Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

AMAZONAS

Vale do Javari: local de morte de Bruno e Dom tem histórico de violência

Publicado em: 16/06/2022 15:55

 (crédito: João LAET/AFP
)
crédito: João LAET/AFP
O desaparecimento do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips fez com que nos últimos dias os olhos do mundo se voltassem para a criminalidade na Amazônia. O desfecho do caso, com a confissão de um dos suspeitos e a localização dos restos mortais dos dois, é mais um capítulo do histórico de violência na região do Vale do Javari, no oeste do Amazonas. 

A região, que faz fronteira com o Peru, abriga a maior quantidade de povos não-contatados do mundo, e tem sido alvo de disputas por criminosos que tentam explorar a região. A terra indígena foi demarcada em 2001 e, desde então, sofre com atividades ilegais. 

Bruno Pereira, que era servidor licenciado da Fundação Nacional do Índio (Funai), estava na região exatamente para apoiar a União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja) no combate ao crime. Lá, ele ajudou a fundar uma equipe de vigilância. Os cerca de 20 indígenas faziam monitoramento da região e documentavam os achados. Os integrantes desse grupo, agora, colaboraram nas buscas pelos dois.

Desde 2018, as bases da Funai na reserva sofreram com ao menos oito ataques a tiro, segundo a Indigenistas Associados, associação de servidores da Funai. Em 2019, a Justiça determinou que o governo federal desse mais segurança para a região. Foi também em 2019 que um colaborador da Funai morreu assassinado na cidade Tabatinga, próxima à terra indígena. Maxciel Pereira dos Santos levou dois tiros na nuca, após receber diversas ameaças. Até hoje, a investigação não foi concluída e nenhum suspeito foi indiciado. 

No ano passado, a Univaja produziu um relatório que foi entregue ao Ministério Público Federal de Tabatinga, no Amazonas, com relatos do aumento das invasões de criminosos na região. O jornal O Globo teve acesso ao documento, que, inclusive, traz denúncia contra Amarildo da Costa de Oliveira, o Pelado, que confessou envolvimento com o assassinato de Bruno e Dom. No relato, é falado que ele estava pescando peixe liso e Pirarucu no interior da terra indígena próximo à aldeia Korubo. De acordo com o MPF, um procedimento foi instaurado para investigar os relatos. 

Investigação 
 
Até o momento, três suspeitos de envolvimento com o assassinato de Dom e Bruno foram presos. Já tinham sido detidos Amarildo e o irmão dele, Osney da Costa. Nesta quinta, uma nova prisão foi feita. O nome dele ainda não foi divulgado.

Na noite desta quarta (15), o superintendente da Polícia Federal do Amazonas, Eduardo Alexandre Fontes, informou que a investigação prossegue. Causa da morte, circunstâncias do crime e as investigações seguem", pontuou. “Novas prisões devem ocorrer a qualquer hora do dia", completou.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Suspeito de ataque a tiros com seis mortos é detido nos EUA
Manhã na Clube: entrevistas com o pastor Wellington Carneiro e Alexandre Castelano
Planta gigante, prima da vitória-régia, é descoberta em Londres
Manhã na Clube: entrevistas com a deputada estadual Teresa Leitão (PT) e Juliana César
Grupo Diario de Pernambuco