Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

NEGÓCIOS

Financiamento via fundo internacional é vantagem para empresas afetadas pela Covid-19

Publicado em: 30/08/2021 14:58 | Atualizado em: 30/08/2021 17:32

 (Foto: reprodução)
Foto: reprodução
Osvaldo Matos de Melo Júnior, pernambucano, CEO e diretor presidente da agência de marketing BM4, explicou, em entrevista ao Diario de Pernambuco, quais as principais vantagens do financiamento via fundo internacional.
 
De acordo com o CEO, que é publicitário, sociólogo e especialista em Marketing, Segurança, Gestão Pública e Comércio Exterior, e conta com mais de 30 anos de experiência, é mais vantajoso para o empresário buscar financiamento via fundo internacional, pois os juros e condições de contrato são mais econômicos e rentáveis que nos modelos tradicionais mais buscados.
 
“Com o fundo internacional, o financiamento possui juros entre 1% e 2% ao ano, dependendo do ‘Score’ e do tipo de negócio da empresa, com 10 anos, sendo de 3 anos de carência sem juros, sem risco cambial e garantia de apenas 25% do valor financiado, sendo esta uma garantia bancária chamada SBLC (‘Standby Letter of Credit’, ou Carta de Crédito em Sobreaviso, em português), mesma garantia utilizada nas ações de comércio exterior”, explicou.
 
Matos fez um comparativo entre as taxas exigidas pelo fundo internacional com as taxas presentes nos modelos de empréstimo mais comuns. “Para se ter ideia da diferença em relação aos financiamentos nacionais, diversos empréstimos subsidiados no país têm, no mínimo, juros de 10% ao ano, quando é feita a soma de todas as taxas exigidas”, complementou.
 
O Brasil ganha posição de destaque para os fundos internacionais, que visam incentivar investimentos em países emergentes que possuam segurança jurídica. Segundo Matos,  “nosso país melhorou o ‘risco Brasil’ com o passar dos anos, com leis mais fortes e governos menos radicais no meio econômico, sendo um país que respeita os contratos, principalmente na iniciativa privada”, ressaltou. 
 
O diretor presidente da BM4 também descreveu como é realizado o papel da sua empresa como intermediadora do diálogo entre o cliente que busca o financiamento e a equipe de análise do fundo. Enquanto a missão da BM4 é de assessorar o cliente para que não haja nenhum dúvida antes, durante e depois do contrato, são os analistas e os gestores do fundo internacional, que possui uma vasta estrutura de inteligência financeira e competitiva, que estudam cada cliente para decidir se é viável, ou não, aplicar dinheiro naquele negócio.
 
O impacto da Covid-19 foi muito forte no mundo inteiro, e o Brasil foi um dos países mais afetados por essa pandemia. Foi observando esse cenário que o fundo internacional, cujo nome oficial não pode ser divulgado por questões contratuais, criou um projeto chamado Plano Covid, que busca viabilizar negócios que tiveram prejuízo, ou que deixaram de crescer por causa dessa crise sanitária. Matos entende que esse tipo de projeto é de extrema importância para o empresário brasileiro, pois, de acordo com a experiência do CEO, “a maioria das empresas quer dinheiro para expandir suas atividades, para construir uma rede maior, e isso resulta na geração de empregos, e por consequência, movimenta a economia”, argumentou.
 
Outras empresas que não foram afetadas pela pandemia também podem ter seus projetos analisados, e até aceitos, pelo fundo internacional, no entanto os juros são maiores para esses casos. Ainda assim, Matos acredita que, caso a empresa se enquadre em todos os quesitos, ainda é vantajoso para o empresário recorrer ao fundo internacional, pois “mesmo com juros maiores, ainda são menos custosos que em outros modelos de financiamento, e as carências são as mesmas das empresas que foram afetadas pela pandemia”, enfatizou o especialista.
 
Osvaldo explicou que, para um cliente solicitar uma análise do fundo internacional e averiguar se a empresa pode receber o financiamento, o cliente precisa  apresentar um projeto do negócio, um ‘master plan’ explicando tudo o que será feito com o dinheiro e o que será gerado com a utilização do mesmo, além de uma demonstração da capacidade de pagamento ao fundo, junto com uma série de outros documentos.
 
O tempo de espera para a conclusão da análise do projeto do cliente é de 30 a 60 dias, e é liberado em, no mínimo, 5 parcelas. Caso o projeto da empresa seja aprovado,  as linhas de financiamento oferecidas contemplam valores a partir de US$ 4 milhões, com garantia de 25% do valor pleiteado, porcentagem que cai para 20% caso o valor contemplado seja acima de US$ 50 milhões. A justificativa para o valor mínimo de financiamento ser alto está no objetivo do fundo internacional, que “não busca o varejo, pois está focado nos grandes negócios capazes de gerar mais empregos, mais renda e que tenham alta capacidade administrativa e de pagamento”, explicou Matos. 
 
Para o CEO da BM4, o principal diferencial do fundo internacional está nos juros simples, sem a presença de outras taxas e sem risco cambial, com pagamento único por ano, “características que considero imbatíveis levando em conta o padrão dos financiamentos atuais. Outra vantagem é a possibilidade de conseguir a SBLC com, praticamente, qualquer banco nacional ou do exterior, além disso, o fundo internacional também restitui, no final da transação, até 2% do valor gasto com a SBLC, pois sua rede de inteligência financeira entende que esse valor precisa participar no negócio”, afirmou
 
Apesar de acreditar que a Covid-19 ainda continuará presente no cotidiano da população por um largo tempo, Osvaldo Matos fala que a previsão para os próximos anos é de que, conforme a população receba as doses das vacinas, diversos setores apresentem crescimento, portanto, segundo o publicitário, “não existe melhor hora para buscar o financiamento via fundo internacional, nem que seja para substituir a dívida criada com outros financiamentos. esse é o momento de desmistificar essa ideia, pois as pessoas não sabem que têm a oportunidade de pleitear um financiamento barato que pode mudar a saúde financeira dos seus negócios”, concluiu o especialista.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Após erupção do vulcão Cumbre Vieja, especialistas temem gases tóxicos
Manhã na Clube: Lucas Ramos (Sec. de Ciência e Inovação de Pernambuco) e dr. Catarina Ventura
Na ONU, Bolsonaro diz ser contra passaporte sanitário
Manhã na Clube: Augusto Coutinho, Laurice Siqueira, Frederico Preuss Duarte e Kaio Maniçoba
Grupo Diario de Pernambuco