Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

MERCADO

Com tombo das ações da Petrobras, Bolsa tem maior queda em um ano

Publicado em: 22/02/2021 20:03

 (Foto: Nelson Almeida/AFP)
Foto: Nelson Almeida/AFP
A Bolsa de Valores de São Paulo (B3) caiu 4,87% nesta segunda-feira (22/2), puxada pelas ações da Petrobras, que despencaram mais de 20%, por conta da decisão do presidente Jair Bolsonaro de mudar o comando da empresa. Com isso, o dólar fechou em alta de 1,26%, a R$ 5,45.

As perdas foram sentidas durante todo o dia na B3, com o mercado temendo que a mudança na Petrobras abra o caminho para novas interferências políticas que afetem a rentabilidade das estatais brasileiras. Por isso, também atingiram empresas como o Banco do Brasil e a Eletrobras e fez o Ibovespa bater nos 111 mil pontos na mínima do dia.

O resultado foi um baque de 4,87% no principal índice da B3. É a maior queda desde 23 de março do ano passado, quando o mercado digeria o início da pandemia de covid-19 e das medidas de isolamento social no Brasil. Com isso, o Ibovespa fechou o dia nos 112.667 pontos.

Na Petrobras, o tombo foi de 21,51% nas ações preferenciais e de 20,48% nas ações ordinárias. As ações já haviam caído mais de 6% na sexta-feira, mas derreteram nesta segunda porque a venda das ações da Petrobras foi recomendada por diversos gestores depois que Bolsonaro confirmou a troca no comando da estatal.

O temor dos investidores é de que haja novas mudanças na política da Petrobras, que façam a empresa reduzir sua lucratividade. Por isso, os papeis da empresa, que eram negociados por cerca de R$ 29 até a semana passada, já estão na casa dos R$ 21. Com isso, a Petrobras já perdeu quase R$ 100 bilhões em valor de mercado desde sexta-feira.

A segunda maior queda do pregão foi a do Banco do Brasil (BB). Os papeis do banco caíram 11,65% e são negociados a R$ 28,83, pois os investidores temem que a presidência do BB seja o próximo alvo das interferências de Bolsonaro.

Já o dólar fechou o dia a R$ 5,45, mesmo depois de o Banco Central (BC) intervir no mercado. A moeda chegou a bater R$ 5,51 logo após a abertura do mercado. Por isso, o BC vendeu US$ 1 bilhão em contratos de swaps cambiais para tentar conter a desvalorização do real, o que amenizou a escalada do dólar no fim do dia.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Covid longa preocupa OMS e desperta desafios
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 25/02
Bolsonaro diz não ter briga com a Petrobras
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 24/02
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco