Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

PROTEÇÃO DE DADOS

Justiça proíbe Serasa de vender informações pessoais de cadastrados

Publicado em: 19/07/2021 20:17

 (A decisão tem como base a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)
A decisão tem como base a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
A Serasa Experian está proibida de comercializar dados pessoais de pessoas físicas e jurídicas. A decisão é do juiz José Rodrigues Chaveiro Filho, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT). O magistrado entendeu que, pela Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), a empresa só pode vender as informações com autorização expressa dos proprietários. A Justiça foi provocada por uma ação civil movida pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).
 
Consta na decisão que empresas de qualquer lugar do país que contratam o serviço da Serasa podem obter dados de pessoas físicas como por exemplo CPF, nome, endereço, até três números de telefones e sexo a R$ 0,98 por pessoa. O serviço oferecido também possibilita a criação de filtros, para atingir com maior precisão um público alvo, com possibilidade de o cliente selecionar “sexo, idade, poder aquisitivo, classe social, localização, modelos de afinidade e triagem de risco.

A Serasa tem um cadastro de 150 milhões pessoas físicas. Caso vendesse todos os dados em uma única operação, ganharia R$ 147 milhões. “Ante o exposto, ao tempo em que confirmo a liminar deferida em sede de agravo de instrumento, julgo procedente o pedido inicial para condenar a ré Serasa S.A. a se abster de comercializar dados pessoais dos titulares por meio dos produtos denominados ‘Lista Online’ e ‘prospecção de Clientes’, sob pena de imposição das medidas indutivas, coercitivas, mandamentais ou sub-rogatórias necessárias para assegurar o cumprimento de ordem judicial, conforme legislação processual civil”, determinou o juiz.

A empresa alegou à Justiça que a ação é “precipitada” e baseada em informações superficiais. Acrescentou que o serviço já foi alvo de outras duas ações civis públicas que terminaram de forma favorável à Serasa. Argumentou, ainda, que a venda já ocorre há anos “sem questionamento e com convalidação do (...) Poder Judiciário”, e que não há nenhum prejuízo aos donos dos dados comercializados, “o que é comprovado pela inexistência de reclamações de consumidores, tanto que a própria ação do MPDFT não veio acompanhada de um único descontentamento de titular de dado”, afirmou a defesa.

Consentimento do titular
Já de acordo com o Ministério Público do DF, sob a ótica da LGPD, “fica claro que a ré faz tratamento de dados pessoais de forma totalmente ilegal/irregular gerando prejuízos aos titulares dos dados pessoais”. O juiz concordou com a tese da empresa de que os dados não são sensíveis, mas destacou que, “se extrai do artigo 7º, da LGPD é que o consentimento pelo titular é a regra maior a ser observada para o tratamento de dados pessoais”.

“Nesse sentido, o tratamento e o compartilhamento dos dados pessoais, na forma empreendida pela ré, exigiria a participação ativa e efetiva do indivíduo retratado, mediante manifestação clara do seu consentimento, condição para viabilizar o fluxo informacional realizado, no caso, com caráter manifestamente econômico. Na espécie, como registrado na decisão antecipatória, inexiste o indispensável consentimento em relação à universalidade de pessoas catalogadas”, afirmou o magistrado nos autos.

O juiz do TJDFT ressaltou que, mesmo não se tratando de informações sensíveis, os dados pessoais não são “manifestamente públicos”. A ação foi protocolada em novembro de 2020, pela Unidade de Proteção de Dados e Inteligência Artificial (Espec). A decisão é de 24 de junho.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com o prefeito João Campos (PSB) e o governador Paulo Câmara (PSB)
De origem humilde, potiguar Ítalo Ferreira é o primeiro ouro do Brasil em Tóquio
Manhã na Clube: entrevistas com Ubiracé Elihimas e Frederico Belfort
Manhã na Clube: entrevista com o médico geriatra Marcelo Cabral
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco