Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de DP+Ciência

MEIO AMBIENTE

Estudo prevê extinção em massa da vida marinha se aquecimento persistir

Por: AFP

Publicado em: 28/04/2022 19:00

 (Foto: Reprodução/Pixabay)
Foto: Reprodução/Pixabay
Até o ano 2300, a vida nos oceanos enfrentará uma possível mortalidade em massa comparável às grandes extinções da Terra se a humanidade não conseguir reduzir as emissões de gases de efeito estufa, alerta um estudo publicado na revista Science nesta quinta-feira (28).

Mas limitar o aquecimento global a 2°C acima dos níveis pré-industriais evitará tal catástrofe, disseram os autores do artigo, Justin Penn e Curtis Deutsch, ambos ligados à Universidade de Washington e à Universidade de Princeton.

Os cientistas usaram modelos ecofisiológicos para pesar os limites físicos das espécies em relação às temperaturas projetadas do mar e ao esgotamento dos níveis de oxigênio, uma tarefa particularmente desafiadora devido à falta de pesquisas anteriores sobre o assunto.

Os resultados foram alarmantes: se o aquecimento global continuar como está, os ecossistemas marinhos ao redor do planeta poderão sofrer uma extinção em massa comparável à do final do Permiano, conhecida como a "Grande Morte".

Isso aconteceu há 250 milhões de anos e levou ao desaparecimento de mais de dois terços da fauna marinha, devido ao aquecimento e ao esgotamento do oxigênio, condições semelhantes às de hoje.

Enquanto os oceanos tropicais perderiam a maioria das espécies, muitas migrariam para latitudes mais altas para sobreviver.

Por outro lado, as espécies polares desapareceriam em massa, pois seus tipos de habitat desapareceriam completamente do planeta.

Limitar o aquecimento a 2°C, o limite superior da meta estabelecida pelo Acordo de Paris, "reduziria a gravidade das extinções em mais de 70%, evitando uma extinção em massa marinha", diz o documento.

A meta estabelecida de limitar o aquecimento a 1,5°C é impossível de alcançar com os atuais compromissos internacionais, de acordo com especialistas em clima da ONU.

"Como as extinções marinhas não progrediram tanto quanto as terrestres, a sociedade tem tempo para virar a maré em favor da vida marinha", escreveram os cientistas Malin Pinsky e Alexa Fredston em um comentário.

"Exatamente onde o futuro se encontra entre o melhor e o pior cenário será determinado pelas escolhas que a sociedade faz não apenas sobre as mudanças climáticas, mas também sobre a destruição de habitats, pesca excessiva e poluição costeira”, completaram.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Soldado russo se declara culpado por crime de guerra na Ucrânia
Manhã na Clube: entrevista com Maria Zilá Passo, advogada especialista em direito da saúde
Fechamento de escolas durante pandemia pode gerar prejuízos por décadas no Brasil
Cada vez mais brasileiros procuram a medicina tradicional chinesa
Grupo Diario de Pernambuco