Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

MEIO AMBIENTE

Ambientalistas cobram mais rigor contra desmatamento na Amazônia

Publicado em: 01/08/2022 22:06

 (Foto: Christian Braga / Greenpeace)
Foto: Christian Braga / Greenpeace
Ambientalistas criticam a atuação do governo federal na proteção da Amazônia diante do aumento do número de queimadas em julho. Um dos pontos levantados é de que as ações públicas estão aquém do necessário para combater o problema.

Nesta segunda-feira (1), o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgou que foram registrados 5.373 focos de calor na Amazônia apenas no último mês. A somatória do ano já atingiu mais de 12.906 focos de queimadas entre o início de janeiro e o fim de julho, um aumento de 14% em comparação ao mesmo período de 2021.

Segundo Edegar de Oliveira, diretor de Conservação e Restauração do WWF-Brasil, o alto número de queimadas representa a “falta de ações concretas de controle”, tanto para a Amazônia quanto para outros biomas.

Os dados sobre o cerrado também preocupam. Foram detectados 17.582 focos de queimadas entre o início de janeiro e o fim de julho - um aumento de 6% em comparação ao recorte do ano passado e 24% acima da média dos últimos 10 anos. A área queimada em junho foi de 11.701 km², um aumento de 16% em comparação a junho do ano passado. Ao todo já são 21.346 km² devastados.

"Este bioma, já perdeu mais de 50% da vegetação original e continua sofrendo pressão de várias frentes, impactando diretamente nos níveis de água do país e na perda das espécies únicas da região", afirma Edegar de Oliveira.
 
Impunidade
 
Em sobrevoo pela região Sul do Amazonas e por Rondônia, o Greenpeace Brasil constatou, além dos focos de incêndio, o início de queimadas em grandes áreas. Rômulo Batista, porta-voz do Greenpeace Brasil, destaca que 90% das áreas desmatadas são usadas para agricultura e pecuária.

O governo federal publicou um decreto em junho que suspende a permissão do uso de fogo em todo o território nacional até o fim deste ano. Para o porta-voz do Greenpeace Brasil, no entanto, a medida não surtiu efeito. "Se a pessoa já desmatava ilegalmente, proibir o fogo não muda nada. Desde junho é ilegal e nada acontece", avalia.

“Vivemos o descaso histórico, além do que vimos nos últimos meses tanto o Legislativo quanto o Executivo até apoiando essas atividades, trazendo um senso de impunidade”, acrescenta Rômulo.

A reportagem entrou em contato com o Ministério do Meio Ambiente, mas não obteve retorno até a mais recente atualização desta reportagem.

Impacto eleitoral
 
De acordo com Rômulo Batista, outro aspecto que deve ser levado em conta é o aumento histórico de desmatamento no período eleitoral. “Isso acontece porque aquele que desmata não sabe quem vai ser o próximo governo, então não liga para consequências. Podemos ver pelo abandono de investimento no meio ambiente. Infelizmente, é preocupante para o futuro."

No entanto, Batista ressaltou a importância das eleições de outubro para a pauta ambiental no país. “É uma chance de mudar o país. Temos a oportunidade nas urnas de pensar qual Amazônia queremos, de mostrar a importância de uma das maiores florestas do mundo e provar que o Brasil enxerga o bioma como uma riqueza em pé através do voto.” 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevistas com dr. Heitor Medeiros e André Navarrete (Innovation Meeting)
Em busca de água, indígenas brasileiros encontram novo lar
Manhã na Clube: entrevista com Carlos Veras (PT), deputado federal
China executa maiores exercícios militares em décadas
Grupo Diario de Pernambuco