Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

SANTA CATARINA

MPF recomenda que hospital de Santa Catarina realize aborto legal em menina de 11 anos

Publicado em: 22/06/2022 19:54

 (Foto: HU-UFSC/Ebserh)
Foto: HU-UFSC/Ebserh
O Ministério Público Federal (MPF) está apurando a conduta do Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago no atendimento de uma menina de 11 anos vítima de estupro. O hospital, localizado em Florianópolis, disse que só faria o procedimento com autorização judicial. Nesta quarta-feira (22), a procuradora Daniele Cardoso Escobar expediu uma recomendação para o hospital realizar o aborto legal.

"A realização de procedimentos de interrupção da gestação nas hipóteses de aborto legal [termo usado no meio médico para definir o procedimento nos casos autorizados por lei], a serem praticados por médico, independentemente da idade gestacional e peso fetal, sendo desnecessária qualquer autorização judicial ou comunicação policial", diz trecho. O MPF deu prazo de até às 12h de quinta-feira (23) para que o hospital responda à solicitação.

A negação da unidade ao procedimento previsto em lei segue uma norma técnica do Ministério da Saúde, segundo informações do The Intercept. O documento intitulado Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adoslescentes tem caráter de orientação e recomenda que o prazo para o procedimento ocorrer seja de 20 a 22 semanas de gestação.

No entanto, o mesmo documento diz que a realização do procedimento em casos de estupro não é condicionada à decisão judicial. "A lei penal brasileira também não exige alvará ou autorização judicial para a realização do abortamento em casos de gravidez decorrente de violência sexual", diz. A nota ressalta ainda que o mesmo serve para o Boletim de Ocorrência Policial e para o laudo do Exame de Corpo de Delito e Conjunção Carnal, do Instituto Médico Legal. "Não há sustentação legal para que os serviços de saúde neguem o procedimento caso a mulher não possa apresentá-los", informa um trecho.

Em nota enviada ao Correio, o hospital informou que não é possível se manifestar porque o caso corre em segredo de justiça. "Ao longo desses anos, recebemos crianças e adolescentes, provenientes de todo o Estado de Santa Catarina, para realizar interrupção legal da gestação em decorrência de estupro de vulnerável. Quando ocorre de ultrapassar o limite da idade gestacional estabelecido pelo protocolo para conduzir o procedimento, orientamos a família a recorrer judicialmente para assegurar esse direito.", diz a nota.

A menina de 11 anos foi mantida em um abrigo
A criança vítima de estupro foi mantida em um abrigo de acolhimento em Tijucas, para a afastar do autor do abuso sexual e também para impedir o procedimento de aborto legal. O caso foi divulgado pelo The Intercept e a juíza Joana Ribeiro Zimmer sugeriu que ela "suportasse “ficar mais um pouquinho com o bebê”. 

A juíza saiu do caso, mas não devido a repercusão do episódio. Ela foi promovida e transferida da 1ª Vara Cível de Tijucas, a 50km de Florianópolis — onde corre o processo pela violência contra a criança —, para Brusque. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) investigará a postura da magistrada no caso.

Confira a íntegra da nota do HU-UFSC/Ebserh:
O HU-UFSC/Ebserh não repassa informações sobre procedimentos relacionados ao prontuário de pacientes atendidos no hospital, em respeito ao sigilo das informações e à privacidade do paciente. Além disso, manifestações, no momento, não são possíveis porque o caso corre em segredo de justiça. O Hospital Universitário (HU/UFSC/Ebserh) é referência para o município de Florianópolis para a interrupção legal da gestação e desde 2005 segue as Portarias e normas técnicas definidas pelo Ministério da Saúde.

Ao longo desses anos, recebemos crianças e adolescentes, provenientes de todo o Estado de Santa Catarina, para realizar interrupção legal da gestação em decorrência de estupro de vulnerável. Quando ocorre de ultrapassar o limite da idade gestacional estabelecido pelo protocolo para conduzir o procedimento, orientamos a família a recorrer judicialmente para assegurar esse direito. Realizamos inúmeros encaminhamentos ao poder judiciário que, normalmente, defere o pedido com agilidade, compreendendo a complexidade e urgência da situação.

No entanto, há situações, pontuais, cuja conduta do poder judiciário não corresponde à expectativa da equipe assistencial do HU em atender as demandas de saúde na sua integralidade. É importante destacar que o procedimento de aborto legal no HU depende desta autorização da justiça quando ultrapassa as 20 semanas e 00 dias. O MP não baseou seu pedido no parecer da equipe especializada do HU-UFSC.

Em todas as circunstâncias o HU buscou garantir a assistência em saúde e os direitos humanos à criança, ofertando assistência à saúde, e avaliação da equipe multidisciplinar em relação à melhor conduta para a situação.

Esta instituição, que é uma das únicas do Estado de Santa Catarina a oferecer um serviço de aborto legal, sempre trabalhou com intuito de assegurar o direito das mulheres.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Última Volta: GP da Grã Bretanha de F1 2022
Toalhas de Lula e Bolsonaro movimentam o comércio e dão o tom das eleições
Desemprego cai a 9,8% entre março e maio no Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado federal Daniel Coelho e com a Dra. Magda Maruza
Grupo Diario de Pernambuco