Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

Presidente do BC pede austeridade fiscal no combate à Covid-19

Publicado em: 12/04/2021 16:13

Para Campos Neto, novos gastos podem trazer mais prejuízos do que benefícios para o país hoje
 (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Para Campos Neto, novos gastos podem trazer mais prejuízos do que benefícios para o país hoje (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, voltou a dizer nesta segunda-feira (12/4) que o Brasil precisa de austeridade e seriedade fiscal no combate à pandemia de Covid-19. Ele alegou que, hoje, gastos adicionais podem trazer mais prejuízos do que benefícios para o país.

"Chegamos em um momento do enfrentamento à pandemia em que é preciso passar a mensagem de austeridade fiscal, de seriedade fiscal", afirmou Campos Neto, na Conferência Iberoamericana de Bancos Centrais, promovida pelo Banco da Espanha.

Ele explicou que o Brasil já tem um histórico de "diferentes graus de liberdade" em relação ao controle dos gastos públicos e que, hoje, tem um espaço muito pequeno para novos gastos fiscais, já que saiu mais endividado de 2020 por conta das políticas de enfrentamento à Covid-19. Por isso, disse que, agora, novos gastos podem trazer prejuízos econômicos.

"É muito difícil, neste ponto em que estamos, imaginar que o Brasil e os países emergentes vão ter a mesma capacidade dos países desenvolvidos de formular políticas para enfrentar a crise. Quando se tenta um gasto adicional, a desorganização de preços tem um impacto maior do que o dinheiro que se coloca na economia. Não é producente", afirmou Campos Neto.

O presidente do BC lembrou que, diante desse cenário e da alta da inflação, as taxas futuras de juros já subiram no Brasil. E disse que, apesar de estar ocorrendo em vários países do mundo, esse processo teve um "destaque" no Brasil e na Turquia. Ele explicou que o preço dos alimentos vem sendo pressionado pela alta das commodities e tem um peso maior na inflação dos países emergentes. E lembrou que a alta das commodities pesou mais no Brasil por conta da desvalorização cambial, já que o dólar segue em alta devido às incertezas que rondam o país.

Campos Neto disse, então, que parte desse processo está relacionado ao nível de endividamento do país. "O processo de acumulação de dívida é um processo que tem grande influência sobre o que estamos vendo hoje [em relação à inflação]", comentou.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
ONU pede  investigação independente sobre chacina no Rio
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 07/05
Teich vincula renúncia à pressão de Bolsonaro para usar cloroquina
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 06/05
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco