Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

INFRAESTRUTURA

Ministro prevê que um quarto da matriz energética brasileira será limpa em 2030

Publicado em: 10/07/2021 08:38

 (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
O governo federal inaugurou a primeira etapa do complexo solar de São José de Belmonte, em Pernambuco, como parte do projeto de ampliar a produção de energia renovável no Brasil. O conjunto de usinas só funcionará integralmente no terceiro trimestre de 2022, quando será considerado o maior gerador de energia solar, com cerca de R$ 3 bilhões em investimentos.

Com uma ocupação de 186,9 hectares, o complexo mantido pela empresa espanhola Solatio foi anunciado em abril de 2019 e, além de Brígida, inaugurada ontem, conta com mais duas usinas solares: Bom Nome, que será inaugurada em abril de 2022; e Belmonte, prevista para iniciar a operação entre julho e setembro do próximo ano. Segundo o MME, juntas, as usinas possuem uma potência instalada de 810 MW, e podem abastecer cerca de 800 mil famílias.

Questionado pelo Correio se a inauguração antecipada do complexo solar de São José do Belmonte tem a ver com as restrições para inaugurações durante o período eleitoral, o Ministério das Minas e Energia informou que a primeira parte do empreendimento já está pronta e vai entrar em operação. “Como fazem parte de um único complexo, foi feita a inauguração. Isso é comum em empreendimentos de grande porte. Nem toda a planta fica pronta ao mesmo tempo. A inauguração foi realizada agora simplesmente pelo fato da primeira parte do empreendimento ter ficado pronta”, acrescentou a pasta.

O complexo solar de São José de Belmonte integra o plano do governo federal de ampliar a produção de energia renovável no Brasil. De acordo com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, o uso de energia renovável no país deverá se expandir, significativamente, na próxima década. “Hoje ainda temos uma dependência de 61% da fonte hidráulica, mas a expectativa é que diminua para 49% nos próximos 10 anos. Nós notamos a expansão das energias renováveis. Em 2014, nós praticamente não tínhamos geração de energia solar e eólica no país e, até 2030, a energia renovável deverá representar 25% da nossa matriz”, disse o ministro.

Segundo levantamento realizado no mês passado pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), o Brasil ultrapassou a marca de 9 gigawatts (GW) de potência operacional da fonte solar em usinas de grande porte e pequenos e médios sistemas instalados em telhados, fachadas e terrenos. De acordo com o estudo, desde 2012, a fonte trouxe mais de R$ 46 bilhões em novos investimentos ao país e gerou mais de 270 mil empregos acumulados.

O CEO da Absolar, Rodrigo Sauaia, explica que um estudo técnico de três anos do MME, da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e do Operador Nacional do Sistema (ONS), em parceria com a entidade do governo alemão Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ), comprova a possibilidade de ampliação de participação das fontes solar e eólica, “limpas, renováveis e competitivas”, em mais de quatro vezes.

“O crescimento das energias renováveis fortalecerá a diversidade e segurança de suprimento elétrico do Brasil, aliviando a pressão sobre os recursos hídricos, cada vez mais escassos e valiosos, bem como reduzindo o uso de termelétricas fósseis, caras, poluentes e responsáveis pelas terríveis bandeiras vermelhas na conta de luz dos brasileiros”, afirma Sauaia.

Apesar de a dependência de hidrelétricas mostrar redução gradativa nos últimos anos no país, a expansão das energias renováveis nunca foi tão importante, e é preciso torná-las acessíveis ao consumidor comum, segundo Romero Oliveira, assessor da Valor Investimento. “Evidentemente, situações como essa (de crise hídrica) estimulam, cada vez mais, a expansão desse tipo de projeto, porém para o consumidor comum ainda é uma energia cara, e dependerá de como o governo vai conseguir estimular, reduzir carga tributária, facilitar regulamentação, entre outras ações que poderiam reduzir os custos de implementação desse tipo de energia”, ressalta o especialista.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Homem com granada mobiliza polícia de Kiev
Manhã na Clube: entrevistas com Eduardo Leite (PSDB),  Sérgio Montenegro e Joaquim Francisco
Bolsonaro investigado: Não aceitarei intimidação
Manhã na Clube: entrevistas com prefeito João Neto (PL), dra Tamires Sales e advogado Rômulo Saraiva
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco