Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

INTOLERÂNCIA RELIGIOSA

Menina afastada da mãe por frequentar umbanda quer voltar para casa

Publicado em: 16/06/2022 16:40

 (crédito: Arquivo pessoal
)
crédito: Arquivo pessoal
Há quase um mês, uma menina de 13 anos foi retirada da própria casa e da rotina para viver em um abrigo municipal, em Ribeirão das Neves, Minas Gerais, onde não conhece ninguém. Depois de alguns dias que ficou sem nenhuma comunicação com a filha, nessa quarta-feira (16), a diarista Liliane dos Santos, de 38 anos, conseguiu falar com ela pelo telefone.

"Perguntei 'como você está aí, minha filha?' e ela respondeu 'estou bem, mamãe. Só quero ir embora para minha casa'. São quase 30 dias que a menina está afastada da mãe e sem contato com familiares e amigos. Enquanto isso, na casa de Liliane, a cama está arrumada à espera da menina com edredom laranja, um urso rosa e os travesseiros com fronhas floridas.

A menina foi afastada da mãe por decisão da 2ª Vara da Infância e Juventude de Ribeirão das Neves, a pedido do Ministério Público de Minas Gerais. No entanto, a defesa da mãe aponta que se trata de um caso de racismo religioso, por Liliane ter levado a filha à umbanda. A defesa alega a fragilidade da denúncia apresentada pelo Ministério Público, baseada em relatos da direção da escola e do Conselho Tutelar sem que haja provas documentais de maus-tratos, o que poderia justificar a perda da guarda.

O caso começou quando a direção da Escola Estadual João Lopes Gontijo acionou o Conselho Tutelar de Justinópolis alegando que a menina tinha crises de convulsão e apresentava marcas no braço. Liliane afirma que "tiraram a filha do nada" sem que ela pudesse sequer se defender das acusações que fizeram contra ela.

Longe de casa há quase um mês, a menina não pode fazer pequenas ações de sua rotina, como comer empada e tomar refrigerante. "Semana passada, quando fui lá, meu coração cortou de dó, ela pediu para eu levar empadinha e Coca-Cola para ela." Liliane pretende visitá-la na terça-feira e quer atender ao pedido da menina que não pode mais brincar na rua ou jogar bola na quadra do bairro. "Todo mundo gosta de brincar com ela", conta a mãe.

Problemas de saúde
 
A direção da escola enviou documento, em 18 de maio de 2022, ao Conselho Tutelar de Justinópolis em que alega que a menina apresentava problemas de saúde.

"A adolescente é nossa aluna desde 2021, e vem apresentando convulsões constantes na escola, e, hoje notamos que a mesma tem cortes no braço esquerdo e duas cruzes, uma no braço direito e outra no braço esquerdo", traz o documento.

A mãe, no entanto, afirma que a menina passou mal uma única vez, quando teve um pequeno desmaio.

Na ocasião, a diretora acionou o Samu e a menina foi levada para a Unidade de Pronto-atendimento (UPA).

"Me chamaram na escola e quando cheguei, o Samu já estava e a levou para UPA Justinópolis. O médico falou que ela não tinha nada e voltamos para casa. Mediram a a trouxe embora."

Depois desse episódio, Liliane conta que foi chamada na escola, ocasião em que explicou que a filha estava fazendo um tratamento espiritual. pressão dela. O médico disse 'pode levar ela para casa, mãe. Ela não tem nada. E eu

"A diretora disse que ela tinha que esconder as guias, porque elas eram evangélicas e não precisava ficar sabendo daquilo que era pessoal da minha filha. Depois desse dia, começaram a implicar comigo".

'Eles não podem tirar o filho de uma mãe assim'
 
Liliane dos Santos defende que a filha foi afastada dela por racismo religioso, pelo fato de ela ser praticante da umbanda. "Eles não podem tirar um filho de uma mãe assim não. Esse povo não sabe a dor que estou sentindo. Foi racismo", diz.

A principal queixa de Liliane é não ter tido a oportunidade de se defender. Segundo ela, no dia em que foi chamada ao Conselho Tutelar de Justinópolis não pode argumentar.

"O jeito de elas me tratarem nem um cachorro é tratado desse jeito que fizeram comigo no dia que tomaram minha filha".

A defesa de Liliane está sendo feita por Isabela Dario, que também é presidente da Comissão de Liberdade Religiosa da OAB-MG. O outro advogado é o coordenador-executivo do Instituto de Defesa das Religiões Afro-brasileiras (Idafro), Hédio Silva Júnior, juntamente ao advogado Anivaldo dos Anjos.

A defesa argumenta ainda que o vínculo familiar é considerado pelo direito constitucional como "intocável" e que só pode ser desfeito em situação de vulnerabilidade, violência e abuso. Hédio afirma que é necessário apresentar provas de que tenham ocorrido maus-tratos, como um laudo pericial, o que não foi incluído nos autos do processo.

De acordo com os defensores de Liliane, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), o Código Civil e a Constituição Federal asseguram aos pais o direito de definir a educação religiosa dos filhos menores.

A Secretaria de Estado de Educação informou, por meio de nota, que "a supervisão da unidade de ensino seguiu a legislação vigente em defesa da criança e do adolescente (artigo 13 do Estatuto da Criança e do Adolescente) e comunicou o fato ao Conselho Tutelar."

Já o Conselho Tutelar de Justinópolis informou, também em nota, que houve "desvirtuamento da realidade fática". O Ministério Público disse que a menina foi levada em situação emergencial a um abrigo institucional por não haver indicação de outros familiares que pudessem assumir a guarda.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Última Volta: GP da Grã Bretanha de F1 2022
Toalhas de Lula e Bolsonaro movimentam o comércio e dão o tom das eleições
Desemprego cai a 9,8% entre março e maio no Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado federal Daniel Coelho e com a Dra. Magda Maruza
Grupo Diario de Pernambuco