Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

Variação mensal

Preço do metro quadrado de imóveis residenciais tem alta no Recife

Publicado em: 07/10/2020 08:00 | Atualizado em: 06/10/2020 16:06

Custos da construção podem influenciar no crescimento dos valores. (Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil)
Custos da construção podem influenciar no crescimento dos valores. (Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil)

O preço médio de venda do imóvel residencial registrou aumento no Recife, na variação mensal, passando de 0,67% em agosto para 1,20% em setembro. O resultado é o terceiro mais alto entre as capitais analisadas pelo Índice FipeZap, atrás apenas de Brasília (1,97%) e Curitiba (1,39%). Além disso, também é maior do que a média nacional, que foi de 0,53%. O valor do metro quadrado na capital pernambucana foi de R$ 6.001. Porém, por outro lado, no acumulado do ano, o Recife foi a única capital que apresentou queda no valor do imóvel residencial, com recuo de 3,76%, enquanto no país houve alta de 2,31%. Já no acumulado dos últimos 12 meses, a capital pernambucana também registrou recuo de 3,49%, o segundo maior, atrás de Fortaleza (-6,27%). No país, o incremento foi de 2,14%.

A pandemia do coronavírus influenciou nos preços de venda dos imóveis residenciais no Recife, tanto na queda no acumulado do ano, como também nos reflexos da alta na variação mensal. “A queda de preço no período foi em função de que algumas empresas, no começo da pandemia, reduziram o preço dos imóveis em estoque e isso influenciou na média do primeiro semestre. Agora o mercado vem crescendo, está em ascendência novamente. Apesar disso, não é uma variação muito grande de preços, as pessoas ainda não têm renda”, explica Avelar Loureiro, presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Pernambuco (Ademi-PE).

Em setembro, no Recife, o Pina foi o bairro que apresentou o maior valor para o metro quadrado, custando R$ 7.941. Jaqueira (R$ 7.418), São José (R$ 7.284), Ilha do Leite (R$ 7.032) e Rosarinho (R$ 6.642) completaram a lista dos locais mais caros e tiveram os preços acima da média da capital pernambucana. Já o Derby (R$ 3.923), San Martin (R$ 3.763), Macaxeira (R$ 3.623), Engenho do Meio (R$ 3.483) e Arruda (R$ 3.269) foram as localidades que tiveram o valor mais barato do metro quadrado.

Além de um aumento na demanda, existe outro fator que promete pressionar o valor do metro quadrado no Recife. “O custo da construção está aumentando, o IGPM está na casa dos 17%, puxando para cima. Caso essa pressão inflacionária não seja rebelada, vai ter recomposição de preços. Vai ter crescimento no valor com queda no volume de vendas porque a renda não acompanha. Apesar de Pernambuco não ter dos maiores preços do imóvel do Brasil, mostrando que tem uma competição maior entre as construtoras, o que favorece o comprador, a pressão dos custos pode elevar o valor”, ressalta Loureiro.

Jaboatão

Além das capitais, o Índice FipeZap também acompanha outras cidades brasileiras e mais uma de Pernambuco desponta na lista. Em Jaboatão dos Guararapes, houve recuo no preço médio do imóvel residencial na variação mensal, passando de 1,22% em agosto para 1,12% em setembro. No acumulado do ano, a queda é de 3,93%, enquanto no acumulado dos últimos 12 meses, a retração chega a 5,22%. O valor médio do metro quadrado foi de R$ 4.459.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Resumo da semana: segunda onda da pandemia, drones na eleição e campanha sem aglomeração
Rhaldney Santos entrevista João Paulo (PCdoB)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão
Rhaldney Santos entrevista Dr Carlos Romeiro, ortopedista
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco