Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

Pesquisa

Indústria de Pernambuco tem queda no mês, mas cresce no acumulado do ano

Publicado em: 14/01/2021 13:24 | Atualizado em: 14/01/2021 18:09

Produção de produtos de higiene e limpeza teve crescimento no acumulado do ano. (Pixabay/Reprodução)
Produção de produtos de higiene e limpeza teve crescimento no acumulado do ano. (Pixabay/Reprodução)

Depois de registrar crescimento em outubro, a produção industrial de Pernambuco voltou a apresentar queda em novembro de 2020 na comparação com o mês anterior. O recuo de 1% foi o terceiro maior entre as 15 localidades analisadas pela Pesquisa Industrial Mensal do IBGE, atrás apenas do Pará (-5,3%) e Mato Grosso (-4,3%). No entanto, o resultado negativo não comprometeu a tendência de crescimento da produção industrial estadual. Na comparação com novembro de 2019, o incremento foi de 10%, o terceiro maior, atrás do Paraná (14%) e Santa Catarina (11,1%). Pernambuco ainda teve o melhor desempenho do Brasil tanto no acumulado do ano, com alta de 3,2%, como também no acumulado dos últimos 12 meses, com crescimento de 2,9%.

Pernambuco só teve resultado pior do que a média nacional na passagem de outubro para novembro, quando o resultado do país foi de crescimento de 1,2%. A alta em novembro sobre o mesmo mês de 2019 foi de 2,8%. No acumulado do ano, o Brasil registrou recuo de 5,5%, enquanto no acumulado dos últimos 12 meses, a queda foi de 5,2%. “Se analisar os dois últimos meses antes de novembro, Pernambuco havia registrado um crescimento significativo, o que acabou gerando estoque. Por isso a indústria não precisou acelerar muito a produção na passagem do mês, mas não é uma queda que prejudique. Inclusive, quando compara com novembro do ano passado, houve uma alta bem significativa”, ressalta Cezar Andrade, coordenador do Núcleo de Economia da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (Fiepe).

 

Na comparação com novembro de 2019, o setor que mais teve alta foi o da Metalurgia, que cresceu 27,1%, seguido de Outros produtos químicos (23,6%) e o de Bebidas (22,4%). Já no acumulado de janeiro a novembro de 2020, segmentos de produtos considerados essenciais no período da pandemia do coronavírus se destacaram: Alimentos, com alta de 11,1%, e Perfumaria, sabões e produtos de limpeza, com incremento de 6,9%. Além disso, o setor de fabricação de produtos de borracha e material plástico cresceu 10,5%.

O crescimento da produção da indústria pernambucana foi impulsionada, principalmente, no segundo semestre de 2020. No acumulado do primeiro semestre, a atividade registrou queda de 3,5%. Já de julho a novembro, a produção teve alta de 10%. “Houve uma aceleração no segundo semestre, por conta da flexibilização da economia. A partir de julho, os setores do comércio voltaram a abrir. Apesar de a indústria não ter fechado em nenhum momento, a reabertura das atividades acarretou em mais encomendas”, explica Andrade. A expectativa é fechar 2020 com saldo positivo para a indústria de Pernambuco. “Dezembro tem impacto das festividades de final de ano. Não tiveram as festas públicas, mas a população faz sua festa privada e existe a procura por determinados produtos”, conclui.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Mundo tem recorde de mortes por Covid-19 em 24 horas
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 27/01
AstraZeneca defende eficácia em idosos depois de questionamentos
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 26/01
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco