Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

TESTE DO PEZINHO

Prevista em lei, ampliação do teste do pezinho ainda enfrenta barreiras

Publicado em: 22/06/2022 08:56

 (Foto: Reprodução Youtube)
Foto: Reprodução Youtube
A ampliação da triagem neonatal, o teste do pezinho, é uma conquista da sociedade brasileira. A mudança foi possível por conta da Lei 14.154/21, sancionada em março do ano passado. No entanto, o aumento do alcance ainda enfrenta inúmeros desafios, como a falta de acessibilidade para a população e a sobrecarga do sistema público de saúde.

No debate de terça-feira (21) no CB.Fórum, a coordenadora do Programa Triagem Neonatal da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo (SES-SP), Carmela Maggiuzzo Grindler, avaliou que a chave para garantir a identificação e prevenção de todas as doenças está na acessibilidade.

"A palavra é acesso. Acesso ao diagnóstico, ao tratamento, ao acompanhamento. Não é um simples exame. É um exame que implica em uma política pública, e essa política tem que respeitar os pilares do SUS (Sistema Único de Saúde). Também temos que respeitar a equidade: colocar os mais graves em espaços que tenham infraestrutura para atender os mais graves", frisou.

A especialista comentou a importância da tecnologia como aliada nesse processo. "Nas reuniões no Ministério (da Saúde), sempre digo que a tecnologia da informação, a inteligência artificial, tudo isso tem que vir também para a saúde", defendeu.

Carmela ainda chamou atenção para o fluxo migratório de pacientes e suas famílias para alguns estados, sobrecarregando o sistema em algumas regiões. "Cerca de 40% da corrente migratória de saúde se dá para o estado de São Paulo por conta de doenças raras. A gente tem que pensar na família, na saúde mental, na assistência social, na assistência psicológica. Entendo que a tecnologia pode construir pontes", observou.

Especialização
Ela salientou, ainda, a necessidade de haver tratamento especializado. "Vamos precisar, pela primeira vez no SUS, de fórmulas não industrializadas. É um desafio a triagem das doenças para as quais é preciso o ajuste à necessidade de medicina de precisão. É como um quebra-cabeças e entender o preenchimento desse tabuleiro para que a imagem total aconteça. É preciso conhecer cada um dos aspectos", destacou.

A especialista frisou que o Poder Executivo tem a responsabilidade de garantir o acesso à população. "É a cabeça de toda essa rede e tem um papel de efetivar todo esse fluxo — de acesso ao diagnóstico e de acesso ao tratamento com dignidade, com qualidade, com tecnologia de ponta", ressaltou.

Reforço
No mesmo painel, o presidente da Casa Hunter, Antoine Souheil Daher, deixou claro que outro grande desafio da ampliação do teste do pezinho é a necessidade da rapidez do exame. "Isso aumenta a eficiência para o paciente, diminui a angústia e cumpre a finalidade para qual foi criado", afirmou.

Daher também aponta a tecnologia como fundamental na realização dos testes, mas cita outras etapas do processo. "O maior desafio é como fazermos num tempo ágil, que atenda à necessidade de pacientes de todos o país. Em alguns lugares, é muito fácil planejar, mas, em outros, não. O desafio é atingir o nacional, não apenas alguns estados e municípios", observou.

Daniela Mendes, superintendente-geral do Instituto Jô Clemente, pioneiro no teste e referência no exame, frisou a necessidade de uma organização do modelo ampliado junto ao Ministério da Saúde e a capacitação dos profissionais para manejá-lo.

"O grande desafio é a capacitação, estabelecer protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas. Várias doenças ainda não têm um protocolo definido e isso é um problema", afirmou.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevistas com Isaltino Nascimento (PSB), Dr. Luiz Mário e  Pedro Silveira
Nova presidente da Caixa toma posse e anuncia primeiras medidas
Manhã na Clube: entrevista com o ex-ministro e pré-candidato ao senado, Gilson Machado
Suspeito de ataque a tiros com seis mortos é detido nos EUA
Grupo Diario de Pernambuco