério da Economia. A estimativa, porém, está abaixo das projeções do mercado.

A variação do INPC em 2021, no entanto, só será conhecida na segunda semana de janeiro, quando o IBGE divulgar os dados.

Poder aquisitivo

O secretário-geral da Associação Contas Abertas, Gil Castello Branco, explica que o poder aquisitivo dos brasileiros que recebem o salário mínimo continuará o mesmo, já que, pelo segundo ano consecutivo, não haverá aumento real.

Sob o ponto de vista das contas públicas, o salário mínimo é referencial para a correção de vários itens das despesas. De acordo com o Ministério da Economia, cada R$ 1 de aumento no salário mínimo gera um incremento de R$ 350 milhões ao ano nas despesas do governo, como na Previdência Social, por exemplo.

André Braz, economista do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV/Ibre), aponta que na prática, o poder de compra da população continua baixo e mal dá acesso aos alimentos essenciais. "O que importa para as famílias que ganham salário mínimo é a inflação de alimentos e, nesse caso, a inflação geral desse ano está superior à dos alimentos. A de alimentação deve fechar em torno de 8% e a correção do piso está em torno de 10%", afirma. "Aquilo que a inflação comeu ao longo de 2021 vai ser devolvido em forma de reajuste do salário mínimo a partir de 2022. Aí é empate. Zero a zero. Ninguém fica mais rico e ninguém melhora nenhuma situação tendo salário corrigido pela inflação, que é o cupim do dinheiro. Ela vai comendo o dinheiro até que a cesta fica menor. Com o mesmo dinheiro, compra-se cada vez menos coisas", explica.

Segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o custo da cesta básica, em janeiro de 2022, deve ficar em torno de R$ 700 em São Paulo. Assim, o salário mínimo nacional de R$ 1.212 terá poder de compra equivalente a 1,73 cesta básica, relação menor que a média observada de 2008 a 2020.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Morre Olavo de Carvalho, considerado guru do bolsonarismo
Manhã na Clube: entrevistas com André de Paula (PSD), Eduardo Cavalcanti e Epitacio Rolim
OMS: é possível encerrar fase aguda da pandemia este ano
Manhã na Clube: entrevistas com Carlos Veras (PT), Frederico Menezes e Marlon Malassa
Grupo Diario de Pernambuco