Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

MERCADO FINANCEIRO

FMI diz que investimento em vacinas 'será pago por si só'

Por: AFP

Publicado em: 07/04/2021 13:15

 (O alerta é que acabar com a crise de saúde ainda é crucial para que a recuperação seja sólida. Foto: Olivier DOULIERY / AFP)
O alerta é que acabar com a crise de saúde ainda é crucial para que a recuperação seja sólida. Foto: Olivier DOULIERY / AFP
O gasto público para acelerar as campanhas de vacinação com o objetivo de acabar com a pandemia de Covid-19 vai gerar lucros e estimular o crescimento, estimou o Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta quarta-feira (7).

"A vacinação será paga por si só, fornecendo um excelente valor ao dinheiro investido na produção global de vacinas e sua distribuição", disse o FMI em seu relatório "Monitor Fiscal", sobre o estado das finanças públicas, divulgado em meio às reuniões semestrais que acontecem nesta semana virtualmente.

Os economistas calculam que se a pandemia for controlada antes do esperado - o que implica a maioria dos países ter um acesso amplo à vacina até o início de 2022 - isso vai gerar um "crescimento econômico mais forte" e mais de um trilhão de dólares em receitas fiscais para as economias avançadas até 2025.

Nesta semana o FMI melhorou suas perspectivas para a economia global, ao projetar um crescimento de 6% para este ano, após a contração de 3,3% em 2020, que marcou a pior queda do PIB em tempos de paz em um século.

Para a América Latina, o Fundo prevê um crescimento de 4,6%, mas alertou que a expansão a longo prazo depende da evolução da pandemia.

O FMI destacou também as respostas rápidas implementadas pelos governos para tentar conter o prejuízo à economia, que somam cerca de 16 trilhões de dólares.

No entanto, alertou que acabar com a crise de saúde ainda é crucial para que a recuperação seja sólida e afirmou que a distribuição de vacinas para os países pobres foi "muito injusta".

No relatório, a instituição destacou a necessidade de uma continuidade do gasto público, mas alertou que os crescentes níveis da dívida fazem com que seja fundamental que as autoridades políticas direcionem bem os auxílios.

O Fundo também reiterou sua sugestão de que os países usem impostos para os mais ricos para financiar seus programas.

"Para ajudar a satisfazer as necessidades de financiamento, as autoridades de políticas públicas poderiam considerar contribuições temporárias para a Covid-19, aplicadas para as rendas mais altas ou à riqueza", afirmou.

O FMI também indicou que é preciso uma "reforma fiscal em nível doméstico e internacional" para gerar os recursos necessários para melhorar o acesso aos serviços básicos, além de reforçar as redes de segurança e os objetivos de desenvolvimento.

A economista-chefe do FMI Gita Gopinat afirmou que é "muito a favor de um imposto mínimo global à renda empresarial", devido à "grande quantidade" de evasão fiscal e de dinheiro transferido para paraísos fiscais.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 23/04
Em Cúpula do Clima, Bolsonaro promete neutralidade de carbono até 2050
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 22/04
Após polêmicas, Superliga Europeia é suspensa
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco