Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Economia

AMAZÔNIA

Aliança inédita entre ONGs e agronegócio pressiona Bolsonaro contra desmatamento

Publicado em: 15/09/2020 19:44 | Atualizado em: 15/09/2020 20:18

 (Foto: Daniel Nepstad/Divulgação )
Foto: Daniel Nepstad/Divulgação
Organizações de preservação ambiental e empresas ligadas ao agronegócio se uniram numa aliança inédita, formada por 230 entidades, para pressionar o governo federal com um conjunto de propostas a fim de deter o desmatamento que destrói a floresta amazônica. O documento foi entregue nesta terça-feira (15) ao presidente Jair Bolsonaro e ao vice-presidente Hamilton Mourão, além dos ministérios da Agricultura, Meio Ambiente, Economia e Ciência e Tecnologia. As propostas chegaram ainda às mãos de deputados e senadores do Congress Nacional, ao parlamento europeu e embaixadas de países europeus. 

Do lado ambiental, a Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura reúne entidades como WWF Brasil, WRI Brasil, TNC, Imazon e Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam). Já no setor do agronegócio e da indústria, estão companhias como JBS, Klabin, Marfrig, Amaggi, Basf, Danone, Natura e Unilever. O grupo se define como "um dos raros foros de diálogo entre o agronegócio e ambientalistas". 

Segundo o documento obtido com exclusividade pelo jornal Estado de S. Paulo, seis ações foram elaboradas para deter o desmatamento. A primeira delas visa reduzir o desmatamento de forma permanente pede a retomada e intensificação da fiscalização, com punição pelos crimes ambientais identificados. Uma segunda medida cobra a suspensão dos registros do Cadastro Ambiental Rural (CAR) que incidem sobre florestas públicas e responsabilização por eventuais desmatamentos ilegais. 

A terceira ação prevista cobra a destinação de 10 milhões de hectares à proteção e uso sustentável, com a meta de selecionar, num prazo de 90 dias, a partir do Cadastro Nacional de Florestas Públicas, a terra que possa ser designada como área protegida de uso restrito e de uso sustentável em regiões sob forte pressão de desmatamento. Uma quarta proposta prevê que a oferta de financiamentos passe a adotar critérios socioambientais. 

Em uma quinta ação, as empresas e associações pedem total transparência e eficiência às autorizações de supressão da vegetação. A sexta e última proposta requer a suspensão de todos os processos de regularização fundiária de imóveis com desmatamento após julho de 2008, até que as áreas estejam plenamente recuperadas.

Para o diretor executivo do Ipam, André Guimaraes, representante da Coalizão Brasil, estas são medidas que podem ser implantadas imediatamente, gerando resultados permanentes. 

"O desmatamento descontrolado é um mau negócio para o País como um todo. Cria instabilidade ao País, ao clima, ao meio ambiente, aos empresários. Quem ganha com isso é quem opera na ilegalidade", diz Guimarães. "O que nós precisamos hoje no Brasil é de mais vozes sensatas e equilibradas, para uma sociedade que construa respostas e mude posturas do próprio setor privado. Estamos construindo consensos". 

Com informações do jornal Estado de S. Paulo. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
De 1 a 5: Cuidados na saúde ocular das crianças
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #159 - Lesmas, Minhocas e Planárias
Rhaldney Santos entrevista a ginecologista Altina Castelo Branco
Pantanal: o pior incêndio da história
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco