VIOLÊNCIA

Mais testemunhas acusam cirurgião plástico de práticas criminosas

Publicado em: 20/07/2022 09:44

 (Foto: Reprodução/Vídeo)
Foto: Reprodução/Vídeo
O cirurgião plástico Bolívar Guerrero Silva, 63, teve a prisão temporária mantida pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) durante a audiência de custódia realizada ontem. Ele é suspeito de manter uma paciente em cárcere privado com a intenção de ocultar os erros médicos cometidos. Preso na segunda-feira, o médico foi levado até o presídio de Benfica, localizado na capital carioca, para cumprir a determinação da Justiça.

Segundo o site G1, oito pacientes foram até a Delegacia de Atendimento à Mulher de Duque de Caxias (RJ), cidade onde fica o hospital em que o cirurgião atendia, para relatar erros nos procedimentos feitos por Silva. Uma das mulheres ainda denunciou que foi operada por Kellen Cristina Queiroz Santos, técnica de enfermagem e auxiliar do médico equatoriano. Ontem, a profissional esteve na delegacia na condição de testemunha.

A dona de casa Ana Cláudia Gonçalves, 49 anos, contou sua experiência após operar com Bolívar Silva no Hospital Santa Branca, em 2019: "Eu tive duas paradas cardíacas, fui parar na UPA. Necrosou, entendeu? E cheguei quase morta ao hospital. Estou com defeito, a minha barriga está toda torta, o meu umbigo está todo torto, e eu estou com sequela. Ele não me operou. Quem me operou foram as enfermeiras, ele estava lá só para me auxiliar", relatou.

O cirurgião equatoriano já havia sido impedido de exercer a medicina no último ano. Entre as violações, Silva teria infringido o artigo do Código de Ética médico que proíbe "obter vantagem pelo encaminhamento de procedimentos, pela comercialização de medicamentos, órteses, próteses ou implantes de qualquer natureza" ou "exercer simultaneamente a Medicina e a Farmácia". Ele também foi punido por deixar de "denunciar atos que contrariem os postulados éticos à comissão", de "cumprir as normas emanadas dos Conselhos Federal e Regionais de Medicina" e de "atender às suas requisições administrativas, intimações ou notificações no prazo determinado".

A punição foi aplicada pelo Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj) em dezembro de 2021 e teve prazo até o dia 19 de janeiro deste ano, durando menos de um mês. Segundo o Cremerj, Bolívar Silva violou cinco artigos do Código de Ética que rege o Conselho Federal de Medicina (CFM).

Apesar das suspeitas, o registro do médico no site do Conselho Federal de Medicina ainda consta como regular. O Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj) abriu sindicância para apurar o caso.

Em nota, a diretoria geral do Hospital Santa Branca alegou que as acusações de cárcere privado são "infundadas". Em janeiro de 2017, a unidade de saúde foi parcialmente interditada pela Secretaria Estadual de Saúde do Rio. A vigilância local alegou, na época, que a Central de Material Esterilizado (CME) não tinha "estrutura física" e apresentava "processos de trabalho inadequados" para o funcionamento.

Além das acusações que enfrenta atualmente, Bolívar Guerrero Silva soma pelo menos 19 processos judiciais. Em 2010, chegou a ser preso pela Polícia Civil do Rio de Janeiro. Na época, o cirurgião plástico foi um dos nove médicos detidos na operação Beleza Pura. As acusações eram de "falsificar, corromper, adulterar ou alterar produto destinado a fins medicinais". Silva ainda foi acusado de associação criminosa e de "crimes contra as relações de consumo". Os acusados responderam pela comercialização de medicamentos piratas e sem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Apesar dos crimes atribuídos a ele, Bolívar Guerrero Silva tinha uma grande quantidade de fãs em suas redes sociais, acumulando mais de 40 mil seguidores. Em um vídeo, uma funcionária, que se declarou como a responsável por administrar os canais on-line do médico, implorou para que todas as "bolivetes" publicassem relatos positivos sobre o médico.

"É muita maldade, ruindade. Estas mulheres já acostumaram a ganhar dinheiro nas costas dele (sic)", diz em um trecho. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL

Quatro pessoas são presas com uma tonelada de cabos de cobre

18/08/2022 às 10h44

Fontes renováveis na matriz energética devem aumentar em 2022, diz MME

18/08/2022 às 10h02

Sérvia e Kosovo mantêm diálogo sob a égide da UE

18/08/2022 às 09h48

Serviços no Rio ainda não foram normalizados após ataque de hacker

18/08/2022 às 09h36

Termina nesta quinta-feira prazo para pedir voto em trânsito

18/08/2022 às 09h05

Cinco estados tiveram mais de 20 mil ações policiais durante pandemia

18/08/2022 às 09h02

Pensão atrasada: mãe de Eliza Samúdio fala sobre decreto de prisão de Bruno

17/08/2022 às 22h48

OMS investiga se rápida propagação da varíola do macaco se deve a mutações

17/08/2022 às 22h44

Desmatamento na Amazônia Legal bate recorde dos últimos 15 anos

17/08/2022 às 22h40

Confira o resultado do concurso 2511 da Mega-Sena; prêmio é de R$ 3,1 milhões

17/08/2022 às 22h36

Brasil tem 247 mortes e 21.927 mil casos de Covid-19 em 24 horas

17/08/2022 às 19h46

Investimento pode chegar a R$ 6 milhões, e inscrições vão até setembro

Petrobras lança edital para empresas de tecnologia e startups

17/08/2022 às 19h09

Máscara deixa de ser obrigatória em aeroportos e voos no Brasil

17/08/2022 às 18h33

Quilombolas serão recenseados pela primeira vez na história

17/08/2022 às 16h00

Receita deflagra uma operação em SP e RS contra sonegação de tributos

17/08/2022 às 11h01

IBGE inicia censo em territórios quilombolas

17/08/2022 às 09h09

Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio estimado em R$ 3 milhões

17/08/2022 às 08h41

Juiz do TRT acusado de assédio sexual por 30 mulheres pede férias

17/08/2022 às 08h07