Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

MARCAS PREFERIDAS

HOPE faz brilhar os olhos dos pernambucanos

Publicado em: 15/12/2021 09:52 | Atualizado em: 17/12/2021 07:51

 (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação
Fundado há 68 anos, Hospital de Olhos de Pernambuco (HOPE) conquistou, mais uma vez, o 1º lugar na categoria Hospital e Clínica de Olhos do Estado, na pesquisa Marcas Preferidas 2021, realizada pelo Diario de Pernambuco. Colecionando reconhecimentos, em novembro deste ano, recebeu certificado da Qmentum Internacional Accreditation, um modelo de avaliação de saúde que assegura que as organizações atendam aos requisitos internacionais de governança e boas práticas assistenciais. O HOPE é o único das regiões Norte e Nordeste a conquistar o certificado.

A instituição possui uma infraestrutura completa para qualquer tipo de exame e cirurgia. Para isso, são utilizados recursos tecnológicos de ponta que aumentam a precisão de diagnósticos, tratamentos e intervenções cirúrgicas e que, ao mesmo tempo, reduzem a duração desses processos. Significa também uma recupe- ração mais rápida do paciente e taxas de sucesso cada vez melhores em qualquer procedimento.

Além de possuir um alto padrão de qualidade acreditado internacionalmente pela Qmentum, o HOPE, desde 2017, é o único hospital de olhos de Pernambuco acreditado com excelência Nível 3 pela Organização Nacional de Acreditação (ONA) por atender todos os critérios de segurança e qualidade para a realização de diagnósticos, exames e cirurgias.

Ao todo, são seis unidades da rede espalhadas na Região Metropolitana do Recife (no polo médico de Pernambuco, Ilha do Leite e nos Shoppings Recife, Plaza, Guararapes, RioMar e Patteo Olinda). A Urgência do HOPE Ilha do Leite é a única do estado a oferecer atendimento 24 horas, com desdobramento cirúrgico, nas áreas de oftalmologia e otorrinolaringologia.

Durante a pandemia da Covid-19, que atingiu o globo inteiro, a Diretora Executiva do HOPE afirma que a instituição precisou ser rápida e estratégica. “Diante do inesperado imposto pela Covid-19, precisamos adiar alguns projetos de 2020, recalcular a rota e encurtar o período de planejamento, já que o cenário mudava o tempo todo”, explicou a diretora. A lição foi perceber a necessidade de estar organizado e ter a capacidade de se reinventar, agindo de forma rápida o suficiente para mandar a ordem a e sustentabilidade do negócio, além de olhar para as pessoas e pensar coletivamente. A instituição já estava se preparada, através de treinamento com equipes, para a chegada do novo coronavírus no país um mês antes do primeiro caso confirmado em solo brasileiro.

O Hospital avançou na área da telessaúde e criou o Alô HOPE, para continuar oferecendo aos seus pacientes e ao público geral um acesso direto ao médico oftalmologista e otorrinolaringologista, por meio de videochamada pelo próprio celular durante o período da quarentena e quando o isolamento social era uma necessidade. O Alô HO- PE proporciona vantagens, tanto para o paciente como para a equipe médica. Entre elas está a agilidade na consulta e a comodidade para o paciente que é atendido pelo médico sem precisar sair de casa. Além da avaliação médica online, o paciente recebe por e-mail a receita dos remédios a serem utilizados, a solicitação de exames complementares que precise fazer e o atestado médico.

Em 2022, o Hospital ainda planeja melhorar o seu atendimento e espaço oferecido. “Estamos estruturando o SPA dos Olhos, um centro especializado para tratamento da síndrome do olho seco com equipamentos de luz pulsada e termoterapia. Além disso, em janeiro, lançaremos o HOPE Vacinas”, finalizou Cyntia Santiago, diretora executiva do HOPE.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Soldado russo se declara culpado por crime de guerra na Ucrânia
Manhã na Clube: entrevista com Maria Zilá Passo, advogada especialista em direito da saúde
Fechamento de escolas durante pandemia pode gerar prejuízos por décadas no Brasil
Cada vez mais brasileiros procuram a medicina tradicional chinesa
Grupo Diario de Pernambuco