Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

DECISÃO

Bancos privados defendem apoio da Febraban à democracia e BB e Caixa rompem com a instituição

Publicado em: 29/08/2021 16:40

 (Foto: Minervino Júnior / CB / DA Press)
Foto: Minervino Júnior / CB / DA Press
Uma crise sem precedentes rachou a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Em votação vencida pelas instituições privadas, lideradas por Bradesco, Itaú Unibanco e Santander, a entidade assinará um manifesto em apoio à democracia. O documento, intitulado “A praça é dos Três Poderes”, conta com o apoio de várias representações do setor produtivo.

Contrários à adesão ao manifesto, o Banco do Brasil e a Caixa decidiram romper com a Febraban, conforme antecipou o colunista Lauro Jardim, de O Globo, informação confirmada pela reportagem com dois banqueiros e dois integrantes do governo. O rompimento do BB e da Caixa recebeu o aval do presidente Jair Bolsonaro, do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

No governo, o manifesto, organizado pelo presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, é visto como um “acinte”, pois, segundo assessores do Palácio do Planalto, “tem o claro objetivo de atingir o presidente Bolsonaro”. Para esses auxiliares do presidente, a pressão política sobre o governo é “inaceitável”. Eles dizem que Bolsonaro “tem o direito de confrontar os excessos cometidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF)”.

Bancos e empresas estão muito preocupados com os movimentos liderados pelo presidente da República. Neste sábado (28/08), ele disse, em Goiânia, que “só existem dois Poderes, o Legislativo e o Judiciário”. E que só há três alternativas para seu futuro: “Ser preso, morto ou a vitória (em 2022)”.

“As entidades da sociedade civil que assinam este manifesto veem com grande preocupação a escalada de tensões e hostilidades entre as autoridades públicas. O momento exige de todos serenidade, diálogo, pacificação política, estabilidade institucional e, sobretudo, foco em ações e medidas urgentes e necessárias para que o Brasil supere a pandemia, volte a crescer, a gerar empregos e, assim, possa reduzir as carências sociais que atingem amplos segmentos da população”, diz um dos trechos do manifesto.

Tanto os bancos quanto as empresas afirmam que o governo se transformou em uma central de crises, e isso está minando a capacidade do país de retomar o crescimento econômico. O Planalto rebate: diz que a economia está em franco processo e recuperação e criando milhares de empregos formais. “O que temos visto é que a Febraban e outras entidades passaram a fazer ativismo político”, diz um integrante da equipe econômica.

Em nota enviada à reportagem, a Febraban diz que “não comenta sobre posições atribuídas a seus associados”. E ressalta: “Sobre o manifesto articulado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e dirigido a várias entidades, o assunto foi submetido à governança da Febraban”.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
As mães em plena pandemia: casal paulista adota cinco irmãos de Serra Talhada
Bolsonaro aumenta IOF para custear novo Bolsa Família
Surto de Covid-19 obriga Presidente da Rússia a ficar em isolamento
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado Eduardo da Fonte (PP), Elias Paim e Diego Martins
Grupo Diario de Pernambuco