Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

POLÍTICA MONETÁRIA

BC autônomo dá mais liberdade para ideias técnicas, diz Campos Neto

Publicado em: 11/02/2021 13:32

 (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, ao participar de um evento online do JP Morgan, na manhã desta quinta-feira (11), disse que a autonomia do órgão, aprovada ontem pelo Congresso Nacional, é um bom começo para ampliar a transparência. “Quando os diretores têm autonomia, nós também ficamos autônomos de certa forma e temos mais liberdade para dizer e expressar as ideias técnicas que pensamos. Isso é um bom começo para essa preparação”. Disse ainda que a autonomia melhora também o planejamento da autoridade monetária e a confiança do mercado nos dados.

No momento em que a discussão sobre o auxílio emergencial retorna à agenda política, Roberto Campos Neto voltou a lembrar que qualquer medida de distribuição de renda no país, para combater uma nova onda de contaminação do coronavírus, vai precisar de contrapartidas para não comprometer a estabilidade fiscal do Brasil. “Creio que o Banco Central tem sido muito transparente quanto a essa agenda. Sem contrapartida, esses benefícios podem ter um efeito contrário”, comentou.

Ele reforçou o que já havia alertado sobre o risco de "o tiro sair pela culatra". Ou seja, o perigo de a dívida pública continuar a crescer, assim como haver elevação do prêmio de risco que os investidores vão cobrar. E isso pode ter implicação para a política monetária do BC. As contrapartidas, afirmou, podem vir por meio da aprovação pelo Congresso de medidas de contenção de gasto, como as reformas, para que o país tenha uma maneira de economizar recursos para os programas sociais.

Após a aprovação da autonomia do BC, Campos Neto começa a ser considerado o presidente mais longevo, com a possibilidade de ficar nove anos à frente da instituição, mais tempo do que Henrique Meirelles, que permaneceu por oito anos. Isso porque a regra de transição aprovada ontem, no projeto da autonomia, define que o presidente da República deverá indicar um nome para o BC em até três meses após a sanção do projeto. E o escolhido dever ser o atual presidente Roberto Campos Neto.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
PIB brasileiro tem queda expressiva de 4,1%
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 03/03
Secretários estaduais de Saúde pedem mais rigor nas medidas de restrição contra Covid-19
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 02/03
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco