Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

JUROS

Se cenário não mudar, juro neutro virá em 2022, indica diretor do BC

Publicado em: 08/04/2021 17:19

 (Segundo Fabio Kanczuk, hoje o BC trabalha com uma taxa nominal neutra de 6,5%, que considera uma taxa real neutra de 3% e uma inflação de 3,5%. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado)
Segundo Fabio Kanczuk, hoje o BC trabalha com uma taxa nominal neutra de 6,5%, que considera uma taxa real neutra de 3% e uma inflação de 3,5%. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado
O Brasil só deve alcançar os juros neutros, que hoje giram em torno de 6,5%, em 2022. Foi o que informou o diretor de Política Econômica do Banco Central (BC), Fabio Kanczuk, nesta quinta-feira (8). Ele lembrou que, hoje, o BC projeta uma "normalização parcial" da taxa básica de juros (Selic) em 2021.

"Pelo que vejo agora, o que vamos fazer é uma normalização parcial da Selic", disse Kanczuk, ao ser questionado sobre o aumento da taxa básica de juros da economia brasileira em evento do banco norte-americano BNY Mellon.

Kanczuk explicou que, se o Comitê de Política Monetária (Copom) "aumentar a Selic sem parar até o juro neutro", o país teria uma inflação "muito baixa" no horizonte relevante para a política monetária, que será exclusivamente o ano de 2022 na próxima reunião do Copom. "Parece que é um aperto excessivo, então tenho que ir mais lentamente", comentou.

Ele concluiu, então, que a "normalização completa" da Selic "deve ser em 2022, não em 2021". Segundo o diretor, hoje o Banco Central trabalha com uma taxa de juros real neutra de 3%, o que levaria a taxa nominal a 6,5% se somada a uma inflação de 3,5%.

O diretor lembrou, no entanto, que as "coisas mudam" e que, consequentemente, o cenário básico do Copom também pode mudar. Por isso, disse que, apesar desses sinais, o Copom não pode se comprometer com nada. "Não estamos comprometidos com nada. A política monetária é livre e pode mudar de acordo com as circunstâncias", comentou.

Na última reunião, em março, o Copom elevou a taxa básica de juros (Selic) de 2% para 2,75% e indicou outra alta da mesma magnitude no próximo mês. O Comitê também afirmou que a Selic passaria por um processo de "normalização parcial" já que, apesar da alta da inflação exigir o aperto monetário, a economia ainda pede estímulos por conta da crise da covid-19. O mercado acredita, então, que a taxa básica de juros vai chegar a 5% em 2021 e avançar para 6% em 2022, de acordo com o Boletim Focus.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 14/04
Vacinas da Johnson & Johnson sob investigação por risco de trombose
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 13/04
De 1 a 5: dicas de decoração para repaginar a casa de forma simples e sem gastar muito
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco