Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

PROGRAMA SOCIAL

Auxílio emergencial impulsiona queda da concentração de renda em Pernambuco no ano de 2020

Publicado em: 19/11/2021 18:33 | Atualizado em: 19/11/2021 18:41

Apesar do avanço, 10% da população do estado ainda detém 41,6%  dos rendimentos totais (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Apesar do avanço, 10% da população do estado ainda detém 41,6% dos rendimentos totais (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Alcançando 30,7% dos domicílios do estado, os programas sociais, incluindo o Auxílio Emergencial, contribuíram para o aumento da distribuição de renda em Pernambuco durante o ano de 2020. De acordo com a PNAD Contínua 2020: Rendimento de todas as fontes, divulgada nesta sexta-feira (19) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a concentração de renda domiciliar per capita, que é medida pelo Índice de Gini, passou de 0,574 em 2019 para 0,536 no ano passado. Quanto mais perto de zero, menos desigual é a economia. Apesar da queda, o resultado pernambucano está acima da média nacional, de 0,524, da média nordestina, 0,526, e é o sexto maior do país.

No entanto, mesmo com o aumento da distribuição, a massa total do rendimento médio mensal real domiciliar per capita no estado caiu 6,8%, saindo de R$ 9 bilhões em 2019 para R$ 8,4 bilhões em 2020. No país, a redução foi menos intensa, 3,6%. Já o rendimento médio mensal real per capita por domicílio teve queda de 7,4% entre 2019 e 2020, passando de R$ 953 para R$ 882. 

No estado, a análise da concentração de renda por meio da distribuição da população por classes de rendimento domiciliar per capita aponta um resultado semelhante. Em Pernambuco, os 10% da população que possuem menores rendimentos detinham apenas 0,6% de todo o rendimento médio mensal produzido no ano passado, o mesmo percentual foi obtido em 2019. Enquanto isso, os 10% da população que possuem maiores rendimentos ficaram com 41,6% do total em 2020. Apesar de permanecer elevada, a porcentagem registrou uma queda em comparação a 2019, quando o resultado foi de 46,3%. 

Além disso, as pessoas que fazem parte do 1% da população com rendimentos mais elevados, cerca de R$ 11.201 por mês, receberam, em média, 39,3 vezes o rendimento dos 50% da população com os menores rendimentos em 2020. No ano anterior, essa proporção ultrapassou 50 vezes. 

PROGRAMAS SOCIAIS
O percentual de domicílios que receberam rendimentos de programas sociais, que incluem o auxílio emergencial, teve um salto de 0,9% em 2019 para 30,7% em 2020 no estado. No país, o aumento foi semelhante, de 0,7% para 23,7%. Já o Benefício de Prestação Continuada (BPC), que corresponde a um salário mínimo, foi pago, por mês, a 4,2% das famílias com idosos e deficientes físicos que comprovaram baixa renda em 2020, contra 5,2% em 2019. 

RENDA DO TRABALHO
Entre os pernambucanos, 5,3 milhões de pessoas (56% da população) tinham algum tipo de rendimento em 2020. No entanto, a proporção da renda do trabalho diminuiu no ano passado: o contingente que se enquadrou nessa categoria foi de 32,3% da população, ou 3 milhões de pessoas, contra 37% (3,5 milhões) em 2019. Por outro lado, 30,2% dos pernambucanos (2,8 milhões) possuíam algum rendimento proveniente de outras fontes em 2020, enquanto, em 2019, essa estimativa era de 25,6% (2,4 milhões). Entre as outras fontes, estão aposentadorias, pensões, programas sociais governamentais, aluguel ou arrendamento, mesadas ou doações e aplicações financeiras.

Pela primeira vez desde o início da PNAD Contínua, em 2012, o número de aposentados e pensionistas em Pernambuco foi ultrapassado pela quantidade de beneficiários da categoria outros rendimentos, que engloba os programas sociais do governo, como auxílio emergencial e Bolsa-Família, seguro-desemprego/seguro-defeso e rendimentos de poupança, entre outras ações. Enquanto os aposentados e pensionistas compunham 11,1% da população em 2020, ou pouco mais de um milhão de pessoas, quem se enquadra em outros rendimentos soma quase 1,7 milhão de pessoas (17,7% da população). Com percentuais bem menores, estão as categorias de pensão alimentícia, doação ou mesada de não morador (1,4%) e aluguel e arrendamento (0,7%).

POPULAÇÃO OCUPADA
Quando se considera o rendimento médio mensal real de todas as fontes, seja por meio do trabalho ou de outras fontes de renda, o valor em Pernambuco foi de R$ 1.570 em 2020, contra R$ 1.648 em 2019. No ano passado, o rendimento habitualmente recebido de todos os trabalhos resultou em uma massa mensal de rendimento de aproximadamente R$ 5,5 bilhões, 7,3% a menos que em 2019. Entre os fatores que ajudam a explicar essa queda, está a forte redução, de 12%, da população ocupada no estado, especialmente dos trabalhadores mais vulneráveis, como trabalhadores por conta própria, domésticos e empregados sem carteira. 

No entanto, mesmo com menos pessoas trabalhando, o rendimento médio mensal real per capita de todos os trabalhos aumentou de R$ 1.772 em 2019 para R$ 1.805 em 2020. Com esse resultado, é possível que os trabalhadores ainda ocupados tenham renda maior, puxando a média para cima.

Já o rendimento médio mensal de outras fontes em 2020, de R$ 992, é o menor desde 2012. Esse valor também é 14,7% menor do que o de 2019. Ao contrário do que ocorreu no Brasil, foram os alugueis e arrendamentos que tiveram o maior rendimento no ano passado em Pernambuco, de R$ 1.964, alta de 15,4% perante o ano anterior. Na sequência, estão as aposentadorias e pensões (R$ 1.574), outros rendimentos (R$ 589) e pensões alimentícias, doações e mesadas de não-morador (R$ 476).
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Alberto Feitosa (PSC), Márcia Horowitz e Andreia Rodrigues
Justiça por Beatriz: pais organizam peregrinação de 720 km para cobrar solução de assassinato
Pessoas que já tiveram covid podem adoecer novamente devido à ômicron
Reino Unido aprova mais um medicamento contra Covid-19
Grupo Diario de Pernambuco