Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

Oportunidade

Pandemia abre portas para quem quer empreender

Publicado em: 13/10/2020 12:25 | Atualizado em: 13/10/2020 13:04

Aos 80 anos, Arsene Amaral passou a empreender após ver oportunidade no período de crise sanitária. (Foto: Divulgação)
Aos 80 anos, Arsene Amaral passou a empreender após ver oportunidade no período de crise sanitária. (Foto: Divulgação)
A instabilidade econômica provocada pela pandemia da Covid-19 fez com que muitos empreendedores precisassem se reinventar, mas também criou oportunidades para pessoas que buscavam criar o próprio negócio. A olindense Arsene Bezerra do Amaral, de 80 anos, foi uma delas. Passou a vida sonhando em empreender, mas só conseguiu realizar o antigo desejo durante o período de crise sanitária no Brasil. Isolada por fazer parte do grupo de risco da doença, pensou sobre o que poderia fazer para não ficar parada e decidiu vender saladas. Com a ajuda dos filhos e netos, comanda o Cozinha no Pote, que surgiu para atender às demandas de famílias que estavam mais tempo em casa e buscavam praticidade na hora das refeições.

No segundo quadrimestre de 2020, período considerado crítico na curva da Covid-19 no país, foram abertas 1.114.233 empresas, de acordo com o mais recente boletim Mapa de Empresas, do Ministério da Economia. A quantidade representa um aumento de 6% em relação ao primeiro quadrimestre e aumento de 2% quando comparado com o segundo quadrimestre de 2019. No mesmo período, foram fechadas 331.569 empresas, uma queda de 6,6% no quantitativo de empresas fechadas, comparando com o primeiro quadrimestre do ano e queda de 17,1% em relação ao mesmo período no ano anterior. Em Pernambuco, entre maio e agosto, foram registradas 31.155 empresas. No mesmo período, 9.232 negócios fecharam.

Um levantamento feito pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) também apontou o crescimento no número de microempreendedores individuais (MEIs) mesmo durante a pandemia. Entre os meses de março e abril, 3.032 novos cadastros foram formalizados em Pernambuco, chegando, na época, a 330 mil MEIs. Agora, até o dia 7 de outubro, são 363.508 microempreendedores individuais no estado.

O sonho de formalizar um negócio acompanhou Arsene durante toda a vida. “Passei muitos anos me dedicando a casa e aos filhos, mas sempre quis empreender. Na pandemia, trancada em casa, decidi tirar do papel esse sonho. A empresa está tomando forma graças aos meus filhos e netos, que têm me ajudado muito com as burocracias e com a divulgação. Começamos a vender as saladas em pote em abril, logo no começo do isolamento, porque vi uma oportunidade, sabendo que as famílias estavam em casa”, conta a empreendedora. “Amo cozinhar e trato todos os pedidos com muito carinho e amor. Após a pandemia, queremos ter um espaço físico e aumentar o cardápio”.

Lentidão para abrir uma empresa

Além de mostrar o número de empresas abertas no segundo quadrimestre do ano, o Mapa das Empresas revela ainda o tempo de abertura delas. Pernambuco é um dos estados onde mais se demora para registrar um negócio, ocupando a 25ª posição entre as unidades federativas brasileiras. O tempo para abertura de uma empresa no país foi, em média, de dois dias e 21 horas, o que representa redução de um dia (25,8%) em relação ao primeiro quadrimestre do ano.

Em Pernambuco, o tempo médio de abertura do negócio é de quatro dias, um aumento de mais 19 horas em relação aos primeiros meses do ano. A Bahia registrou o maior tempo de abertura de empresas no Brasil: sete dias e 18 horas, ainda assim há uma diminuição de dois dias e 14 horas (25,0%), comparando com o período anterior. Já Goiás é o estado com o menor tempo de abertura de empresas: um dia e uma hora, com queda de 11 horas (30,6%) em relação ao primeiro quadrimestre.

Entre as capitais brasileiras, o Recife também aparece no fim da fila, como uma das cidades com maior tempo para a abertura de um negócio. Florianópolis se destaca como a mais rápida, com cinco horas. Goiânia, com 20 horas, fica entre as primeiras colocadas do ranking, concluindo o processo em menos de um dia. Já a capital pernambucana ocupa a 25ª posição, com tempo médio de três dias e 19 horas, uma variação de mais um dia e duas horas em relação ao período de janeiro a abril deste ano. Salvador registrou o pior desempenho entre as capitais, com nove dias e 17 horas.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Polícia Federal vai usar drones para fiscalizar irregularidades nas eleições
Rhaldney Santos entrevista Dr. João Gabriel Ribeiro, neurocirurgião
Rhaldney Santos entrevista Armando Sérgio (Avante)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #179 - Coração dos vertebrados
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco