Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

SETOR EXTERNO

BC: saldo de viagens internacionais está no menor patamar desde 2005

Publicado em: 26/03/2021 16:44 | Atualizado em: 26/03/2021 16:52

O deficit da conta entre receitas de estrangeiros no país e gastos de brasileiros no exterior foi de apenas US$ 28 milhões em fevereiro de 2021 por conta do agravamento da pandemia
 (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
O deficit da conta entre receitas de estrangeiros no país e gastos de brasileiros no exterior foi de apenas US$ 28 milhões em fevereiro de 2021 por conta do agravamento da pandemia (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
A pandemia vem afetando a conta de viagens internacionais desde o ano passado, por conta das restrições e fechamento de fronteiras de vários países. No entanto, em fevereiro de 2021, o deficit do saldo entre receitas de estrangeiros no país e gastos de brasileiros no exterior foi de apenas US$ 28 milhões, o menor desde 2005, quando houve superavit de US$ 16 milhões. Em fevereiro do ano passado, os gastos líquidos com viagens internacionais foram de US$ 403 milhões, o que representa um recuo de 93% na comparação dos dois períodos. Os dados foram divulgados, nesta sexta-feira (26/4), pelo Banco Central (BC).

Segundo o chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central (BC), Fernando Rocha, em fevereiro, as receitas totalizaram US$ 211 milhões e as receitas US$ 240 milhões. Em termos de entradas, o dado do mês passado configura o menor desde 2003, quando a receita foi de US$ 168 milhões. Os gastos de US$ 240 milhões são os mais baixos desde fevereiro de 2004, de US$ 181 milhões. "O valor líquido parcial até 23 de março é de um deficit de US$ 51 milhões", disse.

Rocha destacou, porém, a necessidade de recuperar a trajetória da conta para entender o efeito da pandemia nas viagens internacionais. "Em janeiro de 2020, o deficit foi de US$ 764 milhões. Isso é da magnitude esperada para essa conta antes da pandemia. Historicamente, o saldo negativo é sempre em torno de US$ 900 milhões ou US$ 1 bilhão", explicou.

Em fevereiro do ano passado houve uma queda, com deficit de US$ 403 milhões, já refletindo a pandemia. "Não interna, no Brasil. Mas de países asiáticos e europeus. Isso reduziu o fluxo de turistas desses países para o Brasil e do Brasil para esses países", justificou Rocha. Em março de 2020, esse saldo negativo baixa para US$ 207 milhões e depois os deficits ficam em uma média mensal de US$ 100 milhões, de acordo com o chefe de Estatísticas do BC.


Abaixo da média mensal

Em janeiro, o número foi de US$ 39 milhões e, em fevereiro, de US$ 28 milhões, montantes muito abaixo da média mensal de 2020. "Os dois dados foram bastante influenciados pelas condições da pandemia global. De agora em diante, vamos ver um desempenho diferente, porque, quanto mais a gente avançar no ano, mais a base de comparação vai ter sido afetada pela pandemia", assinalou.

Rocha explicou que somente a partir de abril o resultado refletirá o efeito cheio da pandemia. "Como, em termos percentuais, os dados vão se reduzir muito, será preciso avaliar o nível em si do dado de viagens ao longo de 2021, ou seja, o deficit nominal, para ver se se continua o cenário de restrição ou se haverá reação", disse.







Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 23/04
Em Cúpula do Clima, Bolsonaro promete neutralidade de carbono até 2050
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 22/04
Após polêmicas, Superliga Europeia é suspensa
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco