Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

Pandemia

Parte do Agreste e Sertão avança mais uma etapa na flexibilização

Publicado em: 05/10/2020 08:00 | Atualizado em: 02/10/2020 18:30

Movimentação no gastrobar O Botequim Relojoeiro, em Garanhuns, promete crescer com ampliação do horário de funcionamento. (Foto: O Botequim Relojoeiro/Divulgação)
Movimentação no gastrobar O Botequim Relojoeiro, em Garanhuns, promete crescer com ampliação do horário de funcionamento. (Foto: O Botequim Relojoeiro/Divulgação)

Municípios do Agreste e do Sertão de Pernambuco avançam para a etapa nove do plano de flexibilização das atividades econômicas a partir desta segunda-feira. As Gerências Regionais de Saúde (Geres) de Garanhuns, Arcoverde, Salgueiro, Petrolina e Serra Talhada terão a liberação de eventos sociais e culturais, para 100 pessoas ou 30% da capacidade do estabelecimento. Além disso, os serviços de alimentação poderão funcionar das 6h até meia noite e com capacidade ampliada para 70%. Desta forma, eles se igualam à etapa que se encontram a Região Metropolitana do Recife, Zonas da Mata Norte e Sul e Caruaru, que não vão avançar e seguem na etapa nove.

A expectativa é que a nova flexibilização traga resultados positivos tanto no movimento de clientes como também no faturamento. Sabrina Santos, sócia-proprietária do restaurante O Relojeiro e do gastrobar O Botequim Relojoeiro, ambos em Garanhuns, espera fortalecer a recuperação das perdas ocorridas durante o período de isolamento social. "Com o fechamento por conta da pandemia, o restaurante ainda funcionou com 30% do seu faturamento com o delivery, mas o gastrobar não compensou e ficou fechado. Com a reabertura inicial valendo até às 20h, O Relojoeiro foi a 70% do faturamento anterior à pandemia. Foi uma vitória o movimento e era uma pena ter que tirar os clientes às 20h. Já o O Botequim Relojoeiro só atingiu 50% porque não tinha giro pelo horário. Mas quando o horário ampliou para 22h, atingimos os 70%", explica.

Agora, com a liberação de funcionamento até meia noite, a estimativa é ter uma recuperação mais efetiva. "Esperamos que a gente possa se reerguer porque não está fácil, os empresários foram pegos de surpresa. Conseguimos passar por esse período sem demitir funcionário, mas pegamos empréstimo para mantê-los e para repor o prejuízo que tivemos com a perda de estoque. Só no Botequim foi cerca de R$ 20 mil, com bebidas e perecíveis vencidos. Agora nossas expectativas são as melhores, sabemos que vamos passar por isso", garante Sabrina Santos.

Já as Gerências Regionais de Saúde de Ouricuri e Afogados da Ingazeira também não avançam nesta semana e permanecem na etapa que se encontram, a oito. A expectativa, segundo Bruno Schwambach, secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, é que o avanço para a etapa nove aconteça no dia 12 de outubro. "Fizemos um planejamento de 11 etapas no plano de convivência e os dados da saúde continuam demonstrando tendência de estabilização e queda, o que permite continuar os avanços. Cada Geres deve ficar 15 dias em cada etapa nesta fase final", conclui.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Luta por representatividade: candidatas negras tentam reescrever a história
Resumo da semana: segunda onda da pandemia, drones na eleição e campanha sem aglomeração
Rhaldney Santos entrevista João Paulo (PCdoB)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco