Diario de Pernambuco
Busca

AGRO BRASILEIRO

Embrapa: Brasil será maior exportador de grãos do mundo em cinco anos

Publicado em: 14/03/2021 11:08

 (Em dez anos a participação do Brasil no mercado mundial de alimentos saltou de US$ 20,6 bilhões para US$ 100 bilhões, tendo como destaque carne e soja. Foto: Reprodução/Pixabay)
Em dez anos a participação do Brasil no mercado mundial de alimentos saltou de US$ 20,6 bilhões para US$ 100 bilhões, tendo como destaque carne e soja. Foto: Reprodução/Pixabay
Responsável por produzir uma quantidade de alimentos que atende a 800 milhões de pessoas em todo o mundo, o Brasil deve continuar ampliando sua contribuição para o abastecimento mundial a ponto de se tornar, nos próximos cinco anos, o maior exportador de grãos do planeta, superando os Estados Unidos. A informação está em levantamento feito pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa),

De acordo com a Embrapa, em apenas dez anos a participação do Brasil no mercado mundial de alimentos saltou de US$ 20,6 bilhões para US$ 100 bilhões, tendo como destaque carne, soja, milho, algodão e produtos florestais.

"Olhando os dados dos últimos 20 anos (2000 a 2020), a produção brasileira de grãos cresceu 210%, enquanto a mundial aumentou 60%, O Brasil é o quarto produtor mundial, mas o segundo exportador de grãos, basicamente de soja e milho", disse à Agência Brasil o pesquisador Científico e Gerente de Inteligência da Secretaria de Inteligência e Relações Estratégicas da Embrapa, Elisio Contini.

O maior exportador de grãos em 2020 foram os Estados Unidos com 138 milhões de toneladas. O Brasil está em segundo lugar com 122 milhões de toneladas. "Nos próximos 5 anos o Brasil deverá superar os Estados Unidos em exportação. Com base neste histórico e com os elevados preços internacionais dos produtos, a produção do Brasil deverá atingir a 3% de crescimento mundial", disse.

"E até 2050 a produção brasileira de grãos poderá superar os 500 milhões de toneladas, sendo ainda mais importante para a segurança alimentar do mundo", acrescentou.

A afirmação tem por base o estudo "O Agro brasileiro alimenta 800 milhões de pessoas", divulgado recentemente pela Secretaria de Inteligência e Relações Estratégicas da Embrapa, tendo como autores Elisio Contini e Adalberto Aragão.

Contini lembra que a contribuição brasileira para a alimentação das pessoas é expressa de forma direta e indireta, uma vez que parte da produção de soja e milho tem como destino a alimentação de gado e, consequentemente, a produção de carnes e leite.

"A produção de grãos, de 2011 a 2020, cresceu no Brasil 5,33% ao ano, enquanto a do mundo em 2,03% ao ano. Isto significa que o Brasil cresceu mais do que o dobro do mundo", disse.

Dessa forma, acrescenta o pesquisador, o Brasil tem uma "janela de oportunidades de negócios" por, pelo menos, 20 anos, que deve ser aproveitada. "Afinal, estamos nos tornando uma economia de recursos naturais".

A situação privilegiada do país se deve, entre outros fatores, à grande quantidade de terras aráveis que se encontram no país. "Parte dos 160 milhões de hectares de pastagens pode ser convertida para a produção de grãos, tem regime de chuvas regulares como nos cerrados, líderes mundiais em tecnologia tropical e agricultores competentes", argumentou, ao lembrar que as terras disponíveis para agricultura em outros países, como os Estados Unidos, estão praticamente esgotadas.

Além disso, acrescenta ele, já há algumas tecnologias com potencial de aumentar ainda mais a produção nacional, como sementes melhoradas, insumos eficientes, maquinaria da melhor qualidade no mundo e sistemas de produção eficientes como o plantio direto, integração lavoura-pecuária.

"Falta-nos melhoria na infra-estrutura e marketing dos nossos produtos. A solução para a questão ambiental é vital para as nossas exportações", complementa.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL

Gastos reais com funcionalismo caem para menor nível desde 2008

14/08/2022 às 17h04

Bolsonaro e Lula podem se encontrar em posse de Moraes no TSE

14/08/2022 às 15h51

'Em 100 anos saberá': os sigilos decretados na era Jair Bolsonaro

14/08/2022 às 15h50

Salman Rushdie mostra primeiros sinais de recuperação após ser esfaqueado

14/08/2022 às 15h47

Jessica Watkins, a astronauta candidata a ir à Lua e a Marte

14/08/2022 às 15h45

Europa tem verão com recorde de superfície queimada por incêndios

14/08/2022 às 15h43

Eleições 2022: veja o que pode ou não no dia da votação

14/08/2022 às 15h41

Explosão atribuída ao crime organizado deixa 5 mortos no Equador

14/08/2022 às 14h14

Eduardo Bolsonaro ironiza live de Lula: 'Alguém do marketing vai rodar'

14/08/2022 às 14h09

Waldemar Oliveira parabeniza participantes de Congresso da UVP

14/08/2022 às 13h53

Policial que matou lutador Leandro Lo foi a boate e motel após o crime

14/08/2022 às 13h45

Ipea: Brasil deve encerrar 2022 com índices de extrema pobreza em queda

14/08/2022 às 13h41

Monark defende quem consome pornografia infantil: 'Não sei se é criminoso'

14/08/2022 às 13h39

Entidade alerta para risco de diabetes em gestantes

14/08/2022 às 13h36

Brasil deve encerrar 2022 com índices de extrema pobreza em queda

14/08/2022 às 13h34

Dia dos Pais: separações e reencontros marcam refugiados no Brasil

14/08/2022 às 13h32

Um morto e 20 feridos em forte explosão em Erevan, capital da Armênia

14/08/2022 às 11h22

Prêmio da Mega-Sena vai para quatro apostas

14/08/2022 às 11h20