ASSÉDIO MORAL

Santander é condenado a pagar R$ 275 milhões por danos morais coletivos

Publicado em: 20/07/2022 22:08

 (Foto: Divulgação/Procon MS)
Foto: Divulgação/Procon MS
O banco Santander foi condenado a pagar indenização de R$ 275 milhões por danos morais coletivos em razão de metas abusivas e assédio moral que resultaram em adoecimentos mentais dos funcionários. A decisão da 1ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT-10), é resultado de uma ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT).

Além do valor em dinheiro, a determinação judicial também obriga o Santander a não adotar metas abusivas, nem permitir, tolerar ou praticar, por seus gestores e prepostos, práticas que configurem assédio moral, como humilhações, xingamentos, ameaças de demissões, constrangimentos, coação, agressão, perseguição, entre outros.

De acordo com a sentença, o Banco Santander S.A está entre as empresas que mais geram adoecimentos mentais no Brasil, uma vez que, de 6.763 bancários afastados, entre 2012 e 2016, por doença e que recebem auxílio do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), 26,38% são ou foram empregados da instituição financeira, totalizando 1.784 trabalhadores. “Se o réu [Santander] fosse posicionado na relação de maiores incidências de transtornos mentais ocupacionais, ocuparia a sétima posição, a frente de atividades econômicas inteiras como hipermercados e telemarketing”, explicou a decisão.

Depoimentos indicam o abalo psicológico

A decisão do desembargador Dourival Borges de Souza Neto, do TRT-10, pontuou que os funcionários ouvidos durante o processo detalharam os problemas vividos na empresa. “Os diversos depoimentos transcritos na sentença dão nítida ideia do abalo emocional e psíquico é resultante da sistemática organizacional de fixação de metas de produção, mediante cobrança truculenta pelos gestores, seja diretamente ao empregado ou por meio de reuniões com exposição vexatória, cujas metas deveriam ser cumpridas a todo custo”.

Defesa do Santander

O Santander, em defesa, alegou que dispõe de conduta institucional contrária ao assédio moral, mas a decisão observou que não existe uma efetividade da empresa em acabar com essas condutas abusivas.

As decisões judiciais se aplicam em todas as agências e empregados do Banco Santander S.A no Brasil.

O Correio procurou o Santander — por email e telefone da assessoria de imprensa da empresa — e perguntou se a instituição tem interesse de se posicionar sobre a condenação, mas, até a publicação desta matéria, a empresa não enviou uma resposta.

O espaço segue aberto para possíveis manifestações.

Assédio moral causa dano à economia e sociedade

Dados apurados pelo MPT em apenas uma das agências do Santander, mostram que 43% dos empregados declararam já “ter pensado em dar fim à sua vida". Outros resultados da pesquisa, na mesma unidade, apontam que 43% dos colaboradores sente-se inútil em sua vida, 86% têm dificuldade de pensar claramente e de tomar decisões, 100% sentem-se triste, 86% dormem mal, 100% sentem-se nervosos, tensos e preocupados, 86% assustam-se com facilidade e 43% têm tremores nas mãos.

Essa pesquisa se deu por meio de avaliações de sofrimento mental aplicadas nos autos dos processos que foram ajuizados em 2014 e 2017 pelo MPT. Na ocasião, duas ações públicas foram apresentadas após o Ministério ter comprovado em inquéritos civis a prática de assédio moral e outras violações aos direitos fundamentais dos bancários.

Em 2019, o Juiz da 3ª Vara do Trabalho de Brasília Gustavo Chehab julgou parcialmente procedente as ações civis públicas ressaltando que “em 2014, a média de afastamentos por acidente e doença mental ocupacional no Santander foi de dois empregados por dia” e que se for levando “em conta apenas os dias úteis (segunda-feira a sexta), são quase três trabalhadores por dia de trabalho”, ou seja, “em média, a cada 2h48 um empregado do réu desenvolveu doença ocupacional mental”.

A decisão de primeiro grau alertou que, além do dano causado ao trabalhador, o adoecimento e consequente afastamento do trabalho também geram danos à economia e à sociedade “entre 2010 e 2015 é possível estimar os gastos totais previdenciários em R$ 57,4 milhões”.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL

Menino de 2 anos entra em máquina de pegar pelúcias no Rio

18/08/2022 às 13h20

Sorvetes Häagen-Dazs são recolhidos por suspeita de substância tóxica

18/08/2022 às 12h48

Celular explode enquanto criança assistia a vídeo no Ceará

18/08/2022 às 12h34

Quatro pessoas são presas com uma tonelada de cabos de cobre

18/08/2022 às 10h44

Fontes renováveis na matriz energética devem aumentar em 2022, diz MME

18/08/2022 às 10h02

Sérvia e Kosovo mantêm diálogo sob a égide da UE

18/08/2022 às 09h48

Serviços no Rio ainda não foram normalizados após ataque de hacker

18/08/2022 às 09h36

Termina nesta quinta-feira prazo para pedir voto em trânsito

18/08/2022 às 09h05

Cinco estados tiveram mais de 20 mil ações policiais durante pandemia

18/08/2022 às 09h02

Pensão atrasada: mãe de Eliza Samúdio fala sobre decreto de prisão de Bruno

17/08/2022 às 22h48

OMS investiga se rápida propagação da varíola do macaco se deve a mutações

17/08/2022 às 22h44

Desmatamento na Amazônia Legal bate recorde dos últimos 15 anos

17/08/2022 às 22h40

Confira o resultado do concurso 2511 da Mega-Sena; prêmio é de R$ 3,1 milhões

17/08/2022 às 22h36

Brasil tem 247 mortes e 21.927 mil casos de Covid-19 em 24 horas

17/08/2022 às 19h46

Investimento pode chegar a R$ 6 milhões, e inscrições vão até setembro

Petrobras lança edital para empresas de tecnologia e startups

17/08/2022 às 19h09

Máscara deixa de ser obrigatória em aeroportos e voos no Brasil

17/08/2022 às 18h33

Quilombolas serão recenseados pela primeira vez na história

17/08/2022 às 16h00

Receita deflagra uma operação em SP e RS contra sonegação de tributos

17/08/2022 às 11h01