Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

COTAÇÃO

Bolsa fecha em queda de 0,75% e dólar sobe 0,32% a R$ 5,64

Publicado em: 16/10/2020 19:01

 (Foto:  Spencer Platt/Getty Images/AFP - 7/3/16)
Foto: Spencer Platt/Getty Images/AFP - 7/3/16

A Bolsa de Valores de São Paulo (B3) fechou em queda nesta sexta-feira (16/10) e o dólar, com alta de 0,32% cotado em R$ 5,64. O Ibovespa, principal índice de lucratividade da bolsa paulista, recuou 0,75% aos 98.309 pontos. A perda pontual, no entanto, não anulou os ganhos de duas semanas seguidas de alta. Em outubro, o Ibovespa acumula alta de 3,92%. No ano, a queda acumulada é de 14,99%. 

O movimento do pregão de hoje foi pressionado pela desvalorização dos papéis da Petrobras e de bancos. Juntos, a estatal e as instituições financeiras respondem por 23,39% da carteira teórica do Ibovespa. A petroleira seguiu a baixa nos preços do petróleo. O barril do Brent caiu 0,83% a US$ 42,80, enquanto o barril do WTI recuou 0,51% a US$ 40,75. Assim, as ações ordinárias da Petrobras recuaram 2,48%, cotadas em R$ 19,30, e as preferenciais caíram 2,13%, precificadas em R$ 19,33.

Para o economista da Messem Investimentos Gustavo Bertotti, o movimento do petróleo é reflexo das novas medidas restritivas anunciadas na Europa e nos Estados Unidos, por conta do aumento dos casos de covid-19. “Petróleo é balizador da retomada de mercados. O aumento dos casos tem preocupado os investidores, o que interrompeu o tom de recuperação que vinha na bolsa bolsa brasileira”, disse.

O setor financeiro e educacional também recuaram. “Algumas ações do setor de educação caíram bastante, cerca de 4%, também decorrente desses novos casos de contaminação. Isso deve pesar na abertura do mercado na próxima segunda-feira”, afirmou. A expectativa em relação às eleições norte-americanas e o impasse sobre o pacote de estímulo do governo dos Estados Unidos por conta do quadro eleitoral devem aumentar a volatilidade dos mercados na semana que vem, segundo Bertotti.

No mercado doméstico, a preocupação é com as contas públicas. “A relação dívida/PIB (Produto Interno Bruto) está crescendo muito, por isso a desvalorização da moeda ante o dólar. Embora haja perspectiva de injeção de US$ 1,3 bilhão de capital estrangeiro em outubro, o deficit é muito grande. Por isso, o dólar não perde força”, ressaltou.

O dólar comercial subiu 0,32% a R$ 5,642 na compra e a R$ 5,643 na venda. O dólar futuro com vencimento em novembro registra alta de 0,71%, a R$ 5,656 no after-market, após o fechamento do mercado, o que indica a tendência da moeda. No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 subiu 13 pontos-base a 3,42%, o DI para janeiro de 2023 avançou 16 pontos-base a 4,81%, o DI para janeiro de 2025 teve alta de nove pontos-base a 6,63% e o DI para janeiro de 2027 fechou com variação positiva de seis pontos-base a 7,54%.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Rhaldney Santos entrevista Dr. Felipe Dubourcq, urologista
Polícia Federal vai usar drones para fiscalizar irregularidades nas eleições
Rhaldney Santos entrevista Dr. João Gabriel Ribeiro, neurocirurgião
Rhaldney Santos entrevista Armando Sérgio (Avante)
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco