Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Brasil

DESAPARECIMENTO NA AMAZÔNIA

EUA pedem prestação de contas e justiça pelos assassinatos de Dom e Bruno

Publicado em: 17/06/2022 18:24

 (Foto: CARL DE SOUZA / AFP)
Foto: CARL DE SOUZA / AFP
Os Estados Unidos pediram prestação de contas e justiça pelas mortes do indigenista Bruno Araújo e do jornalista britânico Dom Phillips. Nesta sexta-feira (17), o porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Ned Price, escreveu em sua rede social ser preciso "fortalecer coletivamente os esforços para proteger defensores do meio ambiente e jornalistas". 



Desde o desaparecimento de Dom e Bruno, no último dia 5, o governo vem recebendo muitas críticas pela postura passiva como cuidou do caso e pelas medidas que têm adotado em relação à proteção de ambientalistas. Após a confissão dos assassinatos, na quarta-feira (15), a pressão internacional aumentou, com protestos em diversos países.

A União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja) divulgou nota afirmando que o assassinato é um crime político, porque "ambos eram defensores dos direitos humanos e morreram desempenhando atividades em benefício de nós, povos indígenas do Vale do Javari".

A entidade ainda lembrou que os autores do crime foram motivo de ofícios enviados ao Ministério Público Federal (MPF), à Fundação Nacional do Índio (Funai) e à Polícia Federal (PF). "O requinte de crueldade utilizado na prática do crime evidencia que Pereira e Phillips estavam no caminho de uma poderosa organização criminosa que tentou a todo custo ocultar seus rastros durante a investigação", destacou a Univaja. 

Justiça 

A justiça brasileira tem se envolvido no caso com algumas determinações que deram celeridade às investigações. Na sexta-feira passada (10), o Supremo Tribunal Federal (STF), por meio de decisão do ministro Luís Roberto Barroso, determinou o prazo de cinco dias para que as autoridades apresentassem um relatório sigiloso com as providências adotadas e informações obtidas do caso. O descumprimento do prazo implica uma multa diária de R$ 100 mil.  

Na última quarta-feira (15), a Justiça Federal do Amazonas ordenou que a Fundação Nacional do Índio (Funai) retirasse do ar uma nota que desacreditava os trabalhos realizados pelo indigenista Bruno Araújo. A Juíza responsável pela determinação entendeu que o órgão fez uma “inversão de lógica". 

Além disso, foi determinado que a Funai providenciasse reforço nas equipes de buscas para os desaparecidos e para proteção do quadro de efetivo. “Envio imediato de forças de segurança pública específicas para garantir a integridade física dos seus servidores e dos povos indígenas em todas as Bases de Proteção do Vale do Javari”, decidiu a Justiça.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Última Volta: GP da Grã Bretanha de F1 2022
Toalhas de Lula e Bolsonaro movimentam o comércio e dão o tom das eleições
Desemprego cai a 9,8% entre março e maio no Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado federal Daniel Coelho e com a Dra. Magda Maruza
Grupo Diario de Pernambuco