Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

CONJUNTURA

BC aponta percentual recorde no endividamento do brasileiro para o mês de junho

Publicado em: 28/09/2021 14:21

Taxa é a maior registrada desde 2005. (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Taxa é a maior registrada desde 2005. (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
O endividamento das famílias (relação entre o saldo das dívidas e a renda acumulada em 12 meses pela massa salarial) alcançou 59,9% e bateu recorde em junho, segundo as estatísticas monetárias e de crédito divulgadas pelo Banco Central (BC). A taxa é a maior registrada desde 2005. Com a exclusão do financiamento imobiliário, que corresponde a grande parte do crédito a pessoas físicas, o indicador chegou a 37,1%.

De acordo com a autarquia, o crédito ampliado para as famílias aumentou 1,8% em agosto, totalizando R$ 2,7 trilhões, o equivalente a 32,7% do Produto Interno Bruto (PIB). Em 12 meses, a alta foi de 18,2%. Somente no Sistema Financeiro Nacional (SFN), que aumentou 1,5% em agosto e totalizou R$ 4,3 trilhões, o volume de crédito de operações com pessoas físicas correspondeu a R$ 2,5 trilhões.

Fernando Rocha, chefe do Departamento de Estatísticas do BC, afirma que o banco tem observado a questão do endividamento e reforça a importância da educação financeira. “Temos observado para que (a dívida) seja feita com a devida educação financeira, com esclarecimento sobre as condições em que o crédito está sendo tomado, para que se possa ter um planejamento adequado”, diz. "É uma demanda que está sendo satisfeita pelas instituições financeiras e que, do ponto de vista do SFN, tem risco muito baixo”, completa Rocha, sobre o crédito às famílias.

Na avaliação de Nicola Tingas, economista-chefe da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), pessoas têm buscado crédito não só para consumo, mas para fechar o orçamento familiar. O economista afirma que o crescimento de 1,7% em cartão de crédito à vista aponta maior “giro dos negócios” e que a dificuldade das famílias em fechar as contas é motivada pela alta inflação. “O cheque especial cresceu 0,9% no mês. O rotativo cresceu 4,6%. Portanto, embora a gente note uma distinção positiva da vacinação e da volta de atividade econômica, de outro lado, percebemos os efeitos da inflação batendo nos orçamentos das famílias”, pontua.

A última prévia do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) neste mês, apontou nova alta, de 1,14% em setembro, com inflação de 7,02%, no ano, e de 10,05%, acumulada em 12 meses.

Renda
Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos, explica que a alta inflação corrói o poder de compra das famílias, colaborando para o endividamento. “Muitas famílias que têm acesso ao crédito acabam usando esse crédito como medida de sustentação para manter o padrão de consumo de antes”, comenta. Além da inflação, ele aponta a diminuição na renda nos lares brasileiros como outro fator para o endividamento. “Olhando pela renda na pandemia, a gente consegue entender que muitas famílias recorreram a mecanismos de crédito para suportar a crise”, conta.

Renato Magalhães, chefe comercial da B2e Group Concessão de Crédito e Prevenção a Fraudes, reforça que o crédito mais caro e a renda mais baixa são as principais causas para o endividamento. “A renda não está seguindo o mesmo ritmo da inflação. A grande maioria dos brasileiros ganha entre 1 e 2 salários-mínimos e a inflação tem pesado em cima de produtos básicos que têm maior consumo pelas famílias. O orçamento acaba pesando”, afirma.

Cheque especial sobe a 124,9%
As contratações de crédito ficaram mais caras para as famílias e empresas no mês de agosto. A alta nas taxas de empréstimos e financiamentos reflete os dois últimos reajustes do Comitê de Política Monetária (Copom), que elevou em 1 ponto percentual a taxa Selic, atualmente em 6,25% ao ano. As estatísticas monetárias e de crédito apontam que a taxa média de juros para pessoas físicas no crédito livre chegou a 40,9% ao ano, um aumento de 1,1% na comparação com julho. Nas contratações com empresas, o aumento da taxa livre foi de 0,7% no mês e 3,9% em 12 meses, alcançando 16,2% ao ano.

O cartão de crédito variou de 62% em julho para 63,8% em agosto, enquanto no cheque especial a taxa passou de 124% para 124,9% ao ano. “A Selic aumentou e tem perspectiva de seguir aumentando, isso faz com que o crédito se encareça”, diz o economista-chefe da Ativa Investimentos, Étore Sanchez.

O especialista em crédito Renato Magalhães, afirma que as instituições financeiras estão com dinheiro em caixa “de sobra”, e tem visto oportunidade no cenário atual. “Querendo ou não, a modalidade de crédito é uma das que mais dão retorno financeiro para as instituições, e existe uma demanda realmente maior. As pessoas estão atrás de dinheiro”, afirma.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Destaque do Náutico, meia Jean Carlos completa 100 jogos com a camisa alvirrubra
Baixas na equipe de Guedes
Trump anuncia planos para lançar nova rede social
Manhã na Clube: entrevistas com Teresa Leitão (PT), Fernandes Arteiro e José Teles
Grupo Diario de Pernambuco