Diario de Pernambuco
Busca

CONJUNTURA

Brasil tem a 4ª pior taxa de desemprego em ranking com 44 países

Publicado em: 23/11/2021 13:20 | Atualizado em: 23/11/2021 13:34

 (crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
crédito: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Impulsionada pela crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus, a taxa de desemprego no Brasil é a quarta maior de uma lista das 44 principais economias do mundo. O dado é de um estudo realizado pela agência de classificação de risco Austin Rating. Segundo o levantamento, o país supera em mais de duas vezes a média mundial no índice. A taxa de brasileiros sem trabalho é ainda a mais alta entre os integrantes do G20 (grupo que reúne os 19 países mais ricos do mundo e a União Europeia).

Dos países que compõem o G20, apenas três ainda não divulgaram números os oficiais de desemprego no terceiro trimestre: África do Sul, Arábia Saudita e Argentina. O índice de desocupação laboral no Brasil caiu para 13,2% no trimestre encerrado em agosto, atingindo 13,7 milhões de trabalhadores, segundo a última pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Antes da chegada da Covid-19, a taxa estava abaixo de 12%, mas elevou-se para 14,7% no primeiro trimestre deste ano.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que o Brasil feche 2021 com uma taxa de desemprego de 13,8%. Isso coloca a economia brasileira na 14ª pior posição no mercado mundial de mercado de trabalho.

Na avaliação do economista e sociólogo Vinícius do Carmo, o Brasil não está conseguindo acompanhar o crescimento do restante do planeta. "Em comparação com outros países, temos uma recuperação bem mais lenta. Perdemos até se formos comparados a outros emergentes. A nossa economia é pouco diversificada e pouco conectada globalmente. Isso nos leva a um beco: sem incentivo estatal, não há caminho de retomada. Por outro lado, o governo não teve competência para balancear sua parte fiscal, ficando com capacidade de investimento quase nula mesmo furando o teto", observa.

Desesperança
 
Há três anos buscando um emprego com carteira assinada, Cícera dos Santos, 33 anos, mantém as duas filhas com as diárias de faxineira. Moradora da região administrativa do Sol Nascente, a renda da casa é composta pelo trabalho informal e com a aposentadoria da mãe.

Ela relata a rotina exaustiva na procura por uma vaga no mercado de trabalho formal. São dezenas de currículos entregues e muitos "nãos". "Meu último emprego foi em maio deste ano e, desde então, faço faxina para completar a renda. Chego a enviar até 50 currículos por dia", afirma.

A falta de acesso à internet também é um empecilho na procura por emprego. Para Cícera, a crise sanitária agravou ainda mais a situação pessoal. "Já não estava fácil antes da pandemia, ficou pior depois", lastima.

Também moradora do Sol Nascente, Simone Bento Silva, 46, vende espetinhos na rua para compor a renda de casa. Ela procura emprego com carteira registrada há cinco anos e se sente cada vez mais desmotivada.

"Vejo muita dificuldade, principalmente por causa da minha idade", lamenta. Simone acredita que não há igualdade na oferta de vagas e lembra de uma concorrente mais jovem que foi selecionada em um processo de preenchimento de função.

"Ela foi contratada, mas eu, não", diz, desolada.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL

Reino Unido devolve à Índia objetos saqueados durante a época colonial

19/08/2022 às 10h50

Roda de conversa 'Dá Licença para Criar' discute economia do cuidado e garantia de direitos para mães e pais

19/08/2022 às 10h48

Os bancários cobram a reposição da inflação (INPC) mais 5% de ganho real, aumento maior para os vales refeição e alimentação e a garantia de todos os direitos da Convenção Coletiva de Trabalho.

Em campanha nacional, bancários realizam paralisações relâmpago para pressionar Fenaban nesta sexta-feira (19)

19/08/2022 às 10h26

Fies: termina hoje prazo para pré-selecionados comprovarem informações

19/08/2022 às 10h23

Grande incêndio no leste da Espanha ameaça parque natural

19/08/2022 às 09h30

De acordo com a Lei Eleitoral (9.504/97), não é permitida a colocação de material de propaganda de qualquer natureza em árvores e jardins localizados em áreas públicas, bem como em muros, cercas e tapumes divisórios.

TRE-PE recolhe 50 bases de bandeiras eleitorais no Recife

19/08/2022 às 09h29

Prorrogada presença da Força Nacional em terra indígena no RS

19/08/2022 às 09h15

UE dividida sobre vetar turistas russos

19/08/2022 às 08h57

Forças israelenses matam palestino na Cisjordânia ocupada

19/08/2022 às 08h44

Coreia do Norte rejeita oferta de ajuda em troca de desnuclearização feita por Seul

19/08/2022 às 08h24

Vale prevê mais 13 anos para eliminar barragens como Brumadinho

19/08/2022 às 08h12

Confira a agenda dos candidatos à Presidência para esta sexta (19)

19/08/2022 às 08h09

Auxílio Brasil é pago hoje a beneficiários com NIS final 9

19/08/2022 às 07h56

Turquia expressa preocupação com a situação na usina nuclear da Ucrânia

19/08/2022 às 07h54

Estudo identifica mais de 70 genes associados ao autismo

19/08/2022 às 07h50

Sociedade médica dos EUA revisa sintomas das principais doenças do coração

19/08/2022 às 07h48

Executivo de Trump admite sonegação fiscal e fecha acordo

19/08/2022 às 07h45

Emigrantes aconselham que viver nos EUA exige disciplina financeira

19/08/2022 às 07h44