Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

VALORES

Aumento na procura por seminovos deixa seguro de carro usado mais salgado

Publicado em: 11/10/2021 07:24

 (Foto: Mario Tama/AFP - 9/10/20)
Foto: Mario Tama/AFP - 9/10/20
A falta de carros novos no mercado, pela escassez de insumos provocada pela pandemia e a consequente alta do dólar frente ao real, valoriza o produto e também eleva a demanda por usados e seminovos. No entanto, um detalhe que vem passando despercebido é que, com essa conjuntura adversa, a apólice de seguros também fica mais salgada para todos. Isso porque, nos cálculos atuariais para avaliar o valor das apólices, as seguradoras levam em consideração, entre outros itens, o custo das peças de reposição, que está nas alturas.

Um conjunto de fatores acendeu o alerta dos que procuram por carros usados nas concessionárias. Os consumidores, aos poucos, estão começando a perceber mudanças estruturais, segundo Sérgio Ricardo de Magalhães Souza, consultor técnico de seguros e coordenador do programa de pós-graduação em seguros da Universidade de Petrópolis (Ipetec). Ele chama a atenção para os fatores sensíveis que vão onerando o bolso do comprador.

“Usando como referência um Ford Fiesta do ano de 2014, que valia R$ 28 mil em 2020, hoje, custa R$ 36 mil. E o seguro, que estava em torno de R$ 1,2 mil, atualmente, não sai por menos de R$ 1,5 mil”, conta Magalhães Souza. Mesmo com poucos carros na rua (novos e usados), não somente pela pandemia, mas pelos constantes aumentos da gasolina, o sumiço dos componentes — alguns importados — e a logística de transporte fazem a diferença. “O custo de manutenção é um fator que está no radar das empresas de seguro”, conta Souza.

Os semicondutores (chips usados em diferentes mecanismos do carro) estão entre os que mais aumentaram — mais de 200% em alguns casos, segundo a KPMG. Para se ter uma ideia, dependendo do modelo, cada carro tem mais de mil. Desse total, 30% estão nos dispositivos de segurança; 25%, em conectividade; 30%, em itens de conforto e conveniência; 15%, no trem de força, explicam técnicos do setor. A crise dos chips começou em 2020 e não foi resolvida. Segundo o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Carlos Moraes, a previsão é de a que se estenda até o fim do ano.

Luiz Mário Rutowitsch, presidente do Clube dos Corretores de Seguros do Rio de Janeiro (CCS-RJ), assinala que o ponto mais importante a ser considerado é a sinistralidade (acidentes, roubo e furto, principalmente). “A flexibilização do distanciamento social, além da convivência com a demanda por peças, não resolveu a questão do aumento do desemprego e também trouxe, embora de forma discreta, um certo retorno da violência no geral e contra motoristas, em particular”, esclarece. Isso também provocou uma reanálise das áreas de maior risco.

“São dados muito cíclicos. Muitas vezes, os índices de roubo sobem em uma região. O preço sobe. No ano seguinte, se aquele local passou por algum projeto de segurança pública, os moradores dali voltam a ter o valor do seguro com reajustes menores. Mas também há outros fatos, como o perfil do comprador e o modelo do carro. A sinistralidade não é só da pessoa. É da carteira, já que esse é um setor que tem o princípio da mutualidade, ou seja, cada um paga um pouco para cobrir o risco recíproco”, diz Rutowitsch.

Jeniffer Elaina da Silva, especialista em seguros, lembra que os carros usados estão andando pelas ruas e ficando mais valorizados, porém, muitos dos proprietários acham que, por não serem novos, não chamam a atenção e estão isentos de roubo ou outro tipo de problema. “A verdade é que qualquer veículo pode sofrer um sinistro, e o seguro auto será de grande valia caso isso aconteça. Existem diferentes modalidades de seguro que podem ser contratadas, por isso é preciso escolher aquela que melhor atenda às necessidades do motorista”, aconselha.

Regulamentação
Assuntos que vêm há anos causando polêmica, ao serem debatidos, são o uso de peças de reposição recondicionadas e a flexibilização dos produtos oferecidos pelas empresas seguradoras, para adequar às necessidades mais urgentes e ao orçamento do comprador. Se por um lado, as práticas tendem a reduzir o valor do seguro, por outro, a cobertura fica mais restrita e é preciso cuidados para saber se a peça é mesmo de confiança. Em agosto último, a Superintendência de Seguros Privados (Susep) regulamentou o uso de peças usadas.

Na Circular nº 639/2021, a Susep detalha que, “no caso de utilização de peças usadas, deverão constar da relação informações sobre a procedência, condições e garantia das peças”. Luiz Mário Rutowitsch aprova a iniciativa. Ele entende que a flexibilização ou a criação de produtos adequados a cada perfil vai facilitar a contratação do seguro. “Quanto às peças recondicionadas, é importante destacar que não significa que a peça esteja ruim ou que vai prejudicar aquele veículo, porque a ideia é que haja um registro de todas elas”, contou.

Tanto Rutowitsch quanto Sérgio Ricardo de Magalhães Souza citam exemplos semelhantes: de um carro que, eventualmente, bateu de frente e teve perda total para a seguradora. “Não é qualquer peça. E nada vai ser feito sem que o consumidor autorize. Se o sinistro foi na dianteira de um carro zero-quilômetro, muitas vezes, a suspensão traseira, as peças de freio, entre outras, estão intactas. Se o cliente consentir, será usada uma peça recondicionada com garantia, que será vendida a um preço menor”, explica Souza.

Variáveis importantes
O preço do seguro varia de uma seguradora para outra e de acordo com o perfil do segurado e o nível de risco. Se o segurado tiver garagem, a tendência é ter um seguro mais barato, porque a probabilidade de o carro ser furtado, em tese, é menor, explicam os especialistas. Os principais itens que influenciam no valor são: índice de roubo do modelo; idade do motorista; sexo; estado civil; local de residência; tempo de habilitação; histórico de direção; local de estacionamento; itens de segurança instalados no carro; hábitos de direção; coberturas contratadas; e tipo de franquia, entre outros.

Para os analistas do setor, não existe uma fórmula mágica para deixar o seguro mais barato, mas algumas estratégias podem ser usadas para economizar. Ter um rastreador e alarme no carro faz com que ele seja menos visado pelos bandidos, já que, no caso de arrombamento, se o equipamento dispara, acaba chamando a atenção de quem está próximo. Já o rastreador facilitará a localização caso seja levado. Ter a ajuda de um corretor para escolher o melhor seguro também ajuda. O profissional pode dar dicas das coberturas necessárias, apresentar propostas diferentes e auxiliar na contratação.

Por fim, se a ideia é não gastar muito, pesquisar é sempre a melhor solução. Faça cotação em diferentes seguradoras e compare as propostas. Dessa forma, pode poupar um bom dinheiro, uma vez que os valores podem oscilar bastante. Depois de conhecer o preço do seguro dos carros usados, ficará mais fácil de organizar o seu orçamento para manter o seu veículo.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Morreu James Michael Tyler, o Gunther de Friends
Manhã na Clube: entrevistas com Alberes Lopes, Antônio César Cruz e Almir Reis
Destaque do Náutico, meia Jean Carlos completa 100 jogos com a camisa alvirrubra
Baixas na equipe de Guedes
Grupo Diario de Pernambuco